Mulheres ocupam mineradora australiana na Bahia contra modelo de exploração de níquel

Unidade da Mirabela Nickel ficou fechada durante toda a manhã em Ipiaú após ação de 200 integrantes do MAM e do MST

Redação Brasil de Fato

Na madrugada da sexta-feira (8), Dia Internacional de Luta das Mulheres, duzentas militantes do Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e do Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM)ocuparam uma unidade da mineradora australiana Mirabela Nickel em Ipiaú (BA), fechando os portões da empresa. Elas deixaram o local no final desta manhã.

O objetivo, segundo Camila Mudrek, uma das organizadores do protesto, foi denunciar o descaso e a violência do modelo mineral brasileiro contra as mulheres – tanto as trabalhadoras como as comunidades vizinhas aos projetos. As mulheres também denunciaram os riscos de contaminação do Rio de Contas, que abastece a região e fica localizada a menos de 1 km da barragem de rejeitos.

“Ocupamos a mina da Mirabela Nickel porque a empresa vem de um processo longo de crise administrativa, tendo fechado sua operação por quase de 3 anos (desde 2016) devido à baixa no valor do níquel no mercado internacional. A mineradora retoma suas atividades em 2019 com novas promessas de emprego e lucros para a região, mas nos perguntamos quanto desses empregos beneficiarão as mulheres, ou se o modelo mineral seguirá em perspectiva de ações destrutivas e excludentes”, diz Mudrek.

As militantes também reivindicam, baseadas na Lei 13.540/2017, que a Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM) em Ipiaú seja utilizada para promover a diversificação econômica para o município e a para financiar da produção agroecológica, pauta prioritária das famílias organizadas em movimentos populares, como o MST, na região.

A ação faz parte da jornada de luta das mulheres da Via Campesina. “Nós do MAM e do MST trouxemos as palavras de ordem em memória de Marielle, do combate à reforma da Previdência e pelo fim da violência contra mulher também, por entender a importância de ações solidárias organizadas em nível nacional”, conclui a organizadora.

Edição: Pedro Ribeiro Nogueira.

Imagem: Mulheres fecharam os portão da empresa, pedindo a diversificação de investimentos na região / Magno Luiz/MAM

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

nove − 7 =