CDHM pede informações ao Ministério da Defesa sobre a situação dos venezuelanos em Pacaraima

No último sábado (18), brasileiros agrediram venezuelanos na cidade de Pacaraima, em Roraima, na fronteira brasileira. Um comerciante teria sido agredido, supostamente por venezuelanos, em um assalto na tarde de sexta-feira (17). Em seguida, cerca de 700 pessoas foram expulsas das tendas onde estavam acampadas depois de um grupo atirar pedras e até bombas caseiras contra os refugiados. Os manifestantes também atearam fogo em pertences dos imigrantes. A rodovia BR-174 chegou a ser bloqueada por manifestantes por algumas horas para impedir que os imigrantes retornassem ao país de origem e depois foi liberada. A informação é do Exército, que também afirma que cerca de 1.200 venezuelanos deixaram Pacaraima desde o início das agressões

CDHM

Hoje, segunda-feira (20), o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM), Luiz Couto (PT/PB), enviou ao ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, um ofício onde solicita informações sobre as providências tomadas para abrigar os imigrantes e prevenir atos de violência e xenofobia.

O mesmo documento foi enviado para a procuradora-geral da República do Brasil, Raquel Dodge.

“Queremos reforçar as conclusões do Relatório das Violações de Direitos Contra Imigrantes Venezuelanos no Brasil, feito pelo Conselho Nacional dos Direitos Humanos. Principalmente, no que diz respeito ao abrigamento dos refugiados e policiamento constante nos locais onde eles estão”, destaca Luiz Couto.

O governo federal deve enviar esta semana um reforço de 120 homens da Força Nacional.  Atualmente, já existem 31 agentes da Força em Pacaraima. Um abrigo deve ser construído fora da cidade e 36 profissionais da saúde, voluntários de hospitais universitários, serão enviados para atender os imigrantes.

Veja a íntegra do relatório do Ministério dos Direitos Humanos aqui.

Foto: Inaê Brandão

Enviada para Combate Racismo Ambiental por Pedro Calvi.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

um × 1 =