Ruralistas tentam atropelar Anvisa e cancelar o banimento do Paraquat

Proposta de Decreto Legislativo apresentado pelo deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS) cancela resolução da Anvisa que decretou o banimento do agrotóxico Paraquat, causador do Mal de Parkinson

Em Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

No dia 19 de setembro do ano passado, a Anvisa decretou, após 10 anos de reavaliação, que o ingrediente ativo Paraquat deveria ser banido do país. A agência tomou a decisão após muita pressão da sociedade civil brasileira e também da Europa, onde a substância já é banida desde 2007. Mesmo assim, a decisão foi bastante generosa com a indústria: o Paraquat só será definitivamente banido daqui a três anos. Até lá, ficou aberta a possibilidade de novos estudos provarem que o Paraquat não causa Mal de Parkinson, fibrose pulmonar ou as graves intoxicações já agudas demonstradas. (mais…)

Ler Mais

O que esperar do Congresso Nacional para a causa indígena

O feriado de Carnaval acabou e o Congresso Nacional volta à pauta retrógrada e de retirada de direitos. O ano de 2018 promete ser de lutas no campo político para os povos indígenas

Por Gilberto Vieira dos Santos*, do Congresso em Foco, no Cimi

A julgar pelas proposições legislativas que tramitam no Congresso Nacional, mormente na Câmara dos Deputados, o ano de 2018 promete ser de lutas no campo político e que demandará a costumeira resistência dos povos indígenas e de seus aliados frente às ameaças de um Parlamento conservador – com hegemonia dos parlamentares de perfil retrógrado. (mais…)

Ler Mais

Demarcação de terras indígenas x latifúndios: a grande tramoia brasileira. Entrevista especial com Vincent Carelli

Por: João Vitor Santos – IHU On-Line

Tramoia. Essa é a palavra que, para o documentarista e antropólogo Vincent Carelli, traduz a relação entre ruralistas e os poderes constituintes do Brasil. “Essa questão fundiária no Brasil é uma grande tramoia”, pontua. Nessa equação, quem segue perdendo são os povos indígenas. Para Carelli, quase nada mudou desde a chegada das primeiras naus europeias no século XVI. “O fazendeiro que atira num índio hoje, reproduz o mesmo gesto do bandeirante caçador de índios e de escravos”, dispara. “O índio é tolerado, sob vigilância e num processo exaustivo de apagar a sua diferença, apagar sua língua, esquecer sua cultura”, completa, durante entrevista concedida por telefone à IHU On-Line. (mais…)

Ler Mais

Maurício Lopes, presidente da Embrapa: um ruralista chique

Por Claudio Angelo,  no Curupira

Conheci Maurício Lopes em 2012, enquanto preparava uma reportagem sobre a crise do etanol brasileiro e formas de sair dela. O recém-assumido presidente da Embrapa me recebeu em seu gabinete para uma conversa longa. Saí encantado: a principal instituição de pesquisa aplicada do Brasil tinha um cientista com C maiúsculo em sua chefia. Um pesquisador que estava disposto a transformar a maneira como a instituição fazia inovação tecnológica, gerando não apenas produtos e dados, mas também cenários e inteligência. No governo Dilma Rousseff, o mais obscurantista e anticiência da Nova República (claro, eu ainda não sabia o que viria pela frente em 2016), ter aquele homem naquele cargo era mais do que um alívio; era um sinal de que o Brasil tinha jeito. (mais…)

Ler Mais

Carta dos Movimentos Sociais – CTNBio: Novos transgênicos contra o campesinato, a soberania alimentar e a natureza

No dia 22 de janeiro de 2018 entrou em vigor uma resolução normativa da CNTBio (Resolução Normativa 16/2018) que decide como considerar uma série de novas biotecnologias que usam engenharia genética, porém com formas diferentes dos transgênicos que já conhecemos (como milho e soja resistentes a agrotóxicos ). Estas novas estratégias para manipular geneticamente plantas e animais podem ou não inserir novo material genético nas sementes ou em seus descendentes. Com a nova normativa, a CNTBio pode decidir que organismos produzidos com essas biotecnologias não são considerados transgênicos ou OGM (organismos geneticamente modificados) e, portanto, não necessitam cumprir com a regulamentação de biossegurança. Também estabelece um canal legal para permitir a liberação no ambiente dos chamados “condutores genéticos”, uma tecnologia de alto risco, que propõe extinguir espécies inteiras, inclusive silvestres. (mais…)

Ler Mais

CTNBio aprova resolução que abre brechas para liberação de mudanças genéticas em seres vivos

Pesquisas financiadas pelo exército estadunidense, aprovação da tecnologia feita às escuras no Brasil: o que há por trás do ‘gene drives’?

Franciele Petry Schramm, Terra de Direitos

Sem divulgação e sem a participação da sociedade civil, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou, no dia 15 de janeiro, a Resolução Normativa 16/2018, que estabelece requisitos para a definição de novas biotecnologias que usam engenharia genética diferentes das técnicas utilizadas em transgênicos já conhecidos (como milho e soja resistentes a agrotóxicos). Uma das formas de biotecnologia mencionadas na resolução aprovada pela CTNBio é a condução genética ou redirecionamento genético (gene drives, em inglês). (mais…)

Ler Mais

Governo brasileiro quer impor a liberação de novos transgênicos sem nenhum controle

Resolução da CNTBio abre caminhos legais para uso de técnicas de modificação genética altamente perigosas

Silvia Ribeiro* – Brasil de Fato

A Comissão Nacional Técnica de Biossegurança (CTNBio), instância que faz parte do Ministério da Ciência e Tecnologia, aprovou, no último dia 15 de janeiro, uma resolução normativa, número 16/2018, por meio da qual passa a considerar uma série de novas biotecnologias que usam engenharia genética, mas que têm formatos diferentes dos transgênicos que já conhecemos (como milho e soja resistentes a agrotóxicos). Estas novas estratégias para manipular geneticamente plantas e animais podem inserir novo material genético nas sementes e em seus descendentes. (mais…)

Ler Mais

Originários desta terra

Povos indígenas repudiam governo golpista. Repudiam violência, expulsão de suas terras e judicialização de suas lutas pelo governo Temer

Julia Saggioratto, para Desacato Info / Cimi

“Os povos indígenas estão entre aqueles considerados descartáveis. Se legalmente puderem ser descartados, seus territórios se tornam viáveis para a exploração dos monocultivos agrícolas, da pecuária, dos minerais, madeira e energia. A vida e o modo de ser dos povos indígenas, assim como das demais comunidades tradicionais, não contam para o sistema, não somam ao governo, não agregam força política”. (mais…)

Ler Mais

Movimentos populares do campo definem agenda unitária de lutas pela democracia

Entidades que fazem parte da Articulação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras e Povos do Campo, das Águas e das Florestas, estiveram reunidos neste primeiro final de semana de fevereiro na Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF), espaço formativo do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, e definiram uma série de ações, mobilizações e encontros com o objetivo de defender a democracia e enfrentar os retrocessos impostos pelo governo golpista de Michel Temer

Mauro Ramos-BdF / CPT

Após um início de ano com mobilizações em todo o país e uma série de ações em Porto Alegre, em defesa da democracia e do direito de Lula ser candidato, as mulheres dos movimentos populares já se preparam para o Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, em 8 de março. (mais…)

Ler Mais

Intervozes e Repórteres Sem Fronteiras lançam pesquisa sobre proprietários de mídia no Brasil

O projeto faz parte de uma iniciativa internacional que ganhou o nome de Media Ownership Monitor

Por Webert da Cruz

Da Página do MST

Na última sexta (2) de fevereiro, ocorreu o lançamento do estudo Quem Controla a Mídia no Brasil no auditório do Conselho Nacional do Ministério Público Federal na Procuradoria Geral da República com profissionais, pesquisadores e demais interessados no tema. O levantamento identificou e atualizou os 40 principais grupos de mídia do Brasil, seus proprietários e os riscos à diversidade e à pluralidade no sistema de mídia do país. (mais…)

Ler Mais