M Facebook – 31 de agosto a 8 de setembro, 2018

Por Natasha Bachini e João Feres Jr., Manchetômetro

Entre os dias 31 de agosto e 8 de setembro de 2018, as 155 páginas que monitoramos publicaram 11.647 posts, que geraram 7.797.958 compartilhamentos. As páginas que mais postaram no período foram as de mídia: VEJA (452 posts), O Globo (438 posts) e Exame (431 posts).

Os 20 posts da tabela (AQUI) concentram 13% do volume total de compartilhamentos alcançado pelas 155 páginas ao longo do período. O recurso mais usado nesses posts foi a foto (65%), seguida do vídeo (20%) e do link (15%).

Os posts que alcançaram maior volume de compartilhamentos nessa semana pertencem às páginas da nova direita.

No post mais compartilhado, o Movimento Brasil Livre (MBL) levanta suspeitas sobre a origem do agressor de Jair Bolsonaro (PSL), Adélio Bispo Pereira, dizendo estranhar que um servente de pedreiro desempregado tenha quatro advogados a sua disposição. Os criminalistas, que já defenderam outros réus famosos, alegam que não foram contratados por partidos políticos, mas pela igreja evangélica frequentada pela família Pereira. O grupo também reproduziu um vídeo mostrando o momento em que o candidato do PSL foi esfaqueado, e publicou outro post destinado a combater o discurso anti-armamentista, apesar do atentado. Nele, afirma-se que Bolsonaro foi atacado por defensores do desarmamento, e não o contrário.

O ataque a Bolsonaro também pautou outros posts do ranking, que foram publicados pelas páginas da revista VEJA, do G1 e de Kim Kataguiri. As matérias da grande imprensa destacaram que o agressor era pedagogo e tinha sido filiado ao PSOL, que por sua vez teve espaço para o contraditório em todos os veículos por meio de uma nota assinada por seu presidente. O post de Kim trouxe tuítes de supostos moradores de Juiz de Fora-MG, cidade onde aconteceu o incidente, desejando que Bolsonaro fosse assassinado.

Outro assunto muito comentado pelas páginas da nova direita foi a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de considerar Lula inelegível. Seis posts das páginas desses movimentos comemoraram a decisão. Os memes trouxeram fotos de Lula ora cabisbaixo, ora irritado, com frases como: “ONU não manda no Brasil”, “Corrupto é inelegível preso ou solto” e “TSE acaba com a farsa”.

Dentre os presidenciáveis de direita, conseguiram emplacar posts na lista o próprio Bolsonaro, que divulgou o número de sua legenda e sua chegada a Porto Velho (RO), e o candidato do partido Novo, João Amoedo, que convidou seus seguidores a assistir suas participações no Jornal Nacional e no programa Pânico, da Jovem Pan. Neste último, Amoêdo tentou se distinguir de Bolsonaro ao elencar suas diferentes práticas ao longo da história e relembrando que o capitão é um político tradicional.

Com relação às páginas de esquerda, tivemos no período um vídeo de onze minutos da Mídia Ninja, elencando os diversos espaços públicos incendiados nos últimos anos, denunciando que o ocorrido no Museu Nacional não foi acidente, mas crime. Houve também um vídeo do ex-presidente Lula (PT), com parte do programa eleitoral de Fernando Haddad (PT) veiculado na TV, em que as pessoas afirmam ser “milhões de Lulas”. Haddad foi tema de outro post do ranking, dessa vez do portal UOL, cuja matéria informava sobre acusações que o ex-prefeito recebeu do Ministério Público Paulista nas últimas semanas.

Em suma, observamos que os últimos acontecimentos da corrida eleitoral foram instrumentalizados pelas páginas da nova direita para aumentar a visibilidade de Bolsonaro e criticar a candidatura petista à Presidência da República. A cada dia dessa eleição, temos uma surpresa, o que exige alta perícia dos staffs das campanhas. Vejamos quais serão as estratégias adotadas pelos partidos nesta reta final e seus desdobramentos na rede.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

2 × um =