Nota de Repúdio: Contra forte repressão da PM às professoras da Educação Infantil de BH 

Lutar não é crime!

O Comando de Greve da Educação Infantil e a Diretoria Colegiada do Sind-REDE/BH repudiam veementemente a forte repressão do Batalhão de Choque da Polícia Militar de Minas Gerais à manifestação pacífica das professoras da Educação Infantil de BH. As professoras estão em Greve e cobram do prefeito Alexandre Kalil (PHS o cumprimento da promessa de campanha da unificação da Carreira da Educação Infantil à do Ensino Fundamental. (mais…)

Ler Mais

PM usa bombas e jatos d’água em protesto de professores no Centro de BH

Categoria reivindica equiparação salarial. Profissionais protestavam na Avenida Afonso Pena e PM interveio para liberar a via. Kalil questionou ação da polícia

No Estado de Minas

O protesto de professores da educação infantil em frente a prefeitura de Belo Horizonte, na Avenida Afonso Pena, Centro da capital, teve bombas, gás de pimenta e jatos d’água usados pela Polícia Militar para dispersar os manifestantes. O prefeito Alexandre Kalil saiu da sede do Executivo para questionar a ação. A categoria entrou em greve nesta segunda-feira.  Algumas Unidades Municipais Educação Infantil (Umeis) não abriram hoje e outras tiveram escala mínima. Profissionais da categoria fizeram uma passeata no Centro da capital no fim da manhã e se concentraram em frente a PBH, fechando a avenida. (mais…)

Ler Mais

“Somos livres”, diz Temer. “Não graças a você”, pensa um escravo liberto. Por Leonardo Sakamoto

No blog do Sakamoto

Michel Temer exalta a liberdade em seu pronunciamento ao país, gravado para ir ao ar na noite desta sexta (20). Diz que celebramos, hoje, mais do que a independência sonhada pelos Inconfidentes, a liberdade do direito de ir e vir. ”Somos livres e vivemos em um Estado democrático de direito.”

Nem todos. O Brasil foi palco da libertação de mais de 51 mil trabalhadores escravizados desde 1995. E outros tantos milhares continuam nessas condições. (mais…)

Ler Mais

Nota Pública da Sociedade de Arqueologia Brasileira sobre a regulamentação da profissão de arqueóloga/o no Brasil

Na SAB

A Sociedade de Arqueologia Brasileira – SAB, ainda transbordando de felicidade, comunica que na data de hoje, 19 de abril de 2018, Dia do Índio, foi publicada no Diário Oficial da União n. 75, Seção I, p.2-3, a Lei n. 13.653, de 18 de abril de 2018, que dispõe sobre a regulamentação da profissão de arqueóloga/o e dá outras providências, acessível pelo link. (mais…)

Ler Mais

Nova lista suja do trabalho escravo tem deputado estadual do MA

Pecuarista e produtor de carvão, Carlinhos Florêncio filiou-se no início do mês ao PCdoB; em 2014 ele declarou R$ 7,8 milhões em bens, entre eles cinco fazendas com 7.264 hectares 

Por Alceu Luís Castilho, em De Olho nos Ruralistas

Em 2008, candidato a prefeito em Bacabal (MA) pelo PHS, o deputado estadual Carlinhos Florêncio (PCdoB-MA) possuía R$ 1,3 milhão em bens. Seis anos depois, reeleito para a Assembleia Legislativa pelo PHS, seu patrimônio saltou para R$ 7,77 milhões. Entre as cinco fazendas declaradas está a Tremendal, em Parnarama (MA), com 4.295 hectares, carinhosamente chamada de Fazendinha. Foi nela que a fiscalização do Ministério do Trabalho encontrou nove trabalhadores em situação de trabalho escravo, em 2016, conforme atualização da lista suja divulgada no dia 10. (mais…)

Ler Mais

43% das novas empresas da “lista suja” do trabalho escravo são do agronegócio

Novo cadastro traz 37 novos empregadores; 16 deles são fazendeiros ou madeireiros

Brasil de Fato / CPT

As atualizações na “lista suja” do trabalho escravo mostram que o agronegócio continua sendo o setor que mais submete trabalhadores à condição análoga à escravidão no Brasil. O cadastro, divulgado na terça-feira (10) pela Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae) do Ministério do Trabalho (MT), expõe um acréscimo de 37 novos empregadores na lista, sendo que, entre eles, 16 são donos de fazendas ou madeireiras, um total de 43%. (mais…)

Ler Mais

Pastelarias cariocas estão em nova “lista suja” do trabalho escravo

Por Piero Locatelli, da Repórter Brasil

Lanchonetes e pastelarias de chineses, uma empresa que vendia batata frita no Rock in Rio e construtoras do programa Minha Casa Minha Vida estão entre os 37 novos empregadores da “lista suja” do trabalho escravo. O cadastro foi divulgado nesta terça-feira, 10 de abril, pela Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo (DETRAE) do Ministério do Trabalho. Todos os nomes que constam na lista foram autuados por trabalho análogo ao de escravo por auditores fiscais, e tiveram o direito de recorrer em duas instâncias administrativas dentro do órgão. (mais…)

Ler Mais

Domingo da Ressurreição: Greve de professores no Amazonas. Por José Ribamar Bessa Freire

No Taqui Pra Ti

Resurrexit sicut dixit, Aleluia, Aleluia!
Peixe no prato, farinha na cuia!

O movimento dos professores do Amazonas ressuscita com todo vigor deflagrando greve que já dura dez dias e se espalha por todo estado. Grevistas atravessam ponte de madeira em São Paulo de Olivença e panfletam de casa em casa, explicando à população que querem melhoria na qualidade de ensino. Outros desfilam em motos e bicicletas em passeata pelas ruas de Eirunepé. Pipocam manifestações em Parintins, Manaus, Tabatinga, São Gabriel, Manacapuru e outros municípios. Vigílias ocupam praças públicas dando aulas de civismo. O domingo é, simbolicamente, o da Ressurreição. (mais…)

Ler Mais

Lollapalooza: Moradores de rua denunciam terem sido contratados irregularmente para erguer palcos

Piero Locatelli – The Intercept Brasil

Ao longo da última semana, uma van branca fez diversas viagens entre a Mooca, na zona leste de São Paulo, e o autódromo de Interlagos, onde ocorria o Lollapalooza na zona sul. O veículo, modelo Sprinter, levou dezenas de pessoas em situação de rua ao festival. Não para ver os shows, mas para ajudar em trabalhos pesados na montagem e desmontagem dos palcos.

Os trabalhadores, contratados sem qualquer formalização, contam que recebiam entre R$ 40 e R$ 50 por uma jornada de dez a doze horas – um vigésimo da entrada do festival, que custava R$800. (mais…)

Ler Mais

Foirn apoia a paralisação dos professores e servidores da rede estadual de ensino em três municípios do Rio Negro

Professores e servidores da rede estadual de ensino dos municípios de Barcelos, Santa Isabel do Rio Negro e São Gabriel da Cachoeira entraram em greve nessa segunda, 26/03

Por FOIRN

Apoiados por estudantes e pais, professores e servidores da rede estadual de ensino do município de São Gabriel da Cachoeira, em reunião na manhã desta segunda, 26/03,  decidiram paralisar as atividades. (mais…)

Ler Mais