15 universidades públicas produzem 60% da ciência brasileira

Relatório da empresa Clarivate Analytics traça cenário da produção científica nacional entre 2013 e 2018. Cientistas comemoram avanços, mas temem impacto dos cortes orçamentários no futuro

Por Herton Escobar, no Jornal da USP

Quinze universidades — todas elas públicas — produzem mais da metade da ciência brasileira, segundo um relatório da empresa Clarivate Analytics, divulgado nesta semana em Brasília. As três universidades estaduais paulistas (USP, Unesp e Unicamp) encabeçam a lista, com mais de 100 mil trabalhos científicos publicados no período de seis anos contemplado pelo estudo (2013-2018).

As outras 12 instituições são 11 universidades federais e uma estadual, do Rio de Janeiro. Juntas, essas 15 universidades são responsáveis por mais de 60% do conhecimento científico produzido no País, segundo o relatório. O levantamento foi feito a pedido da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação (MEC). Veja a íntegra do relatório aqui: Research in Brazil: Funding Excellence.

Os dados contradizem duas críticas frequentes do governo federal às universidades públicas brasileiras: de que elas não fazem pesquisa e não se relacionam com empresas. Segundo o relatório, a produção de trabalhos acadêmicos em colaboração com a indústria vem crescendo de forma exponencial no País desde a virada do século, e a esmagadora maioria dessas colaborações é feita com universidades públicas.

“O relatório mostra que a ciência brasileira tem crescido sistematicamente e que as universidades, como já sabíamos, são o principal motor nesse desenvolvimento”, diz o físico e pró-reitor de Pesquisa da Universidade de São Paulo (USP), Sylvio Canuto. “Em conjunto com a manutenção dessa vitalidade acadêmica, vemos também uma mudança de perfil nas publicações científicas, com um aumento exponencial da interação entre as universidades e a indústria. Isso responde a um anseio da sociedade, que cobra uma maior participação da pesquisa científica no desenvolvimento econômico e social do País.”

Segundo o relatório, a produção científica do Brasil cresceu 30% entre 2013 e 2018 — o dobro da média mundial, de 15%. O País continua sendo o 13° produtor de ciência no mundo, em número de trabalhos publicados. Isso, apesar da crise econômica e dos cortes expressivos no orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), que teve seus recursos reduzidos quase que pela metade desde 2014.

O que não significa que os cortes orçamentários não estejam afetando a ciência nacional, diz o professor Antonio Carlos Marques, do Instituto de Biociências da USP. Os efeitos só não são visíveis ainda nas estatísticas, segundo ele, porque há um intervalo de aproximadamente cinco anos entre o financiamento de pesquisas, a publicação de resultados e o início da contabilização de citações — tempo necessário para o cientista receber os recursos, realizar os experimentos, analisar os dados, publicar os resultados, e esses trabalhos começarem a ser citados por outros pesquisadores na literatura científica, etc.

A expectativa, portanto, é que os impactos negativos dos cortes que tiveram início em 2014 comecem a aparecer de forma mais clara nas estatísticas deste ano em diante. “Se o panorama atual não mudar, estamos no começo de uma queda que deverá se acentuar daqui para frente”, afirma Marques. Os cortes de orçamento e bolsas que estão ocorrendo agora, segundo ele, se não forem revertidos, poderão dar origem a uma “catástrofe estatística” por volta de 2024, com risco de um “colapso do sistema de pesquisa” e “dependência vertiginosa” do Brasil em termos de ciência e tecnologia.

“Chegamos a esses resultados graças a uma série de esforços positivos realizados nas últimas décadas”, diz a cientista Helena Nader, professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e presidente de honra da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Por outro lado, medidas que estão sendo implementadas pelo MEC e MCTIC — com cortes expressivos em recursos de fomento e bolsas previstos para os próximos anos — “vão nos levar muitos passos para trás”, diz ela. “É surreal o que está acontecendo.”

O relatório da Clarivate já traz algumas tendências potencialmente preocupantes. O porcentual de trabalhos científicos produzidos no Brasil que estão no grupo do 1% e dos 10% de trabalhos mais citados no mundo caiu nos últimos dois anos, assim como o ritmo de internacionalização da ciência brasileira diminuiu. Entre 2013 e 2015, o número de artigos publicados por cientistas no Brasil em colaboração com autores estrangeiros cresceu 17,5%; enquanto que, entre 2016 e 2018, esse aumento foi de apenas 1,8%.

O relatório ressalta que os dados mais recentes devem ser interpretados com cautela: “É importante enfatizar que se deve ter cuidado na interpretação das contagens recentes de citações de 2018, que tendem a ser voláteis”. Os desvios nos gráficos, segundo o documento, podem estar relacionados ao fato de os dados serem ainda muito recentes, sem necessariamente representar “desvios dramáticos de tendências persistentes”.

Questão de impacto

Um fator difícil de ser analisado por métricas isoladas, mas que é uma preocupação antiga da comunidade científica, diz respeito ao impacto das pesquisas brasileiras no cenário internacional.

O relatório deixa claro que o Brasil possui núcleos de excelência científica mundial em algumas áreas do conhecimento, mas ainda deixa a desejar, de uma forma geral, em termos de ineditismo e relevância internacional de suas pesquisas. As áreas com o maior índice de impacto, segundo o estudo, são as de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas — justamente as mais criticadas e consideradas de menor relevância pelo governo federal.

A métrica usada pela relatório nesse quesito é a de Impacto de Citações Normalizado por Categoria (CNCI, em inglês). As universidades que mais se destacam nesse quesito em geral são algumas federais de menor porte, como as do ABC paulista (UFABC) e de São João del-Rei, em Minas Gerais (UFSJ).

“O Brasil continua com o desafio do chamado impacto da ciência, que continua, na média, abaixo do desempenho médio mundial”, diz o especialista Abel Packer, coordenador de projetos da Fundação de Apoio à Universidade Federal de São Paulo e diretor do Programa SciELO / Fapesp.

O CNCI médio mundial é 1.0. No Brasil, o índice chegou a 0,91 em 2016, depois caiu para 0,88, em 2017. Nesse quesito, o País está à frente da Rússia e da Índia, e quase empata com o Japão, porém fica atrás de vizinhos latino-americanos como Argentina, Chile e Colômbia – Figura 4 do relatório.

Packer lembra, porém, que a produção científica brasileira tem uma série de características que não são “bibliometricamente favoráveis” e que colocam o País em desvantagem nessas comparações. Muitas áreas, por exemplo, têm baixo índice de internacionalização porque são fortemente voltadas para problemas nacionais, o que reduz a visibilidade internacional das pesquisas e, consequentemente, o seu índice geral de citações.

As ciências agrárias são um exemplo disso – muitas das pesquisas que dão suporte ao desenvolvimento da agropecuária brasileira não têm necessariamente um alto fator de impacto internacional, porque se aplicam a condições específicas do solo, do clima e da biodiversidade nacionais.

Packer faz uma leitura positiva do relatório, e acha difícil prever como ou quando os impactos dos cortes orçamentários vão (ou não) aparecer nas estatísticas de produção científica do País nos próximos anos. “Vai depender muito do comportamento e da resiliência dos programas de pós-graduação”, que são as principais fábricas de ciência do País, diz. “Temos muitos resultados positivos acumulados, mas certamente é possível que os cortes tenham efeitos visíveis mais para frente.”

Enviada para Combate Racismo Ambiental por Diogo Rocha.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

15 − oito =