NOAM CHOMSKY

Chomsky: ‘Este é o momento mais crítico na história da humanidade’

Chomsky repassa as principais tendências do cenário internacional, a escalada militarista do seu país e os riscos crescentes de guerra nuclear.

Por Agustín Fernández Gabard e Raúl Zibechi, em La Jornada/Carta Maior

“Os Estados Unidos sempre foram uma sociedade colonizadora. Inclusive antes de se constituírem como Estado já trabalhavam para eliminar a população indígena, o que significou a destruição de muitas nações originárias”, como bem lembra o linguista e ativista estadunidense Noam Chomsky, quando se pede que descreva a situação política mundial. Crítico feroz da política externa de seu país, ele recorda 1898, quando ela apontou seus dardos ao cenário internacional, com o controle de Cuba, “transformada essencialmente numa colônia”, e logo nas Filipinas, “onde assassinaram centenas de milhares de pessoas”. (mais…)

Ler Mais

Créditos da foto: reprodução

Violências contra a mulher: os homens franceses no banco dos réus

Hollande concede a graça presidencial a uma condenada pela morte do marido. Na França, de dois em dois dias uma mulher morre nas mãos de um marido violento

Leneide Duarte-Plon, de Paris*, na Carta Maior

Os imigrantes são violentos e estupradores em potencial, alegam os que querem fechar as portas da Europa aos refugiados. Na França e na Alemanha, a extrema-direita tenta asssimilar os imigrantes a todos os perigos que vão do terrorismo à violência contra mulheres.

Quem não tomou conhecimento do fato que 800 mulheres procuraram a polícia depois do réveillon, na cidade de Colônia, para denunciar abuso sexual e estupro da parte de pessoas que elas disseram ser imigrantes? (mais…)

Ler Mais

Imagem: Brasil abriga 246 povos indígenas, totalizando 900 mil pessoas que falam mais de 150 línguas (MEMÓRIA/EBC)

Livro infantil sobre povos indígenas pode entrar na grade do MEC

“Esperamos que este livro sirva ao menos para tocar as próximas gerações para um Brasil mais respeitoso”, afirma Tatiane Klein, do Instituto Socioambiental, responsável pelo projeto

por Redação RBA

Por meio de uma iniciativa do Instituto Socioambiental (ISA), crianças brasileiras poderão ampliar o conhecimento sobre os povos indígenas. O livro “Povos Indígenas no Brasil Mirim” carrega esta proposta, como afirma Tatiane Klein, do ISA, para a Rádio Brasil Atual. “O principal objetivo deste livro é desconstruir uma ideia genérica de que estes povos ficaram no passado e que não existem mais no Brasil contemporâneo”, afirma. (mais…)

Ler Mais

Vista aérea da barra do Rio Doce mostra que os resíduos liberados no rompimento da Barragem do Fundão, em Bento Rodrigues, ainda continuam causando estragos para o meio ambiente (foto: Leandro Couri /EM/D.A Press )

Câmara dos Deputados recebe laudo que atesta péssima qualidade do rio Doce

Manaira Medeiros, Século Diário

Está nas mãos dos deputados federais da comissão externa que apura o crime da Samarco/Vale-BHP, na Câmara dos Deputados, o laudo da Fundação SOS Mata Atlântica que considerou de péssima qualidade a água do rio Doce em 650 quilômetros de extensão – de 853 ao todo. O estudo é resultado da expedição realizada pela entidade após o rompimento da barragem em Mariana (MG).

O documento foi entregue ao presidente da comissão, deputado Sarney Filho (PV-MA), pelo diretor de políticas públicas da SOS Mata Atlântica, Mario Mantovani, e pela coordenadora da Rede das Águas, Malu Ribeiro. (mais…)

Ler Mais

Imagem: É fácil para Grazi ser negra por dentro. Porque se fosse por fora, só faria papéis estereotipados (Reprodução/Facebook)

Nem mulatas do Gois e nem no “interior” de Grazi Massafera

Chega a ser ridícula a mania de querer mostrar que não se é racista. Em vez de se posicionar, jogam palavras ao vento que nada mudam

por Djamila Ribeiro, Carta Capital

Estamos em 2016 e colunistas de grandes veículos de comunicação ainda se julgam no direito de tratar mulheres negras como coisas. Ancelmo Gois, do jornal O Globo, é conhecido como “apreciador de mulatas” e em sua coluna “As mulatas do Gois” segue objetificando seres humanos.

Em uma delas deu espaço para um homem escolher novas mulheres para seu show de horrores machista. Essa pessoa chegou a usar expressões como “nova safra de mulatas”, “mulatas sub 20”, “espécie”. E eu achando que mulheres negras pertenciam à espécie humana. (mais…)

Ler Mais

Créditos da foto: Marizilda Cruppe

Gigante dos investimentos é acusada de grilagem de terras

Uma gigante financeira norte-americana e seus parceiros brasileiros têm investido centenas de milhões de dólares em negócios de terra no Cerrado

Simon Romero – NYTimes, na Carta Maior

A gigante dos investimentos que administra a poupança de aposentadoria de milhões de administradores universitários, professores de ensino público etc, a TIAA-CREF se orgulha por defender valores socialmente responsáveis, inclusive ressaltando seu papel na elaboração dos princípios das Nações Unidas que versam sobre a compra de terras agrícolas, promovendo transparência, sustentabilidade ambiental e respeito pelo direito à terra.

Mas os documentos mostram que as incursões da TIAA-CREF na fronteira agrícola brasileira podem ter ido na direção oposta. (mais…)

Ler Mais

150506-Monsanto-e1430939972374-485x383

Monsanto pagará multa de US$ 80 milhões para governo dos EUA

Enquanto isso, no Brasil, Kátia Abreu continua barrando pedidos de suspensão contra o glifosato e outros agrotóxicos.

Da Página do MST*

A americana Monsanto, maior empresa de sementes do mundo, concordou nesta terça-feira (10) em pagar uma multa de US$ 80 milhões para encerrar as investigações nos Estados Unidos sobre violação de regras contábeis e distorção de informações financeiras referentes aos produtos de sua marca de herbicida, a Roundup.

Investigações da Securities and Exchange Comission (SEC, na sigla em inglês) — órgão equivalente à CVM no Brasil — descobriram que a Monsanto lançou em 2009 um programa de incentivos por meio de descontos que tinha o objetivo de promover sua marca Roundup em uma época que o produto estava perdendo espaço no mercado para outros concorrentes que vendiam a preços mais baratos. (mais…)

Ler Mais

Mauro de Souza / site Ururau

Quanto vale a vida de um sem-terra assassinado? Para uma Câmara do TJRS, uma ninharia, por Jacques Távora Alfonsin

Na Página do MST

A companheira, a filha e o pai do agricultor Elton Brum da Silva, assassinado pelas costas por um policial militar, durante a execução judicial de um mandado de reintegração de posse, no dia 21 de agosto de 2009, em São Gabriel, ajuizaram uma ação de indenização contra o Estado do Rio Grande do Sul, com base na responsabilidade civil deste, prevista em lei, pelas ações dos seus servidores públicos.

A sentença reconheceu o direito em causa e condenou o Estado a pagar uma indenização por dano moral sofrido por essas pessoas, no valor de R$100.000,00 para cada uma. Para a filha, o mesmo julgado reconheceu o direito de ela receber uma pensão de um salário mínimo regional. (mais…)

Ler Mais

Indígenas da etnia Munduruku. Foto: MK Filmproduktion

Justiça obriga União e Estado do Pará a oferecerem ensino médio a indígenas

Prazo máximo para início das aulas é de 90 dias

MPF/PA

A Justiça Federal determinou que a União e o Pará devem passar a oferecer ensino médio diferenciado para indígenas do oeste do Estado. Os cursos têm que estar disponíveis dentro de 90 dias, no máximo. Se necessário, o calendário escolar deve ser adequado para que possa ser cumprido ainda no ano letivo de 2016.

A decisão liminar (urgente) foi assinada pelo juiz federal Paulo César Moy Anaisse na última quinta-feira, 4 de fevereiro. O prazo para cumprimento das determinações começa a contar assim que a União e o Estado do Pará forem oficialmente notificados pela Justiça. Em caso de descumprimento da liminar, a multa é de R$ 50 mil por dia. (mais…)

Ler Mais

cpi genocidio

MS – CPI do Genocídio vai ouvir representantes do MPE e MPF amanhã, quinta-feira, 11/02

Por Mayara Bueno, no Campo Grande News

Representantes do MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) e MPF (Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul) serão os próximos a deporem na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Genocídio, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul.

A próxima reunião acontece na quinta-feira (11), quando os trabalhos da casa de leis são retomados depois do carnaval. O encontro do colegiado será às 14 horas. (mais…)

Ler Mais