Organizações sociais do Pará reafirmam em coletiva de imprensa que a prisão de padre Amaro é descabida

“Não há provas que sustentem as acusações de práticas de crime imputadas ao pe. Amaro”, disse o advogado da CPT, José Batista Afonso, em coletiva de imprensa realizada ontem (12), em Belém (PA)

Assessoria de Imprensa CNBB Norte 2 / CPT

Na manhã desta quinta-feira (12/04), ocorreu uma coletiva de imprensa, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB Norte 2 (Pará e Amapá) realizada pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH) e a Federação dos Agricultores do Estado do Pará (FETAGRI), sobre a situação do pe. José Amaro Lopes de Souza, preso no dia 27 de março, em Anapu, no sudoeste do Pará. (mais…)

Ler Mais

Carta da 30ª Assembleia Nacional da CPT a Padre Amaro

Durante a 30ª Assembleia Nacional da Comissão Pastoral da Terra (CPT), realizada nos dias 04 e 05 de abril, em Goiânia, Goiás, agentes pastorais, bispos e trabalhadores e trabalhadoras debateram o processo de criminalização que culminou na prisão preventiva de Padre Amaro no dia 27 de março.

Na CPT

Padre José Amaro Lopes de Sousa é agente da Pastoral da Terra em Anapu, no Pará, e também pároco da Paroquia de Santa Luzia de Anapu, da Prelazia do Xingu. “Tua prisão, absurda e sem fundamentos, é o sinal claro da tua fidelidade à causa dos pobres, na busca por Justiça e dignidade”, destaca trecho da Carta. (mais…)

Ler Mais

Manifestações de apoio e solidariedade a Padre Amaro

Na CPT Nacional

Desde a manhã desta terça-feira, 27, quando o Padre José Amaro Lopes de Sousa, ou simplesmente Padre Amaro, foi detido preventivamente, inúmeras manifestações de apoio e solidariedade ao religioso têm chegado à Comissão Pastoral da Terra (CPT), entidade que ele, assim como Irmã Dorothy Stang, escolheu para dedicar a vida como agente de pastoral. Amaro também é pároco da Paroquia de Santa Luzia de Anapu, da Prelazia do Xingu, situada no estado do Pará. (mais…)

Ler Mais

Criação do Estatuto do Cigano passa na Comissão de Educação

Sergio Vieira – Agência Senado

A criação do Estatuto do Cigano (PLS 248/2015) foi aprovada pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) nesta terça-feira (27). Apresentado originalmente pela Associação Nacional das Etnias Ciganas (Anec), o texto foi adotado pelo senador Paulo Paim (PT-RS), que tornou-se seu autor.

O relator da proposta na CE foi Hélio José (Pros-DF), que, durante a discussão nesta terça apontou dados da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), em especial sobre as três etnias ciganas conhecidas como Calon, Rom e Sinti: (mais…)

Ler Mais

Benki Piyãco, líder indígena do Povo Ashaninka, pode ser condenado criminalmente por procurar à Polícia Federal e relatar ameaças

Após conflitos por ocupação de terra na cidade de Marechal Thaumaturgo/AC, em abril de 2015, Benki Piyãco, líder Ashaninka (comunidade indígena localizada na região conhecida como Alto Juruá, Estado do Acre), fez denúncia à Polícia Federal para relatar os riscos de violência que estava sofrendo, em razão de sua atuação como agente agroflorestal e líder da Associação dos Ashaninkas do Rio Amônia – Apiwtxa.

Os responsáveis pela investigação do caso foram até a sede do município e, após ouvir apenas os acusados, decidiram por arquivar a denúncia. Sem ouvir Benki Piyãnco ou qualquer uma das pessoas da Associação dos Ashaninkas do Rio Amônia – Apiwtxa, a autoridade policial indiciou Beki e pediu a abertura de ação penal, contra o próprio indígena, pelo crime de denunciação caluniosa. (mais…)

Ler Mais

Relatora da ONU pede contribuições para análise sobre criminalização de ativistas indígenas

Contribuições podem ser enviadas por e-mail até 16 de março. Informe temático analisará o impacto coletivo da criminalização e de ataques contra ativistas que defendem as comunidades indígenas. Documento também discutirá medidas de prevenção e proteção.

ONU

A relatora especial das Nações Unidas, Victoria Tauli-Corpuz, recebe até 16 de março contribuições para um documento temático sobre a criminalização de ativistas que defendem os direitos dos povos indígenas. Publicação também abordará ataques contra defensores das comunidades de povos originários. Documento deverá ser apresentado ao Conselho de Direitos Humanos da ONU em setembro. (mais…)

Ler Mais

O Que Esperar da Política Brasileira em 2018? Parte 3: Segurança Pública e Intervenção

Luisa Fenizola – RioOnWatch

No dia 16 de fevereiro o governo federal autorizou uma chamada intervenção federal, de caráter militar, no Rio de Janeiro, até o dia 31 de dezembro desse ano. A atuação de militares na segurança pública do Rio não é novidade. As forças armadas atuaram no Alemão em 2010 como parte da estratégia que culminou na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na comunidade, atuaram na cidade durante os megaeventos, e atuaram por 14 meses na Maré entre 2014 e 2015 a um custo de R$600 milhões. (mais…)

Ler Mais

MST repudia atos de violência no acampamento Independência Camponesa no RN

Quando o Estado Brasileiro bloqueia a Reforma Agrária no Brasil, desmonta políticas públicas, e criminaliza a luta dos povos do campo

Da Página do MST

Na noite dessa sexta-feira (23), cerca de 50 famílias do acampamento Independência Camponesa, localizado as margens da barragem de Tabatinga, no município de Macaíba, é atacado por pistoleiros encapuzados.  (mais…)

Ler Mais