Cerca de 12 mil mulheres são vítimas de violência por dia no Brasil

Pesquisa revelou que 2,2 milhões de mulheres foram agarradas ou beijadas sem consentimento

Por Dayana Vítor, Radioagência Nacional

Ofensas morais, violência física, mão boba no transporte público. A cada hora, 503 mulheres são vítimas de algum desses tipos de violência no Brasil. A maioria das vítimas é negra e parda. Dois a cada três brasileiros já presenciaram essas agressões. Os dados são da pesquisa Visível e Invisível: a vitimização de mulheres no Brasil.

O estudo foi realizado pelo Datafolha a pedido do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O levantamento foi realizado entre os dias 11 e 17 de fevereiro de 2017 com cerca de 2 mil pessoas, sendo mais de mil mulheres.

Fernanda Silva foi casada por 20 anos e sofreu agressões do marido na maior parte do casamento. Eram ofensas morais, chutes, pontapés. Ela chegou a perder o emprego devido as agressões.

“A gente chegava a discutir e ele sempre me batia. Eu cheguei a perder duas vezes o emprego. Eu ficava com o olho roxo, as partes do corpo. Eu nunca tive coragem de denunciar por causa da família e do meu filho autista.”

Assim como no caso de Fernanda, que apanhava do marido, mais de 60% dos agressores foram os atuais ou ex-companheiros das vítimas. Apesar disso, 52% das entrevistadas não fizeram nada. Apenas 11% procuraram uma delegacia e 13% pediram ajuda da família.

O juiz de direito da Vara de Violência contra a Mulher do Distrito Federal, Ben Hur Viza, explica que muitas vezes as vítimas não denunciam o agressor, por medo de serem consideradas culpadas pela agressão.

“Por que ele agrediu? Por que a senhora não disse não, ou por que a senhora não saiu dessa relação se ele já não te bateu antes? Essas perguntas transferem a culpa do homem para a mulher.”

O assédio mais comum revelado na pesquisa foi o comentário desrespeitoso na rua. Mais de 20 milhões de mulheres foram vítimas dessa violência no último ano. Outra agressão comum foi o assédio físico no transporte público. Mais de cinco milhões sofreram esse tipo de violação de direitos.

Apesar de menos comum, a pesquisa revelou ainda que 2,2 milhões de mulheres foram agarradas ou beijadas sem consentimento.

Edição: Radioagência Nacional.

Imagem: Marcha das Vadias, no Rio de Janeiro, em agosto de 2014 / Fernando Frazão / Agência Brasil

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.