No Paraná, acampamento do MST erradica analfabetismo com o “Sim, eu posso!”

A comunidade fica em Centenário do Sul, norte do estado, onde o índice de analfabetismo chegava a 19% em 2010

Por Igor de Nadai*
Da Página do MST

Neste caloroso sábado (9), típico do Norte do Paraná, moradores do campo e da cidades, junto de 24 educandos e 10 educadores e educadoras, comemoraram a formatura de quatro turmas de alfabetização baseadas no método cubano “Yo, si Puedo!”, o “Sim, eu posso!”, na versão brasileira. (mais…)

Ler Mais

Juventudes, direitos violados e esperança

Com o crescimento da desigualdade e da crise econômica, em 2017 o desemprego entre os jovens atingiu sua maior taxa em 27 anos. A cada três jovens, um está desempregado. Essa parcela da população é ainda fortemente afetada pela violência, sub-representação na política, racismo e sexismo

Por Nathalie Beghin*, no Inesc

As desigualdades no Brasil são abissais. Conforme atesta relatório recentemente lançado pela Oxfam Brasil[1], os 5% mais ricos possuem renda equivalente à de 95% da população! Dito de outra forma, uma trabalhadora que ganha um salário mínimo mensalmente levará 19 anos para receber o equivalente ao que um super-rico ganha em apenas um mês! Esse é o tamanho das nossas desigualdades. (mais…)

Ler Mais

Desconstruindo a “austeridade”: os mais pobres continuam pagando a conta

Criou-se um mito de que os “gastos” a serem cortados são justamente os investimentos em serviços públicos, atingindo os setores mais vulneráveis da sociedade

No Inesc

É certo que desde 2015 a população vem sofrendo com cortes orçamentários em áreas essenciais para o bem-estar dos brasileiros. Mas o ano de 2017 – quando se consolidou um projeto político que não passou pelo crivo das urnas – foi marcado pelo desmonte avassalador de políticas públicas que apontavam para a garantia dos direitos humanos. (mais…)

Ler Mais

Instruções do Banco Mundial podem levar ao fim da pesquisa científica no Brasil. Entrevista especial com Peter Schulz

IHU On-Line

A conclusão do relatório do Banco Mundial, intitulado “Um Ajuste Justo. Análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil”, de que o Estado brasileiro gasta mais do que pode e gasta mal, é muita “vaga” quando se trata de analisar os gastos com o ensino superior nas universidades públicas, defende o professor Peter Schulz. Segundo ele, o relatório apresenta “um diagnóstico de que o custo por aluno no ensino superior público seria mais elevado e que seria também ineficiente de acordo com uma métrica de avaliação do desempenho dos alunos”. Entretanto, pontua, “não existe no relatório uma proposta de como reduzir esses alegados altos custos. O relatório se resume a vagamente sugerir que ‘as universidades teriam que reconsiderar sua estrutura de custos e/ou buscar recursos em outras fontes’. Em seguida propõe especificamente a introdução de taxas escolares, ou seja, o fim da gratuidade”, avalia. (mais…)

Ler Mais

Ifam de São Gabriel faz primeira seleção do Brasil com redação em língua indígena

São Gabriel da Cachoeira é o município mais indígena do país; 18 idiomas indígenas são falados no município e todos podem ser utilizados na prova do processo seletivo

Por Vitor Gavirati, de Manaus, em A Crítica

O campus do Instituto Federal do Amazonas (Ifam) de São Gabriel da Cachoeira lançou o primeiro processo seletivo do Brasil em que o candidato pode escrever a redação em uma língua indígena. No município que fica a 856 quilômetros de Manaus, 90% da população é indígena, sendo que a cidade é a com maior predominância de indígenas no país. (mais…)

Ler Mais

Educação para manter a desigualdade: Bolsonaro para os pobres, Paulo Freire para os ricos

A elite brasileira, que adora odiar Freire, compra a peso de ouro para seus filhos o ingresso em colégios influenciados por ele. Aos filhos dos pobres, resta a disciplina escolar do século XIX

Por José Ruy Lozano, no Le Monde Diplomatique Brasil

Pipas de várias cores enfeitam o céu. Alunos observam algumas subirem e outras caírem, enquanto tentam compreender como a direção do vento influencia o movimento, além de verificarem na prática conceitos científicos como aerodinâmica, resistência do ar e força da gravidade. Tudo na base da experiência concreta, envolvendo tentativas e erros. (mais…)

Ler Mais

Base Comum Curricular em discussão. Retrocesso no combate à discriminação e à violência contra a mulher e a comunidade LGBTI. Entrevista especial com Anna Helena Altenfelder

Ricardo Machado – IHU On-Line

Nesta semana, a discussão do texto final do projeto da Base Nacional Comum Curricular – BNCC entrou em pauta no Conselho Nacional de Educação – CNE. Em novembro, a última versão do texto, incluindo apenas Educação Infantil e Ensino Fundamental, foi encaminhada pelo Ministério da Educação ao Conselho, que deve analisar e emitir seu parecer sobre a matéria ainda antes da sanção do Governo Federal. Entidades do campo da Educação têm se manifestado por mais debate sobre o texto, argumentando que são necessárias modificações. O CNE já reconhece que não será possível finalizar as discussões nesta semana. A expectativa do Ministério era sancionar a nova BNCC ainda em 2017. (mais…)

Ler Mais

Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Num Brasil sem diálogo, escola vira arena para disputas. Entrevista especial com Renato Janine Ribeiro

João Vitor Santos – IHU On-Line

A escola deve ser o espaço livre para a manifestação da diversidade, sem qualquer tipo de repressão. Esse é o conceito que deve ser perseguido, segundo o professor e ex-ministro da Educação Renato Janine Ribeiro. “O papel básico da escola, de qualquer ordem que seja, é aceitar a pessoa na sua diversidade. A escola não deve doutrinar em nenhuma direção”, complementa. Segundo ele, esse também deve ser o princípio da Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Entretanto, muitas discussões acabam se dando de forma enviesada, contaminadas pela polarização e pela inaptidão ao diálogo que parecem tomar o Brasil de hoje. “Você tem uma atuação de grupos que pedem que a educação seja exatamente o que ela não pode ser. São movimentos que dizem ser contrários à doutrinação, mas que são extremamente doutrinadores”, denuncia. (mais…)

Ler Mais

Solidão, falta de acolhimento e discriminação: barreiras para a permanência de indígenas na universidade

Por Luís Eduardo Gomes, no Sul 21

Quais são as principais dificuldades que levam os indígenas a abandonarem a universidade? Essa foi uma das questões debatidas no II Encontro Regional dos Estudantes Indígenas da Região Sul (2º Erei-Sul), realizado na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), entre quinta (30) e sexta-feira (1º) da semana que passou, e que também discutiu temas como ingresso do indígena na universidade, sua permanência, formação, pós-formação, avanços já registrados nas políticas afirmativas, no acolhimento aos estudantes e o que pode melhorar no futuro. (mais…)

Ler Mais

MPF apura violações a direitos fundamentais com a instituição do Programa Escola sem Partido em Jataí (GO)

Inquérito civil foi instaurado nessa terça-feira (28)

O Ministério Público Federal (MPF) em Rio Verde (GO) instaurou, nessa terça-feira (28), inquérito civil (IC) para apurar possíveis violações a direitos fundamentais com a aprovação da Lei Municipal nº 3.955, de 21/11/2017, que institui em Jataí (GO), no âmbito do sistema municipal de ensino, o Programa Escola sem Partido.

(mais…)

Ler Mais