Da Comissão Nacional da Verdade ao Golpe de 2016: a negação da Justiça de Transição

Por Marcelo Zelic*, no Cimi

Uma janela contra o esquecimento abriu-se aos povos indígenas quando, em maio de 2012, os membros da Comissão Nacional da Verdade (CNV) reuniram-se no escritório da Presidência da República, em São Paulo, com entidades de direitos humanos para discutir a inclusão da violência praticada pelo Estado contra os povos indígenas nos estudos da CNV. (mais…)

Ler Mais

Nas lutas, conquistas e perspectivas, povo Deni resiste e celebra sua história

Por Fábio Pereira, Agente de Pastoral do CIMI

Nos dias 20 a 23 de setembro, a aldeia Itaúba, no Rio Xeruã, em Itamarati, Amazonas, recebeu a XII Assembleia da Associação dos Povo Deni do Rio Xeruã, (ASPODEX). Estavam presentes mais de 200 indígenas das aldeias Deni (04) e Kanamari (03), e seus convidados, a Operação Amazônia Nativa (OPAN) e o Conselho Indigenista Missionário (CIMI). (mais…)

Ler Mais

Livro descreve como empresas alemãs usaram repressão e corrupção para atuar no Brasil; veja vídeo

Autor do livro “Empresas alemãs no Brasil: o 7×1 na economia”, Christian Russau lembra, por exemplo, que a empresa de automóveis Volkswagen forneceu informações sobre trabalhadores para o Dops (Departamento de Ordem Política e Social)

No Opera Mundi

“Como a Volkswagen era na época da ditadura militar uma das maiores empresas da América Latina, tinha a condição logística e financeira de vigiar os seus trabalhadores e também trabalhadores de outras empresas do Brasil”. A afirmação é do jornalista alemão Christian Russau, autor do livro “Empresas alemãs no Brasil: o 7X1 na economia”, que em entrevista a Opera Mundi, conta como fez sua pesquisa sobre as empresas alemãs no Brasil – e como elas usaram artifícios como a corrupção e a colaboração com a repressão para atuar no país. (mais…)

Ler Mais

MPF/SP denuncia dois ex-delegados do DOPS por sequestro de militante do PCB na ditadura

Feliciano Eugênio Neto é considerado pela CNV um dos 434 mortos ou desaparecidos em decorrência da repressão militar

Procuradoria da República no Estado de S. Paulo

O Ministério Público Federal em São Paulo (MPF/SP) denunciou dois ex-delegados do Departamento de Ordem Política e Social do Estado de São Paulo (DEOPS/SP) pelo sequestro do metalúrgico Feliciano Eugenio Neto, militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB). A prisão da vítima, “para averiguação”, sem flagrante ou comunicação à Justiça, ocorreu em 2 de outubro de 1975, e só foi formalizada (registrada em documento) pelos delegados no dia 31 de outubro daquele ano. (mais…)

Ler Mais

Nas ruas do Brasil, a ditadura ainda vive

Vias públicas batizadas em homenagem a torturadores e mandantes do regime militar estão presentes em todo o país

por Rodrigo Menegat para a Agência Pública

Uma rua de menos de 200 metros no centro de São Paulo leva o nome de Vladimir Herzog. Ela homenageia o jornalista que foi torturado e morto pela ditadura militar – que governou o país de 1964 até 1985 – e se constitui em uma pequena exceção: a maioria das ruas que levam os nomes de personagens do período homenageia o lado dos ditadores e seus colaboradores. (mais…)

Ler Mais

Indígenas em Contexto Urbano: Uma Entrevista com José Urutau Guajajara

José Urutau Guajajara é um dos grandes líderes no movimento pelos direitos indígenas na cidade do Rio de Janeiro. Criado na Aldeia Guajajara no estado de Maranhão, ele veio para o Rio ainda jovem para estudar e trabalhar. Em 2006, ele participou do grupo de indígenas de várias etnias que fundou a Aldeia Maracanã no prédio abandonado do antigo Museu do Índio, ao lado do Estádio do Maracanã. Embora tenha sofrido múltiplas remoções durante os megaeventos –Copa do Mundo e Jogos Olímpicos– a Aldeia Maracanã ainda ocupa o prédio e está em processo de formar uma universidade indígena no local. José é pesquisador de linguística do Museu Nacional da UFRJ e professor de língua e cultura indígena na FAETEC-ISERJ. Ele mora no Centro de Etnoconhecimento Sociocultural e Ambiental Caiuré (CESAC) em Tomás Coelho, um espaço comunitário da população indígena urbana. O RioOnWatch falou com José sobre sua vida, seu trabalho e o movimento indígena no Rio.

Lucas Smolcic Larson – RioOnWatch (mais…)

Ler Mais

Sob ameaça, Comissão da Anistia sofre intervenção do governo Temer

Movimentos de direitos humanos organizam abaixo-assinado contra reprovação de pedidos de reparação a vítimas da ditadura

Norma Odara, Brasil de Fato

Movimentos populares, entidades e cidadãos que defendem os direitos humanos estão organizando um abaixo-assinado para evitar o fim da Comissão de Anistia. Nos últimos meses, o governo do presidente golpista, Michel Temer (PMDB), vem realizando intervenções nas decisões da comissão, fato nunca ocorrido antes. (mais…)

Ler Mais

‘Museu da Escravidão e da Liberdade’ Proposto pelo Prefeito Instiga Debate e Ceticismo

Claire Jones e Lisa Hollenbach – RioOnWatch

Enquanto a Providência, a favela mais antiga do Rio, celebra 120 anos desde a sua fundação, a cidade tem passado por um momento mais amplo de acertos de contas históricas, e vem considerando como utilizar melhor o passado para construir identidades e enfrentar o futuro. Desta maneira, o estabelecimento do Museu das Remoções na Vila Autódromo e a luta do Instituto de Pesquisa e Memória dos Pretos Novos na Zona Portuária mostram que os engajamentos coletivos com a história frequentemente ocorrem através de museus, como espaços públicos dedicados ao passado. Em especial, os museus podem servir como espaços para grupos marginalizados–como moradores de favelas e afro-brasileiros–reivindicar e compartilhar as suas histórias, uma habilidade crucial, pois essas comunidades ainda enfrentam violência e obstáculos sociais hoje em dia. (mais…)

Ler Mais