Portugal é dos países da Europa que mais manifestam racismo

Dados do European Social Survey mostram que há uma larga percentagem de portugueses a acreditar em racismo.

Por Joana Gorjão Henriques, no Público

Uma pessoa branca leva menos tempo a formar uma opinião sobre um negro do que sobre um branco, ou seja, despersonaliza os negros e mais rapidamente associa a pessoa a um grupo em vez de olhar para as suas especificidades. Isto mostram várias investigações, diz o psicólogo social Jorge Vala, que o confirma também num estudo que ainda não foi publicado, The Role of Egalitarian and Meritocratic Norms on the Depersonalization of Black People, do qual é co-autor com Marcus Lima e Cícero Pereira. O estudo experimental foi feito com 40 estudantes universitários portugueses.

Já numa pesquisa integrada no programa de investigação Atitudes Sociais dos Portugueses, com dados do European Social Survey que inquiriu 30 mil pessoas com mais de 15 anos, em 20 países, Portugal aparece com um alto índice de racismo. Medindo o racismo biológico (com as perguntas: “acredita que há raças ou grupos étnicos que nasceram menos inteligentes do que outros? acha que há raças ou grupos étnicos que nasceram mais trabalhadores do que outros?”) e o racismo cultural (“pensando no mundo hoje, diria que há culturas muito melhor do que outras ou que todas as culturas são iguais?”) os inquiridos em Portugal têm dos índices mais elevados de crença nos dois tipos de racismo: 52,9% no biológico e 54,1% no cultural quando a média europeia é de 29,2% e 44%, respectivamente. O estudo foi feito em co-autoria com Alice Ramos e Cícero Per.

O que acontece com o “igualitarismo” na vossa experiência?

As pessoas preferem seleccionar [um currículo de] uma pessoa branca ao de uma pessoa negra, mas isso atenua-se quando se activa a norma do igualitarismo, ou seja, quando dizemos que todas as pessoas têm os mesmos direitos. O que mostra que é possível reduzir os efeitos do racismo com normas sociais e com legislação antidiscriminação. Tudo isto se passa a nível de processos inconscientes. O efeito de enviesamento dos brancos em relação aos negros no processo de selecção já está mostrado em outros países, de muitas formas.

Portugal não é diferente?

Nem nesse aspecto, nem noutros: nas atitudes, no tratamento na justiça vamos encontrar um enviesamento do sistema que é muito mais punitivo para as pessoas negras do que para as pessoas brancas. Portugal não é nenhuma ilha, como se tentou defender. Temos um mito protector que é o luso-tropicalismo. Até determinado momento, protegia-nos; hoje, é um mito legitimador da visão sobre o nosso passado.

Ou seja, o mito está activo mesmo nos portugueses que nunca ouviram sequer falar desse conceito?

Exactamente, não têm o conceito mas têm as ideias fundadoras: a ideia de excepcionalidade que existe também em vários países. Somos dos países da Europa que mais manifestam racismo biológico e cultural: isto foi mostrado muito recentemente num estudo do programa de investigação Atitudes Sociais dos Portugueses, do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, integrado no European Social Survey. Ou seja, acreditamos que se podem hierarquizar grupos humanos em função de factores biológicos ou de factores culturais. A nossa ideia, dos investigadores, é que o racismo é uma teoria sobre hierarquização dos grupos antes de ser um preconceito: é uma ideia de que a humanidade se organiza de forma hierarquizada e que é difícil superá-la.

O que estudaram exactamente?

Estudámos o impacto disto nos critérios etnicistas de selecção de imigrantes. Quem pode vir? — perguntámos. Os que falam a nossa língua, têm a nossa cor e a nossa religião foram critérios mais valorizados em Portugal do que na média dos países europeus. Estes três elementos decorrem de uma teoria racista geral. E daqui podemos concluir que estas atitudes podem ter impacto nas políticas públicas de imigração que as pessoas consideram desejáveis.

Foi agora publicada uma análise da Universidade de Sheffield a partir do Project Implicit, da Universidade de Harvard, que mostra também que Portugal tem dos mais altos índices de preconceitos. Que conclusões tira?

A correlação entre esses dados e os dados apresentados por nós é muito elevada para este tipo de estudos que comparam metodologias diferentes. Ou seja, podemos concluir que o estudo quantitativo das 30 mil pessoas capta, em larga medida, a realidade das atitudes e crenças no que toca às questões raciais. Num caso (de Harvard) temos respostas não conscientes, automáticas, não controláveis. No segundo caso (o nosso inquérito) temos respostas que os respondentes podem controlar, por exemplo, de acordo com princípios de desejabilidade social ou motivação para não mostrar preconceito racial.

Jorge Vala tem estudado o racismo do ponto de vista da Psicologia Social. Foto: Nuno Ferreira Santos

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.