A primeira manifestação ecologista foi sepultada por mentiras oficiais

Exército atirou em manifestantes contra fumaça tóxica da Riotinto e o Governo declarou os gases inócuos

Por Manuel Ansede, no El País

Foi, segundo muitos historiadores, a primeira manifestação ecologista da história. Naquela manhã de 14 de fevereiro de 1888 milhares de agricultores e mineiros, acompanhados de suas famílias, tomaram as ruas de Riotinto (Huelva, Espanha) para reivindicar a melhoria de seus salários, a redução de suas jornadas de sol a sol e a proibição de calcinar mineral ao ar livre nas minas de cobre. A fumaça estava acabando com eles.

Quinze anos antes, o Governo da Primeira República Espanhola havia vendido o solo de Riotinto a um consórcio formado por bancos alemães e britânicos. O lugar começou então a produzir de maneira brutal. Os mineiros, incluindo crianças menores de 10 anos, tiravam pirita das entranhas da terra e a calcinavam em enormes pirâmides de lenha, para extrair o cobre. Seu ritmo de produção era maior do que o de todas as minas chilenas juntas. Calcinavam mais de 900 toneladas por dia, desencadeando nuvens de gases sulfurosos que asfixiavam os habitantes da região, envenenavam o gado e arruinavam as colheitas.

Naquele dia de 1888, a primeira manifestação ecologista da história se encontrou com o Regimento de Pavía, que chegara a Riotinto para vigiar a greve geral de mineiros, de inspiração anarquista. Sem que houvesse provocação, segundo a maioria dos relatos da época, os soldados abriram fogo contra os manifestantes e partiram para cima de baioneta na mão. Houve dezenas de mortos: homens, mulheres e crianças. Assim,1888 passou à história como o ano dos tiros. Mas o escândalo serviu para que a calcinação ao ar livre do mineral fosse proibida dias depois, por um Decreto Real.

Aqui entra em cena o historiador da ciência Ximo Guillem, da Universidade de Valência. É um especialista na ignorância. Na ignorância construída de modo premeditado, com dados científicos errados. O estudo deste desconhecimento fabricado artificialmente cresceu tanto nos últimos anos que já tem nome: agnotologia. E Guillem acredita que as minas de Riotinto foram um laboratório pioneiro para produzir essas mentiras – hoje batizadas de pós-verdade – sobre o meio ambiente e a saúde.

Os Rothschilds pressionaram para que a fumaça tóxica fosse declarada inócua, estima o historiador Ximo Guillem

“Em 1890, a Real Academia de Medicina concluiu que não havia provas de um impacto negativo da fumaça na saúde”, explica Guillem em sua pesquisa, recém-publicada na revista Medical History, da Universidade Cambridge. Em 18 de dezembro desse mesmo ano, apenas dois anos depois da matança, o Governo do conservador Antonio Cánovas del Castillo, amparado nos relatórios científicos, revogou o Decreto Real que tinha proibido a calcinação do mineral ao ar livre. A fumaça tóxica voltou a invadir a localidade de Huelva.

Os detalhes sobre o indulto à poluição das minas de cobre são rocambolescos. Uma comitiva da Real Academia de Medicina viajou até as minas com a finalidade de elaborar um informe para o Governo. A viagem foi paga pela própria Rio Tinto Company Limited, a sociedade constituída em Londres por bancos e milionários para comprar o solo de Huelva. Em Riotinto, os acadêmicos aceitaram um convite para beber champanhe, mas rejeitaram uma visita ao Hospital Provincial para comprovar com seus olhos a toxicidade dos gases minerais. Limitaram-se a entrevistar trabalhadores selecionados pela própria empresa.

Para Guillem, há um momento-chave. Em 1888, a família Rothschild – uma influente linhagem de banqueiros alemães – entrou na sociedade da Rio Tinto Company Limited. Os Rothschilds haviam desembarcado em 1835 na Espanha para comercializar o mercúrio das minas de Almadém (Ciudad Real). Durante as décadas seguintes, com o monopólio mundial do metal pesado, a família teceu um poderoso sistema de tráfico de influência. “Depois dos acontecimentos de 1888 em Riotinto, houve o interesse de declarar que a fumaça não era tão nociva para a saúde. E acho que a chegada dos Rothschilds foi decisiva para isso”, afirma Guillem.

Minas de Riotinto, no início do século XX
Minas de Riotinto, no início do século XX JUNTA DE ANDALUCÍA

O historiador mergulhou nos documentos da época guardados na Real Academia de Medicina e no Arquivo Histórico da Fundação Rio Tinto. Muitos deles têm queixas. Guillem recorda o caso do acadêmico Ángel Pulido, que proclamou a inocuidade dos gases e enfatizou que os mineiros pareciam felizes e fortes.

O conhecimento científico de 1888, porém, dizia outra coisa. A Liga Antifumaça, promovida por proprietários de terras de Huelva, escreveu à rainha regente, María Cristina de Habsburgo-Lorena, para criticar a utilização em Riotinto do “procedimento metalúrgico mais primitivo, já rejeitado pela ciência, que reconhece outros melhores, e proibido no mundo civilizado por leis especiais que o declaram nocivo a todos os organismos”.

Contudo, os relatórios assinados pelos acadêmicos Ángel Pulido e Ángel Fernández Caro, mencionavam até possíveis efeitos benéficos dos gases sulfurosos contra o cólera. Os especialistas convidados pela Rio Tinto Company Limited ignoraram conhecidos trabalhos científicos precedentes, como os do engenheiro francês Frédéric Le Play, que em 1848 havia publicado uma monografia sobre os graves efeitos da poluição metalúrgica nos trabalhadores das minas de cobre do vale de Swansea, no Reino Unido. O informe dos acadêmicos também passou por cima dos dados demográficos, que mostravam menos nascimentos e mais mortes à medida que aumentava a atividade mineradora em Riotinto.

“A construção da ignorância sobre o impacto da fumaça da Riotinto na saúde se conecta com outros casos mais recentes, como a negação das mudanças climáticas ou do vínculo entre o tabaco e o câncer de pulmão”, argumenta Guillem. São dois exemplos muito atuais. O presidente dos EUA, Donald Trump, chegou a garantir que o aquecimento global é uma invenção dos chineses para prejudicar a indústria norte-americana. Seu vice-presidente, Mike Pence, escreveu que “apesar da histeria da classe política e da mídia, fumar não mata”, A fabricação da ignorância não parou desde os acontecimentos de Riotinto.

Minas de Riotinto, no início do século XX. Foto: Junta de Andalucía.

Enviada para Combate Racismo Ambiental por Lara Schneider.

 

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

1 × 2 =