Agência de Mineração interdita 47 barragens por falta de segurança; 37 estão em MG

Número representa mais de 10% dos 431 locais de mineração inseridos na Política Nacional de Segurança de Barragens

Redação Brasil de Fato

A Agência Nacional de Mineração anunciou a interdição de 47 barragens em todo o país, que não apresentaram os estudos de segurança necessários. Deste número, 37 são barragens do estado de Minas Gerais, onde aconteceram os dois maiores crimes socioambientais com barragens no país, da Samarco na Bacia do Rio Doce e da Vale, em Brumadinho.

Segundo a agência, as 431 barragens de mineração inseridas na Política Nacional de Segurança de Barragens deveriam entregar, até 31 de março, a Declaração de Condição de Estabilidade (DCE). Assim, “as estruturas de mineração que não atestaram a segurança ou não enviaram a DCE estão automaticamente proibidas de receber novos aportes de rejeitos ou sedimentos”, segundo a nota da ANM. Das interditadas, 31 mandaram a declaração atestando que não estão seguras.

Minas Gerais continua sendo o estado que detém o maior número de barragens interditadas (37), seguido de Mato Grosso (4), Paraná (2), São Paulo (2), Amapá (1) e Rio Grande do Sul (1). Das barragens interditadas, 36% são do método a montante.

Alerta para barragens em Ouro Preto, Barão e Nova Lima

Movimento pela Soberania na Mineração (MAM) alerta que muitas das barragens interditadas pela agência estão em nível 3 de insegurança, considerado o com maior risco de rompimento: Forquilhas I, II, III e IV (Ouro Preto – MG), Sul Superior (Barão de Cocais-MG) entre outras. 

Outras estão em nível 2, como a de Vargem Grande (Nova Lima-MG), e na opinião do movimento “já há a necessidade de remoção de pessoas das Zonas de Auto Salvamento”. “É como se as pessoas estivessem a menos de 10 km ou 30 minutos de distância da barragem, pensando a velocidade da lama do rompimento”, explica o MAM. 

Destaca-se ainda a alta interdição de barragens de propriedade da Vale e afiliadas. Das 103 barragens da empresa inseridas na Política Nacional de Segurança de Barragens, 26 foram interditadas por falta de estabilidade.

Mineradoras continuam funcionando

Mesmo com a pandemia do novo coronavírus, as empresas mineradoras não suspenderam suas atividades no país. Uma portaria emitida pelo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, incluiu as atividades de mineração como essenciais durante a pandemia da covid-19.

Reportagem do Brasil de Fato mostrou que continua sendo comum a circulação de operários em ônibus, refeitórios e entre cidades vizinhas às zonas mineiras.

Edição: Joana Tavares

Imagem: Barragens Forquilha I, II e III, em Ouro Preto, estão entre as barragens interditadas – Google Earth

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

9 − 5 =