Unb, USP e UFU aparecem pichadas com mensagens machistas, homofóbicas e racistas

Um banheiro da Universidade de Brasília amanheceu com dizeres que fazem referência ao ‘Massacre de Columbine’, tragédia escolar americana que ocorreu em 1999, na Columbine High School

Por Estadão, em O Dia

Em menos de 24 horas, pelo menos quatro universidades públicas registraram mensagens de cunho racistas e homofóbicos no país. Na Universidade Federal de Uberlândia (UFU), a porta de um banheiro foi pichada na quarta-feira com a mensagem “Pretaiada vai voltar para a senzala”. No local ocorria o Congresso Brasileiro de Pesquisadores Negros. Ataques foram registrados ainda na Universidade de Brasília (UnB), na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e na Universidade de São Paulo (USP), que teve portas pichadas com o símbolo nazista. (mais…)

Ler Mais

quilombo

Nota de repúdio das comunidades quilombolas de Santarém das declarações feitas por Edward Luz e Adriano Maraschin

A Federação das Organizações Quilombolas de Santarém, representante das 12 comunidades quilombolas do município: Associação de Remanescentes do Quilombo do Tiningu – ARQTININGU; Associação de Remanescentes de Quilombo do Bom Jardim – ARQBONJA; Associação de Remanescente de Quilombo do Saracura ACREQSARA; Associação de Remanescente de Quilombo do Arapemã; Associação de Remanescente de Quilombo do Surubiu-Açu – ARQSURUBIU; Associação De Remanescente de Quilombo de Maria Valentina ( quilombos Nova Vista do Ituqui, São José do Ituqui, São Raimundo do Ituqui) – ARQVALETINA; Associação de Remanescente de Quilombo de Patos do Ituqui; Associação de Remanescentes de Quilombo de Murumuru –ARQMU; Associação de Remanescente de Quilombo de Murumurutuba; Associação de Remanescentes de Quilombo do Maicá; vem expressar sua profunda indignação com as declarações do antropólogo Edward Luz e de Adriano Maraschin, presidente do Sirsan, que foram publicadas na internet. Essas pessoas não nos conhecem, nunca visitaram nossos territórios e querem dizer que nós não existimos. Essas pessoas querem defender seus direitos mas deixar o povo sem acesso à terra. Nossos quilombos existem, temos processos administrativos no Incra e cumprimos com tudo que a lei determina para a titulação de nossos territórios. (mais…)

Ler Mais

Conselho de Direitos Humanos cobrará posição de MP e ONU sobre violência política

Entidade lançou nota e manifestou preocupação sobre onda de intolerância e ataques ao ativismo e minorias

Cristiane Sampaio, Brasil de Fato

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) emitiu, nessa quinta-feira (18), uma nota pública pedindo que os órgãos da área de garantia de direitos, especialmente os do sistema de Justiça, posicionem-se diante do atual contexto de violência relacionada a divergências de ordem política. (mais…)

Ler Mais

Presidente da CDHM pede providências ao Ministério Público de São Paulo no caso da travesti assassinada

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, Luiz Couto (PT/PB), enviou nesta quinta-feira (18) ao procurador-geral de Justiça do Estado de São Paulo, Gianpaolo Poggio Smanio, um ofício solicitando informações sobre o assassinato da travesti Priscila na madrugada da última terça-feira (16), em São Paulo, capital

por Pedro Calvi, em CDHM

“De acordo com testemunhas ouvidas pela polícia, houve gritos e agressões verbais, seguidas de menções a um candidato à presidência da República e incentivando a violência contra a população LGBT.  A vítima foi esfaqueada e morreu. O crime é mais um na escalada de violência contra minorias políticas no contexto das eleições presidenciais. Portanto, solicito ao Ministério Público que adote todas as medidas cabíveis no caos”, denuncia Luiz Couto.    (mais…)

Ler Mais

Magistrados ignoram testemunhas e citam laudo forjado da ditadura para isentar Ustra

Apreciação de desembargadores do TJ de São Paulo se deu em sessão que extinguiu, por julgar prescrita, ação que pedia indenização para familiares de jornalista assassinado no DOI-CODI

por Felipe Betim, em El País

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) extinguiu nesta quarta-feira, 17 de outubro, um processo que condenava o coronel do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, reconhecido torturador da ditadura militar brasileira (1964-1985) e idolatrado pelo presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) e seu vice, o general Hamilton Mourão, a pagar uma indenização de 100.000 reais a família do jornalista Luiz Eduardo Merlino. Ele foi torturado e morto nos porões do DOI-CODI em 1971, com apenas 23 anos. Em julgamento da 13ª Câmara Extraordinária Cível, os três desembargadores da segunda instância —Luiz Fernando Salles Rossi, Milton Carvalho e Mauro Conti Machado— entenderam que encontra-se prescrita a possibilidade de que família processasse Ustra e obtivesse compensação, uma vez que a lei civil prevê um prazo de 20 anos neste tipo de ação. O crime ocorreu em 1971 e o processo foi movido pela família em 2010, 22 anos após a promulgação da Constituição de 1988, usada como marcado temporal. Ainda cabe recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no Supremo Tribunal Federal (STF). (mais…)

Ler Mais

Tem bolsonarista querendo uma Noite dos Cristais

Por Mário Magalhães, no The Intercept Brasil

Nas ruas do Rio, vê-se cada vez menos gente com adesivos contendo mensagens políticas e eleitorais colados em roupas, bolsas e mochilas. Os adesivos sumiram por causa do medo sentido por quem os exibia até a votação do primeiro turno. Medo da violência contra quem pensa diferente. Além do medo político e do medo existencial, alastra-se o medo físico. (mais…)

Ler Mais

Liderança indígena Karipuna reivindica na ONU punição às empresas que violam direitos humanos dos povos indígenas

Segundo André Karipuna, a violência praticada contra o patrimônio indígena destruiu completamente mais de onze mil hectares de território; 80% nos últimos três anos

por Michelle Calazans, em Cimi

A liderança indígena André Karipuna reivindicou na manhã desta quarta-feira, dia 17 de outubro, em Genebra (Suíça), a criação de mecanismos de punição, civil e criminal, para as empresas nacionais e transnacionais que violam direitos humanos dos povos indígenas e de suas terras originárias. O pleito foi apresentado na quarta sessão do Grupo de Trabalho Intergovernamental sobre Empresas Transnacionais e outras Empresas de Negócios com respeito aos Direitos Humanos (OEIGWG), fomentada pelo Conselho de Direitos Humanos, na Organização das Nações Unidas (ONU). (mais…)

Ler Mais

Defensoria Pública da União alerta para escalada de violência política

por Raquel Júnia, em EBC

A Defensoria Pública da União afirmou que vem acompanhando com preocupação os casos de violência política que tem aumentado no país desde o primeiro turno das eleições.

O caso mais grave resultou na morte do mestre de capoeira, Moa do Katendê, na Bahia, à facadas após ter criticado o presidenciável Jair Bolsonaro e declarado voto em Fernando Haddad em um bar. (mais…)

Ler Mais

Mentes perigosas

O título acima é também do livro escrito pela psiquiatra Ana Beatriz Barbosa Silva sobre a sociopatia, também chamada de psicopatia ou transtorno de personalidade antissocial. São pessoas que não conseguem ver o “outro”, têm total indiferença, não conseguem olhar as outras pessoas como alguém que merece respeito e muito menos respeitam os direitos alheios. “Os psicopatas são minoria no mundo, mas o poder de estrago é enorme. Não só de crimes graves, de morte, mas também de corrupção. Querem status, diversão e poder. Estão em todas as profissões, médicos, políticos. Para eles, mentir é fácil. Difícil é dizer a verdade”, afirma a médica

por Pedro Calvi, em CDHM

Ana Beatriz participou da audiência pública realizada pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (17), sobre esse tipo de comportamento e as consequências na violação dos direitos dos cidadãos. (mais…)

Ler Mais

“Bolsonaro é candidato a formar um Reich”, diz especialista em neonazismo

Em entrevista à Fórum, Adriana Dias, doutora em antropologia social que pesquisa o neonazismo há mais de 15 anos, explicou como a ascensão de Jair Bolsonaro fomentou a atuação de grupos de extrema direita no Brasil e como o militar da reserva está mais próximo do neonazismo do que muitos acreditam

Por Ivan Longo, Revista Fórum

A candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) está muito mais próxima do neonazismo do que muitos acreditam. A afirmação é de Adriana Dias, doutora em antropologia social que estuda o fenômeno da extrema direita no Brasil há mais de quinze anos. (mais…)

Ler Mais