A eliminação dos custos associados ao direito e à proteção do trabalhador constitui a espinha dorsal da reforma trabalhista. Entrevista especial com Ludmila Abilio

Patricia Fachin – IHU On-Line

Quando se trata de analisar os efeitos negativos da reforma trabalhista, um percentual significativo da população merece atenção, porque ele será o mais prejudicado com as mudanças que terão como consequência imediata “a eliminação de uma ampla gama de postos formais tais como se constituem hoje no setor de serviços para a reinserção de um exército de trabalhadores agora transformados em trabalhadores intermitentes. Eles vão ganhar por hora, não terão descanso remunerado, não terão garantia alguma sobre o quanto recebem, verão, do dia para a noite, a sua renda que já é mínima ser rebaixada e tornada ainda instável, entre outras maldades”, afirma a socióloga Ludmila Abilio à IHU On-Line. (mais…)

Ler Mais

Bullying, retrato de um sistema

Em novo livro, dois sociólogos propõem: é hora de perceber que as intimidações violentas não são desajustes individuais. Elas reproduzem a disputa incessante que o capitalismo estimula

Charles Deber e Yale Magrass, entrevistados por Mark Karlin, em Truthout* – Outras Palavras

O que causa o bullying? Ao analisarem o fenômeno nos Estados Unidos, em Bully Nation, os sociólogos Charles Derber e Yale R. Magrass mostram como as desigualdades de poder, o militarismo e o capitalismo agressivo tornam tanto o bullying pessoal como o institucional um lugar-comum. A seguir, em entrevista à revista Truthout, Charles e Yale abordam o tema a partir de um ponto de vista original. Para eles, as crianças que intimidam as outras, de forma violenta, não estão se mostrando desadaptadas. Ao contrário, são as que assimilaram, de maneira crua e não mediada, algumas das características centrais de um sistema cada vez mais reduzido à luta de todos contra todos. (mais…)

Ler Mais

10 modos como o Capitalismo nega ou tira a sua liberdade

Um dos mais fortes argumentos a favor do capitalismo utilizado por seus defensores é que ele seria um sistema que garante a liberdade. Será mesmo?

Por Robson Fernando de Souza, no Voyager

Dizem por aí que o capitalismo — em especial o liberal, com o mínimo de regulação estatal — vem “trazer liberdade” para as pessoas. Seria tanto a liberdade de ganhar e acumular muito dinheiro e fazer o que quiser sem ser impedido por um “Estado-babá” quanto a de escolher que produtos e serviços e de que marcas e empresas consumir ou não consumir. (mais…)

Ler Mais

A resistência negra brasileira também é mulher negra camponesa

Enfrentar uma luta que combina as relações sociais de raça, gênero e classe com a questão da terra, requer a conquista de espaços em diferentes dimensões da existência

Por Iris Pacheco* e Rosineide Pereira**
Da Página do MST

“Sabe qual é o negro mais bonito do mundo?
É aquele que tem consciência de suas raízes, de suas origens culturais.
É aquele que tem a atitude de quem sabe que é ele mesmo,
e não um outro determinado pelo poder branco.”

(Lélia Gonzalez) (mais…)

Ler Mais

A política do comum e do protótipo. Duas alternativas ao mal-estar contemporâneo. Entrevista especial com Henrique Parra

Patricia Fachin – IHU On-Line

O mal-estar do sistema político, sentido em diversos países, é consequência do “modo de existência contemporâneo”, que “é dependente de grandes arranjos sócio-técnicos cuja possibilidade de governo nos escapa”, especialmente em áreas que são fundamentais, como a produção de energia, o abastecimento de água, o sistema de saúde, o sistema financeiro, diz o sociólogo Henrique Parra à IHU On-Line, na entrevista a seguir, concedida por e-mail. (mais…)

Ler Mais

Paradoxo na economia: “a gente sabe o que funciona e estamos fazendo exatamente o contrário”

Ladislau Dowbor: “O neoliberalismo navega nos conceitos da eficiência e da competitividade. Isso é uma balela”. Foto: Maia Rubim /Sul21

Por Marco Weissheimer, no Sul 21

“Estamos destruindo o planeta em proveito de uma minoria, enquanto os recursos necessários ao desenvolvimento sustentável e equilibrado são esterilizados pelo sistema financeiro mundial. (…) Quando oito indivíduos são donos de mais riqueza do que a metade da população mundial, enquanto 800 milhões de pessoas passam fome, achar que o sistema está dando certo é prova de cegueira mental avançada”. Essa é uma das teses centrais do novo livro do economista Ladislau Dowbor, “A era do capital improdutivo. A nova arquitetura do poder: dominação financeira, seqüestro da democracia e destruição do planeta” (Outras Palavras/Autonomia Literária), que analisa a captura dos processos produtivos e políticos da sociedade mundial pelo capital financeiro. (mais…)

Ler Mais

Marxismo e Ecologia, reencontro necessário

Divorciados no século 20, precisam voltar. Do contrário, não será possível superar nem o velho desenvolvimentismo, nem a mediocridade do “capitalismo verde”

Por Eduardo Mancuso*, no Outras Palavras

Nós só conhecemos uma ciência, a ciência da história. A história pode ser vista por dois lados: ela pode ser dividida em história da natureza e história do homem. Os dois lados, porém, não devem ser vistos como entidades independentes. Desde que o homem existe, a natureza e o homem influenciam-se mutuamente. (Karl Marx e Friedrich Engels, A ideologia alemã[1]) (mais…)

Ler Mais

Black Friday: Por que um dia de compras mobiliza mais que a educação?, por Leonardo Sakamoto

No Blog do Sakamoto

Sugestão para esta Black Friday: não compre com o fígado. Comprar é bom e todos nós temos nossos desejos de consumo. Mas cheque a fatura do seu cartão de crédito, os extratos bancários e os empréstimos – dos CDCs, passando pelas consignados até aquela grana que você tomou do amigo e nunca devolveu. E reflita se a sua renda está minimamente garantida pelo próximo ano antes de cair na esbórnia e comprar, em 12 prestações, aquele descascador eletrônico de ovo cozido que você nunca vai usar, mas que o cara do comercial da TV disse que, sem ele, você não é nada. (mais…)

Ler Mais

“Todos devemos participar de um processo revolucionário que nos distancie da loucura do capitalismo”. Entrevista com David Harvey

No IHU – David Harvey, legendário geógrafo e teórico marxista, é o primeiro entrevistado da série Qué hacer [O que fazer?]. O intelectual faz uma viagem pelo encadeamento dos fluxos do capital no planeta. Harvey encontra em tais fluxos as origens das crises que nos afetam – a social, a climática e a política –, incluindo a ascensão política de Donald Trump. Contudo, o professor emérito da City University of New York também observa pontos de tensão no sistema que origina essas crises. Tão implacável em seus métodos, como eclético ao escolher onde colocar a lupa, o intelectual britânico oferece uma análise totalizadora, que nos convida a pensar o que nos trouxe até aqui, para assim poder enfrentar como sairmos desta.

Por Ignasi Gozalo-Salellas, Álvaro Guzmán Bastida e Héctor Muniente, do Ctxt/tradução: Cepat (mais…)

Ler Mais

Como a grande indústria viciou o Brasil em Junk Food

À medida que o crescimento diminui nos países ricos, as empresas de alimentos ocidentais se expandem acintosamente nos países em desenvolvimento, contribuindo para obesidade e problemas de saúde.

Por 

FORTALEZA, Brasil — Gritos de crianças soavam na manhã quente e úmida, enquanto uma mulher empurrava um carrinho branco e reluzente pelas ruas esburacadas e repletas de lixo espalhado. Ela fazia entregas em algumas das casas mais pobres desta cidade litorânea, levando sobremesas lácteas, biscoitos e outros alimentos industrializados aos clientes situados em seu trajeto. (mais…)

Ler Mais