O racismo da academia apagou a história de Dandara e Luisa Mahin

Este texto é uma resposta à historiadora Ana Lucia Araujo, que considera perigosa a inclusão no Panteão da Pátria de guerreiras cuja existência não teria sido provada. O projeto, aprovado pelo Senado, ainda depende da apreciação do presidente. 

Por Ale Santos, The Intercept Brasil

A ESCRAVIDÃO INTERROMPEU a história da África e de seus descendentes, roubando séculos de produção intelectual em troca de trabalho forçado. O Brasil só aboliu a escravidão há menos de 131 anos e é natural ver alguns nomes de heróis afro-brasileiros sendo reconhecidos cada vez mais no Panteão da Pátria, um memorial cívico inaugurado em 1986 para homenagear personalidades brasileiras.

(mais…)

Ler Mais

Dandara e Luisa Mahin são consideradas heroínas do Brasil – o problema é que elas nunca existiram

Este texto é uma resposta a Ale Santos. O escritor considera a inclusão das guerreiras no Panteão da Pátria uma reparação ao racismo na história que ignora a importância da tradição oral. O projeto, aprovado pelo Senado, ainda depende da apreciação do presidente. 

Por Ana Lucia Araujo, The Intercept Brasil

O BRASIL É O PAÍS com a mais longa história de escravização nas Américas, mas ainda hoje lida com dificuldade com esse passado trágico. Último país do continente americano a abolir a escravidão em 1888, o Brasil importou cerca de 5 milhões de africanos escravizados. Ainda nos anos 1850, navios escravistas continuaram a desembarcar cativos trazidos da África ilegalmente em praias brasileiras. Ainda assim, desde a abolição da escravidão, um grande número de brasileiros recusa reconhecer que os africanos trazidos acorrentados nos porões de navios e seus descendentes foram aqueles que construíram o país.

(mais…)

Ler Mais

Para combater Moro e seu pacote de barbáries

Genocídio de pretos e pobres é antigo, mas proposta “anticrime” dará verniz legal para prisões em massa e violência policial. Ruas já mostraram que é possível enfrentar truculência do governo. Ato denuncia, hoje, medida autoritária

por Sergio Storch, em Outras Palavras

Na Justiça também as forças se movem, e há este chamamento para o lançamento estadual da campanha “Pacote anticrime é uma solução fake”, hoje, dia 4 de junho, nas Arcadas do Largo São Francisco, às 19 horas.

(mais…)

Ler Mais

Ato ‘Parem de nos matar!’ juntou 2000 na Orla contra a violência de Estado nas Favelas

Por Carolina Medina Zárate, no Rio On Watch

Há uma semana, no dia 26 de maio, no Posto 8 da praia de Ipanema, na  Zona Sul, por volta de 2000 pessoas participaram do ato de protesto Parem de Nos Matar! Organizações comunitárias e da sociedade civil, lideranças de diversos movimentos sociais, moradores de favelas, representantes políticos e cidadãos do Rio, e um número insuportável de mães e famílias de vítimas de mortes extrajudiciais nas mãos da nossa polícia, reuniram-se, na orla, com o objetivo de exigir do Estado o direito à vida e para posicionar-se contra o massacre que está em curso no Rio de Janeiro. Vieram à orla, seguindo os organizadores, para trazer ao conhecimento dos moradores do asfalto o extermínio de inocentes que está acontecendo hoje nas favelas e periferias da cidade. E para que todos juntos, mudemos este cenário.

(mais…)

Ler Mais

MPF pede ao governador do RJ providências de combate à violência religiosa

Em encontro realizado nesta sexta-feira (31), órgão manifestou preocupação com ataques a terreiros que vêm ocorrendo na Baixada Fluminense

O Ministério Público Federal (MPF), por meio do procurador da República Julio José Araujo Junior, se reuniu nesta sexta-feira (31) com o governador do estado do Rio de Janeiro Wilson Witzel para pedir providências no combate à violência nos casos de intolerância religiosa contra comunidades de matriz africana na Baixada Fluminense. Entre os encaminhamentos da reunião, definiu-se a realização de um encontro com as lideranças religiosas do povo de santo e a adoção de medidas de reparação e responsabilização pelo governo em relação aos episódios já ocorridos.

(mais…)

Ler Mais

Cresce parcela da população que se declara negra no Brasil, segundo IBGE

Resultado pode ser atribuído às políticas de ação afirmativa e também aos debates propostos pelo movimento negro

por Jaqueline Deister, em Brasil de Fato

A última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD) divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na semana passada revelou um aumento na população que se autodeclara negra e uma redução na que se identifica como branca. Segundo a pesquisa, em 2018, a população branca representava 43,1% , a parda 46,5% e a preta 9,3%. Os registros do IBGE apontam que, se comparado com os últimos seis anos, a população que se declara negra aumentou em 4,7 milhões. Isso significa que no ano passado 19,2 milhões de pessoas passaram a se entender como negras.

(mais…)

Ler Mais

Jovem feminista e militante contra o racismo: conheça Mãe Nivia Luz

‘Quando alguém me dá uma pedrada, não posso considerar apenas como intolerância. Para mim é terrorismo’

por Guilherme Soares Dias, em CartaCapital

Quando Mãe Stella de Oxóssi, uma das mais importantes ialorixás da Bahia, morreu aos 93 anos, em dezembro de 2018, um vácuo abriu-se na hierarquia das religiões de matriz africana no Brasil. Mãe Stella era uma das mais respeitadas e veteranas ialorixás do País, guia de centenas de pais e mães de santo espalhados pelo território nacional. Em março deste ano, o candomblé perdeu Makota Valdina, aos 75 anos, outra referência, vítima de uma parada cardiorrespiratória. As líderes do candomblé costumam ser mulheres mais velhas e, de tempos em tempos, a renovação é natural. A escolha das substitutas geralmente segue a linhagem familiar, mas costuma ser feita pelo jogo de búzios, como determinam os orixás.

(mais…)

Ler Mais

Comandante dos Bombeiros manda apurar denúncias de racismo e assédio no Colégio Militar Dom Pedro II, no DF

O Metrópoles recebeu dezenas de relatos. Entre eles, um novo caso: livro cobrado no PAS foi vetado por abordar a homossexualidade

por Gabriela Furquim, em Metrópoles

O comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF), coronel Carlos Emilson Ferreira dos Santos, abriu, nessa segunda-feira (27/05/2019), investigação para apurar as denúncias de discriminação racial e assédio moral dentro do Colégio Dom Pedro II.

(mais…)

Ler Mais

“Parem de nos matar”: aumento da violência policial motiva protesto no Rio de Janeiro

Manifestação na orla de Ipanema foi convocada por dezenas de movimentos populares

Redação Brasil de Fato

Em função da onda crescente de mortes decorrentes de ações policiais em favelas do Rio de Janeiro, moradores e movimentos populares organizaram uma manifestação na manhã deste domingo (26) na orla do Ipanema, zona sul da capital. Com o mote “Parem de nos matar!”, o protestou criticou a política de segurança pública adotada pelo governo de Wilson Witzel (PSC) que já resultou em 434 [mortes] apenas no primeiro trimestre de 2019, segundo dados do Instituto de Segurança Pública (ISP). Palavras de ordem como “Fora Witzel”, “Fora Bolsonaro”, “Não tem arrego, se mexer com nossos filhos eu tiro seu sossego” foram entoadas pelos manifestantes.

(mais…)

Ler Mais

Casa de candomblé é derrubada pelo governo do DF; ‘Intolerância religiosa’, diz OAB

Construção é filial da Casa do Caboclo, entidade fundada em 1975. Governo afirma que área pública sofria ‘parcelamento irregular’.

Por Marília Marques e Letícia de Oliveira, G1 DF e TV Globo

Após a derrubada da construção de uma filial do terreiro de candomblé Caboclo Boiadeiro – o centro mais antigo do Distrito Federal, fundado em 1975 – a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF) decidiu recorrer do caso por entender que a destruição do imóvel pelo governo foi um “ato de intolerância religiosa”.

(mais…)

Ler Mais