Daniel Cabixi, o Sábio, na Cova dos Leões, por José Ribamar Bessa Freire

No Taqui Pra Ti

O sábio Pareci, Daniel Matenho Cabixi, falecido na madrugada desta quinta-feira (16), foi homenageado pela Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT), que guardou um minuto de silêncio durante a plenária do seu 3º Congresso, em Cuiabá. “Ele viajou ao encontro de Enore, o Criador” – disse no velório celebrado na aldeia Wazare, em Campo Novo, um dos seus filhos, o cacique Rony, formado no Curso de Licenciatura Intercultural. Nessa viagem sem volta não precisou do passaporte que lhe foi negado para outras.    (mais…)

Ler Mais

MPF/RS pede que prefeito de Caxias do Sul reconsidere decisão a respeito da instalação de acampamento cigano

Recomendação previamente enviada não foi acatada

Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul

O Ministério Público Federal (MPF) em Caxias do Sul/RS pediu ao prefeito do município, Daniel Antônio Guerra, que reconsidere a decisão e autorize a cessão a título precário e provisório, de local para acampamento de 20 famílias ciganas que estão de passagem e desejam permanecer em Caxias do Sul por, no máximo, 40 dias. (mais…)

Ler Mais

Conselho Terena realiza sua 11ª Grande Assembleia na T.I. Taunay-Ipegue, Mato Grosso do Sul

O Conselho Terena realizará a 11ª edição da Grande Assembleia Terena, entre os dias 29 de novembro a 02 de dezembro de 2017, na Aldeia Água Branca, Terra Indígena Taunay-Ipegue, Mato Grosso do Sul. Abordando temas como demarcação de terras indígenas, atendimento à saúde nas comunidades, educação escolar indígena, sustentabilidade e participação política dos povos indígenas, o evento contará também com plenária da juventude indígena, reunião das mulheres, oficina de grafismo Terena e formação para conselheiros tutelares que atuam nas aldeias indígenas. (mais…)

Ler Mais

A Escola Yanomami: levando e trazendo histórias, por José Ribamar Bessa Freire

No Taqui Pra Ti

De Roraima – A fugaz convivência com mais de cem índios Yanomami e Ye’kuana, nessa semana, de repente me proporciona a doce sensação de que estou aqui no lago Caracaranã, para cumprir, embora sem igual competência, missão similar à do contador de histórias na sociedade Matziguenga. A existência dele não foi registrada pela literatura etnográfica, mas o viajante francês Paul Marcoy jurou tê-lo ouvido, em 1846. A controvertida figura do kenkitsatatsiriras, ou seja, “aquele que conta histórias”, foi recriada ficcionalmente por Vargas Lllosa no romance “El hablador”. (mais…)

Ler Mais

Caiçaras, o tradicional povo do litoral brasileiro

Apesar de toda a riqueza, a cultura caiçara pode ter o mesmo destino das tribos indígenas que habitavam o litoral. Se antes a questão era a colonização extrativista europeia, nas últimas décadas a especulação – na verdade, pirataria – imobiliária, o turismo de massa e as restrições à pesca e ao artesanato são as grandes ameaças.

Por Allison Almeida, André Gobi e Guilherme Rodrigues, em A ComCiência 

Quando se pensa nos 7.363 quilômetros da costa brasileira é comum fazer uma associação direta com o turismo. O país tem um dos litorais mais paradisíacos e extensos do mundo. Além das belezas naturais, as praias, enseadas e ilhas abrigam inúmeras populações tradicionais. Antes dos europeus chegarem, o litoral brasileiro era repartido por diferentes tribos: Tupis, Tamoios, Tabajaras e Caetés são alguns dos grupos indígenas que viviam na costa e foram expulsos – alguns extintos. (mais…)

Ler Mais

Temer, Morubixaba de quadrilha: como seria julgado no Direito Indígena?, por José Ribamar Bessa Freire

No Taqui Pra Ti

Se um Conselho Tribal decidir usar as normas do direito consuetudinário indígena para julgar Michel Temer, denunciado pela Procuradoria Geral de República como chefe de quadrilha, qual punição lhe daria? Qual seria o alvo das flechas de bambu?

A pergunta me foi feita por uma doutora em Memória Social, na saída do evento organizado pela Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (DPRJ) e pelo Instituto de Estudos Críticos do Direito (IECD).  No auditório havia estudantes, representantes de movimentos sociais e do mundo jurídico e índios Pataxó da aldeia Iriri (Parati-RJ), que celebraram ritual com cântico, dança e orações. Naquele mesmo dia (25), em Brasília, a Câmara de Deputados, em espetáculo nauseabundo protagonizado pelo lumpesinato político, impedia que Temer fosse investigado. (mais…)

Ler Mais

Do Dia do Saci e das coisas inúteis

Elaine Tavares – Palavras Insurgentes

Dia 31 de outubro se celebra no Brasil, o Dia do Saci Pererê e seus amigos. Uma resposta cultural e uma ação de resistência diante da invasão fetichizada da festa do “raloím”, bastante importante na cultura estadunidense, mas que para nós diz muito pouco.  E, da maneira como é festejada, nada mais é do que outro bom motivo para vender coisas, as mercadorias do mercado capitalista. (mais…)

Ler Mais

Canções Escravas e Racismo nas Américas

 O vídeo abaixo divulga o livre “Da senzala ao palco: Canções escravas e racismo nas Américas, 1870-1930”, de Martha Abreu, cujo lançamento foi adiado para o dia 29 de novembro, no IFCH-Unicamp

Por Históri@ Illustrada

Este vídeo trata das expressões musicais criadas por descendentes de africanos escravizados no Brasil e nos Estados Unidos, entre o final do século XIX e o início do século XX. Seu conteúdo está baseado no livro digital “Da senzala ao palco: canções escravas e racismo nas Américas, 1870-1930”, da historiadora Martha Abreu e publicado pela Editora da Unicamp. (mais…)

Ler Mais

Manual de Etnobotânica (plantas, artefatos e conhecimentos indígenas) será lançado dia 10, no Rio

O ISA, em parceria com o Jardim Botânico do Rio de Janeiro e demais parceiros do Brasil e da Inglaterra, lançará a publicação Manual de Etnobotânica (Plantas, Artefatos e Conhecimentos Indígenas).

A publicação é fruto de pesquisa e intercâmbio de conhecimentos em etnobotânica com povos indígenas da região do Alto Rio Negro, noroeste amazônico, e faz parte de um projeto pioneiro unindo instituições brasileiras e inglesas, com o objetivo central de reconectar os povos indígenas com as observações e coleções realizadas pelo botânico inglês Richard Spruce, no século XIX. Spruce percorreu a América do Sul no século XIX, estudando as plantas da Amazônia, do Norte dos Andes peruanos e do Equador, coletando-as e enviando-as para a coleção do Jardim Botânico Real de Kew, na Inglaterra. (mais…)

Ler Mais