“Eu me solidarizo com a dor de cada pai que hoje não terá seu filho para abraçar”

Álef, 17 anos, foi um dos oito adolescentes executados sumariamente por grupos de policiais militares em novembro de 2015, em Fortaleza, na que ficou conhecida como a Chacina da Grande Messejana ou Chacina do Curió. O texto abaixo foi postado hoje por sua Mãe numa rede social.

Por Edna Carla 

“Hoje é considerado pelo o comércio o dia dos pais. Porque para mim dia dos pais é todo dia. Mais vamos lá né.

Eu me solidarizo com a dor de cada pai que hoje não terá seu filho para abraçar.
Como por exemplo: os pais das vítimas da chacina do Curió. Hoje os malditos policiais que mataram nossos filhos, eles iram passar o dia dos pais com seus filhos, com os seus pais. 
E os da chacina o que eles teram para comemorar?
A falta do abraço do filho?
A falta do eu te amo do filho?
A cadeira vazia na mesa?
A falta das brincadeiras do filho?
A falta da alegria do filho que contagiava todo ambiente..
Mais aqui eu não quero falar só das tristezas dos familiares da chacina do Curió não.
Aqui eu quero falar sobre todo lamento de todos os pais que perderam seus filhos por conta da violência institucional.

Vivemos tempos ruins, tempos de guerra que só quem se ferra é o pobre seja civil ou policia.

E a propria policia não se dá conta que eles estão sendo usados para matar seu proprio povo, sua propria origem. Porque todo policial é pobre, a maioria nasceu em favela, a maioria negros.

Agora eu pergunto qual o filho do empresário, do rico, do politico que teve seu corpo tombado no chão? Nenhum.
Somente dos filhos de pobres, de periféricos, de negros que tem tombado ao chão.

Por esse motivo eu não posso e não devo me calar.
Que todos os pais sinta-se abraçados e aconchegados pelo os seus filhos. Que nós sabemos que eles não estão aqui, mais se estivessem eles fariam o mesmo.
Álef presente pra sempre.
Jardel presente pra sempre.
Antônio Alisson presente pra sempre.
Pedro Alcantara presente pra sempre.
Patrício João presente pra sempre.
Marcelo Silva presente pra sempre.
Renayson Girão presente pra sempre.
Janderson Alexandre presente pra sempre.
Valmir Ferreira presente pra sempre.
Francisco Elenilson presente pra sempre.
José Gilvan presente pra sempre.

Vítimas da chacina do Curió nunca será esquecidas.”

Moradores querem que culpados pelas mortes sejam punidos. Foto: Hayanne Narlla /Tribuna do Ceará

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

12 − quatro =