As respostas de dois médicos cubanos às alegações do capitão

A revolta ante as alegações de Bolsonaro na tentativa de justificar suas palavras e promessas de ações com relação ao trabalho no Programa Mais Médicos levou vários profissionais cubanos a se posicionarem. Dentre eles, selecionamos dois depoimentos que reproduzimos abaixo:  

***

Yoanner González Infante: “Deus tome conta dos pobres. Deus tome conta do Brasil”

O texto abaixo trata-se de uma opinião pessoal, que não tem o porque se ajustar à realidade de outras pessoas. Trata-se de uma reflexão pessoal com a qual você não tem que concordar. Infelizmente sei que muitas pessoas não vão interpretar a essência do conteúdo. Meu propósito é esclarecer minha realidade e não a realidade individual de outros médicos, além deles se sentirem identificados com minhas palavras, meu princípio de humanidade e solidariedade. Agradeço as mostras de carinho e repúdio os comentários de carácter discriminatórios.

Bolsonaro diz: “Atualmente, Cuba fica com a maior parte do salário dos médicos cubanos e restringe a liberdade desses profissionais e de seus familiares. Eles estão se retirando do Mais Médicos por não aceitarem rever esta situação absurda que viola direitos humanos. Lamentável!”, escreveu o presidente.

Eu respondo: Bolsonaro meu filho, quando o Sr diz que Cuba fica com meu salário eu só penso nas seguintes questões:

1-Eu aceitei os términos de um contrato por livre y pessoal determinação.

2-Ciente de que com esse dinheiro minha mãe, irmãos, sobrinhos, primos, tios, vizinhos, famílias todas tem garantido o cuidado de sua saude. Sem pagar nada .

3-Ciente que minha formação como médico e graças a criação de Universidades públicas em todo o território Nacional. Onde filhos de Pedreiros, Advogados, Fazendeiros, Faxineiras, empregados dos Correios, médicos , etc… compartilham a misma sala de aulas sem discriminação por sexo, cor, ideologia, ou riqueza. Isso Bolsonaro chama-se igualdade. Coisa que Sr não conhece Porque não existe num país onde a corrupção e os privilégios políticos acabam com a riqueza do Brasil.

3-Eu tenho o coragem de trabalhar para o povo brasileiro ainda sem perceber esse salário que o Sr fala. Porque eu não trabalho só por uma questão economica. Eu trabalho porque gosto da minha profissão, por que jamais vou ficar rico a costas dos pobres. Porque jamais vou usar a política como médio de vida. Porque jamais vou enganar os pobres com falsas promessas. Porque jamais vou plantar o ódio e discriminação no coração de ninguém. Porque vou pensar bem as coisas antes de falar para não ter que fazer como você (pedir desculpas todos o dias pelas loucuras que fala).

4-Eu posso sim trazer alguém de minha familia. Não trouxe porque Sr Bolsonaro o pobre tem que ter prioridades na vida e para mim a prioridade e ajudar minha família mas que comprar um passagem aérea sabendo que em casa temos outras necessidades e prioridades.

5- Sei também que o Sr conta com o apoio de uma pequena parte de meus colegas que por motivaçãoes políticas e economicas acham melhor se enriquecer de dinheiro e não de amor, experiência, valores morais, patriotismo, dignidade. Porque eu posso não concordar com meu salário lá em Cuba. Eu posso até não concordar com o sistema político da cuba. Mas também não tenho porque difamar de meu país, eu vi isso também nos brasileiros pobres que é a maioria no brasil. Eles gostam de seu Brasil, daquele povinho onde eles nasceram, só que com certeza gostam que esse mesmo Brasil que eles tem no coração tenha igualdade, pobreza 0, fome 0, discriminação 0, violência 0, corrupção 0, saúde e educação de qualidade. Mas ainda assim no Brasil imperfeito eles gostam de seu país.

6- O Sr diz que os cubanos “estão se retirando do Mais Médicos por não aceitarem rever esta situação absurda que viola direitos humanos. Não Bolsonaro, o que realmente viola os direitos humanos e privar aos pobres do Brasil do acesso a Saúde por não concordar com outras ideologias polícias. Porque o Sr quer mudar as regras sem perguntar aos beneficiários do programa se realmente os cubanos fazem o trabalho do jeito que tem que ser. Porque aqui no Brasil a gente tem preceptores Brasileiros, a gente está fazendo um curso em Medicina familiar, tudo baixo a supervisão de excelentes profissionais brasileiro. A gente não está lá em qualquer canto fazendo as coisas a capricho não. Agora vem você a dizer que nós estamos fantasiados de médicos. Aqui o único fantasiado é o Sr é todos os que apoian sua absurda visão da realidade. O Sr só está lutando pelos privilégios das minorias. Lamentável! Sim. Sr Bolsonaro o que resulta lamentável e ver como um cara sem conhecimentos de nada apenas só de armas consegue se elegir presidente . E ainda assim mais lamentável ainda foi ver alguns pobres elegir você. Deus tome conta dos pobres. Deus tome conta do Brasil.

7- Quem estudou na época dos livros, quem estudou na época que as pesquisas eram feitas nos livros e não no Google ou na internet merece respeito.
Quem lutou pela vida e chorou pela morte de uma pessoa ou de uma criança merece respeito.
Quem foi lá onde para muitos e o Fim do mundo para cuidar dos doentes merece respeito.
Quem ficou longe da família para devolver o sorriso de um idoso ou uma criança merece respeito.
Aie e para tirar o chapéu viu.

Absurdo que 66 países no mundo estão se beneficiando de nossa labor e vem você a chamar de fantasiados. Pior ainda duvidar de que alguém queria ser atendido por cubanos.

Peço respeito pelos meus colegas.
Peço respeito a livre escolhia de meu povo.
Peço respeito para os pobres.
Peço respeito para a Medicina Pública.
Peço também o Sr estudar o que significa amor ao próximo.
O que significa Pátria.
O que significa dignidade.
O que significa diplomacia.
O que significa Medicina familiar.
O que significa igualdade.
O que significa respeito de pensamento.
O que significa ser o presidente dos brasileiros pobres também é não só dos ricos e poderosos.

Saúde é longa vida para O Sr.. Você pode passar a História do Brasil como um bom presidente. Isso vai depender muito de você. A história vai lhe cobrar.

Deus abençoe você e seu povo.

***

Neibis Lopez Clabel. Reprodução Facebook

Neibis Lopez Clabel, médica cubana atuante em Ibirataia, Bahia: “Não viemos ‘procurar emprego’ aqui. Não há qualquer tipo de vínculo formal entre o governo brasileiro e os médicos cubanos. Nós viemos a trabalho, em missão” 

Postado por Luiz M Moraes

Depois de 1 ano e 5 meses no município de ibirataia, ficando fora dos comentários relacionados a temas políticos no Brasil, hoje decidi me projetar após ler publicações feitas sob[re] o governo cubano e o programa mais médicos, “se seu país não garante saúde, educação, justiça e cultura, então por que você sente que pode falar mal de Cuba?

Só para esclarecer, achamos que nenhum dos brasileiros têm mais conhecimentos do nosso país e de nosso governo que a gente. As condições de Jair Bolsonaro (apesar que ainda não é o presidente do país):

1. PROVA DE PROFICIÊNCIA

– Essa exigência não faz sentido. O convênio efetuado entre Brasil e Cuba, via OPAS, preconiza a prestação de serviços médicos. Os médicos não vieram voluntariamente “procurar emprego” aqui. Não há qualquer tipo de vínculo formal entre o governo brasileiro e os médicos cubanos. Nós viemos a trabalho, em missão, tendo sido escolhidos pelo governo cubano e estando sob responsabilidade deste. Não temos problema nenhum em fazer exame de revalida sempre que fosse um requisito no início do contrato. Achamos que depois de 5 anos de trabalho dentro do Brasil com resultados positivos nos indicadores de saúde do município é falta de respeito a nossa integridade solicitar esse exame.

2. SALÁRIO INTEGRAL PARA OS MÉDICOS CUBANOS

– Quando a gente veio assinou o contrato ciente da percentagem de salário que íamos receber e sabendo que o dinheiro que vai para o país é utilizado para a saúde e a educação de nosso povo, porque antes de nós sermos médicos outros profissionais de saúde estavam trabalhando para garantir a nossa formação, agora é nossa vez de contribuir para as próximas gerações.

3. LIBERDADE PARA TRAZER AS FAMÍLIAS

– Esse, como os outros dois pontos, é mais um mito que não se sustenta em pé. Não há impedimento para que as famílias de cubanos venham ao Brasil ou possam se dirigir a qualquer outro país. Só que os familiares, obviamente, não virão junto com os médicos, que, como dito, vêm a serviço. Mas sim, há diversos médicos cubanos com famílias no Brasil, seja vivendo ou tendo visitado este país.

Nós não somos escravos nem consideramos que vivemos em uma ditadura, muito pelo contrário, somos trabalhadores, responsáveis, humanos, pessoas formadas no conceito que nossa melhor recompensa é o bem-estar de nossos pacientes e não o lucro que poderíamos obter deles.

Quero agradecer aquelas pessoas das quais recebi muito apoio e carinho durante minha estância, vcs sempre estarão no meu coração.

Foto: Yoanner González Infante e uma paciente. Reprodução Facebook.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

quinze − sete =