NOTA PÚBLICA: Um ano do Massacre de Pau D’Arco (PA)

Nesse dia 24 de maio de 2018, completa-se um ano do assassinato de 10 trabalhadores rurais no interior da Fazenda Santa Lúcia, município de Pau D’Arco, no Pará, fato que ficou conhecido como o Massacre de Pau D’Arco. Além dos 10 mortos, dois trabalhadores saíram feridos à bala. Os crimes foram praticados por um grupo de policiais militares e civis de Redenção, sob o pretexto de cumprir 14 mandados de prisão preventiva e temporária

CPT

Conforme o que se apurou no inquérito da Polícia Federal (PF) e no curso da ação penal, dos 29 policiais que participaram da operação, 17 deles (sendo 13 militares e 4 civis) foram os responsáveis pela execução dos trabalhadores. Todos eles foram denunciados pelo Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) e presos por decisão do juiz da Comarca de Redenção. Em relação ao processo criminal, todos os acusados já foram interrogados e as testemunhas de defesa e acusação também já foram ouvidas. Após essa fase, acredita-se que o juiz da comarca de Redenção pronunciará os acusados e os encaminhará para o Tribunal do Júri, o que deverá ocorrer em 2019. (mais…)

Ler Mais

Massacre de Pau d’Arco com dez camponeses mortos pela polícia completa 1 ano – #JustiçaParaPauDarco!

De acordo com testemunha, os assassinos sorriam e atiraram

Lílian Campelo, Brasil de Fato

Há um ano, numa manhã chuvosa de quarta-feira, dez trabalhadores rurais foram brutalmente assassinados no município de Pau d’Arco, no sudeste do estado, durante operação das polícias militar e civil com a justificativa de cumprimento de mandados judiciais. A ação ocorreu na Fazenda Santa Lúcia, que havia sido novamente ocupada por trabalhadores rurais sem-terra no dia anterior. (mais…)

Ler Mais

Carta Política do Encontro de Articulação da Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares (Renap)

A Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares reuniu-se através de suas e seus articuladoras e articuladores, em Brasília, no dia 05 de maio de 2018, para debater com movimentos sociais populares, organizações de direitos humanos e advogados e advogadas as agendas políticas da advocacia popular e os papeis da Renap na atual conjuntura política.

A reunião de articulação da RENAP realizou-se em função de deliberação do XXII Encontro Nacional, realizado no mês de setembro de 2017, na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais, onde se decidiu por realizar a presente atividade com o objetivo de desenvolver, no campo das lutas populares anticapitalistas, antirracistas e antipatriarcais, avaliações sobre o lugar político da RENAP e suas tarefas na atual conjuntura de acirramento das lutas populares. (mais…)

Ler Mais

MST realiza 1º Encontro Nacional das Crianças Sem Terrinha

A atividade reunirá mais de 1200 crianças na capital federal entre os dias 28 e 31 de maio

 por Webert Cruz, da Página do MST

A participação de meninas e meninos nos movimentos populares é um exercício de democracia. Fruto de diversas atividades pelo Brasil, desde a primeira mobilização infanto-juvenil de Porto Alegre/RS em 1994, os encontros das crianças do campo têm consolidado a pauta da infância dentro do MST. Na perspectiva de continuidade desse movimento educativo, acontece de 28 a 31 de maio, o 1º Encontro Nacional das Crianças Sem Terrinha no Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade, em Brasília. (mais…)

Ler Mais

MST ocupa fazenda improdutiva de banco estrangeiro em Taubaté

Área possui 300 hectares e está sendo loteada irregularmente

Da Página do MST

Na madrugada desta segunda-feira (21), 70 famílias organizadas no MST ocuparam a Fazenda Santana, localizada no município de Taubaté, região do Vale do Paraíba de São Paulo. A área, que é improdutiva e alvo de especulação imobiliária, possui 300 hectares e, atualmente, pertence ao banco Chines CCB (China Construction Bank). (mais…)

Ler Mais

Feiras agrícolas, um terreno fértil para os sem-terra

Ao vender orgânicos, assentados, acampados e quilombolas trocam experiências do campo e da luta por reforma agrária com cidadãos

Por Giovanna Costanti, na Carta Capital

No início do ano, o orçamento para a obtenção de terras para reforma agrária sofreu corte de 80%. Segundo o Incra, em 2017 nenhuma família foi assentada e foram criados apenas projetos de assentamentos, 28 no total. Em março deste ano, o Decreto nº 9.311, publicado pelo Governo Federal, deu base legal para o Incra retomar o cadastro e seleção de famílias a serem assentadas.  (mais…)

Ler Mais

Empresa que integra fundo de Harvard comprou terras griladas na Bahia

Propriedade de fundo bilionário da universidade americana explora terras no cerrado com longo histórico de expulsões, fraudes e mortes

Ciro Barros, A Pública

No rosto dos trabalhadores da Vila Taguá, em Cotegipe (BA), a expressão é de expectativa. Muitos vieram de municípios vizinhos à igrejinha do povoado, nesta manhã quente e chuvosa, ansiosos por contar suas histórias. Todas elas estão relacionadas a conflitos agrários envolvendo os 140 mil hectares da Gleba Campo Largo, que hoje pertence quase inteiramente à Caracol Agropecuária, empresa que está entre os ativos de um fundo dos doadores da Universidade Harvard com patrimônio de US$ 37 bilhões. Os trabalhadores querem que a área ocupada pela Caracol, segundo eles fruto da grilagem de terras públicas, seja destinada à reforma agrária como estabelece a Constituição. (mais…)

Ler Mais

Dirigente do MST analisa os 2 anos de Temer no governo federal

João Paulo Rodrigues falou sobre as consequências para a população das medidas apresentadas durante este período

Anelize Moreira e Mayara Paixão, Brasil de Fato

O dirigente do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) João Paulo Rodrigues falou sobre as consequências para a população das medidas tomadas pelo atual governo, nos últimos dois anos. (mais…)

Ler Mais

Latifundiário do Pará perde posse de área pública onde vivem 120 famílias sem terra

Com a posse da terra nada impede o Incra em Marabá transformar o acampamento Frei Henri em assentamento rural

Lilian Campelo, Brasil de Fato

Milena é uma garota de 9 anos que mora no acampamento Frei Henri com os três irmãos e os pais. Tímida, gosta de ler e agora pode andar em paz pelo acampamento, o fazendeiro que antes ocupava o imóvel foi retirado pela Justiça e a criação do assentamento está mais próximo de acontecer. (mais…)

Ler Mais