Igreja e Governo firmam compromisso para solucionar conflito de terra em PE

Na CPT NEII

A Comissão Regional Pastoral para a Ação Sociotransformadora da CNBB NE2 levou ao governador de Pernambuco, Paulo Câmara, denúncias de ameaças e violação dos direitos contra cerca de 5.000 agricultores residentes em pelo menos nove comunidades, na zona da mata sul do Estado. Em meio à pandemia de coronavírus, os camponeses há meses vêm sofrendo com ações violentas como a destruição de lavouras e até atentados contra a vida, tudo isso sob o comando de empresas dos setores agropecuário e imobiliário.

A audiência foi realizada no Palácio do Campo das Princesas, sede do governo pernambucano, no Recife, nesta segunda-feira (21). Além do articulador da comissão das Pastorais Sociais, diácono Jaime Bomfim, estiveram presentes o arcebispo metropolitano de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, e o representante da Diocese de Palmares (PE), padre Agivaldo Lessa.

O governo de Pernambuco firmou o compromisso de construção de um protocolo de iniciativas com o objetivo de solucionar o conflito, reconhecendo a propriedade dos camponeses que vivem e trabalham na região há muitas décadas. Entre as iniciativas está a substituição do delegado responsável pelos inquéritos, a retirada de câmeras para monitoramento dos trabalhadores rurais e a efetivação dos moradores nas áreas de litígio.“A conversa foi muito proveitosa e se decidiu que deveria agir por etapas com ações realizadas área por área, do contrário os obstáculos seriam maiores e prejudicariam ainda mais os trabalhadores inclusive pelo tempo que levaria”, afirmou o diácono Jaime Bomfim.

Entre as autoridades civis presentes na reunião e que se comprometeram em atender o pleito apresentado pela Igreja estavam os secretários de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, e de Desenvolvimento Agrário, Dilson Peixoto. Também participaram o procurador geral do Estado, Ernani Medicis, e o chefe da Polícia Civil, Nehemias Falcão de Oliveira Sobrinho.

Carta de Solidariedade

A ação de defesa e garantia dos direitos dos camponeses vítimas de conflito na mata sul de Pernambuco é capitaneada pela Igreja com o apoio de mais de 50 entidades sociais. Juntas, as instituições divulgaram uma carta em solidariedade às famílias que vivem sob a ameaça de perderem suas terras e até suas vidas. O documento foi entregue no último dia 17 ao presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco, deputado Eriberto Medeiro.

Clique aqui e confira a Carta de Solidariedade

Foto: João Zinclar

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

20 + 11 =