Recebido por Bolsonaro, dono de empresa de aviação agrícola foi condenado por desmatamento

Rene Mariano esteve com o presidente eleito em lobby pelos produtores de banana do Vale do Ribeira (SP); Ministério Público constatou que ele não manteve a reserva legal de sua fazenda em Jacupiranga

Por Leonardo Fuhrmann, em De Olho nos Ruralistas

O empresário Rene Mariano fez parte da comitiva de bananeiros do Vale do Ribeira, no interior paulista, que foi recebida na última terça-feira (04/12), em Brasília, pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e pela futura ministra da Agricultura, a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS). Ele foi condenado em agosto do ano passado, em ação civil pública proposta pelo Ministério Público de São Paulo, por não manter a reserva legal de sua fazenda, a São Lourenço, em Jacupiranga. O imóvel tem pouco mais de 780 hectares.

De Olho nos Ruralistas contou ontem que Bolsonaro recebeu um fazendeiro – apoiado por ele em candidatura para a Câmara – condenado por invadir área da Caverna do Diabo, na mesma região: “Bolsonaro recebe empresário condenado por plantar bananas em parque estadual no Vale do Ribeira“.

Além de não criar a reserva legal, Mariano é acusado de desenvolver no local atividades que dificultam a recuperação da vegetação original. A juíza Ana Carolina Gusmão de Souza Costa o condenou a “abster-se de exercer qualquer atividade em área de preservação permanente”. Ele precisou pagar uma indenização “correspondente aos danos ambientais irreparáveis que eventualmente se verifiquem”, em favor do Fundo Estadual de Recuperação dos Interesses Difusos”. A pena só não foi pior porque o fazendeiro já havia começado um plano de recuperação, não homologado por órgãos ambientais.

ELE POLUIU RIOS ONDE BOLSONARO JÁ PESCOU

Mariano já tinha um histórico de problemas com os órgãos de proteção ambiental. O Plano Diretor de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Ribeira do Iguape e Litoral Sul para o período entre 2004 e 2011 já apontava a Banaer Pulverização Agrícola, empresa de Mariano, como uma indústria responsável pela contaminação das águas dos rios da região – onde Bolsonaro costumava pescar na juventude. Na ocasião, um relatório confirmava o dano, o levantamento detalhado do problema, a avaliação de risco e plano de remediação.

A Banaer voltou a ser autuada pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) em novembro de 2013. O órgão entendeu que a empresa despejou poluente de uma maneira que causava incômodo ao bem-estar público e danos à flora e a fauna. Além de fazer a aplicação, a Banaer é também homologada para fazer a manutenção de aeronaves Ipanema, da Embraer, muito usadas pelo setor de aviação agrícola.

Também fizeram parte da comitiva da Associação dos Bananicultores do Vale do Ribeira (Abavar) os diretores da entidade Agnaldo Oliveira e Valmir Beber e o pesquisador Wilson Moraes, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta). Segundo eles, o assunto do encontro foi o aumento nos investimentos em pesquisa e tecnologia para o setor, além de medidas de apoio à produção e comercialização. Um dos temas foi a proibição da exportação de banana do Equador, tema já tratado por Bolsonaro no Congresso e em reuniões da entidade.

BOLSONARO RECEBEU OUTRO FAZENDEIRO CONDENADO

Mariano não era o único com problemas com a justiça em razão de desmatamento no encontro. O político e bananicultor Valmir Beber foi condenado em março a um ano de reclusão pela Justiça em Eldorado, no Vale do Ribeira (SP), por crime ambiental. Amigo da família Bolsonaro, ele mantinha uma plantação de bananas em uma área de 19,5 hectares dentro do Parque Estadual Caverna do Diabo, um dos principais pontos turísticos da região.

A condenação foi substituída por uma pena que obriga Beber a reparar o dano causado. A juíza Gabriela de Oliveira Thomaze concedeu ao empresário o direito de recorrer da decisão em liberdade. A condenação do fazendeiro foi revelada pelo De Olho nos Ruralistas em 22 de outubro, como parte de uma série especial sobre os negócios e interesses da família Bolsonaro e seus aliados no Vale do Ribeira, onde o presidente eleito foi criado e alguns de seus parentes vivem até hoje.

A série durante a cobertura eleitoral também contou como um dos cunhados de Bolsonaro, Theodoro Konesuk, casado com uma de suas irmãs, foi condenado por invadir terras de quilombos. Outra reportagem ouviu os quilombolas da região, que afirmam nunca terem recebido uma visita do presidente eleito. Ao contrário do que ele disse durante a campanha, quando citou um quilombo “em Eldorado paulista” onde os moradores, segundo ele, pesavam muitas “arrobas”, não faziam nada e não serviam “nem pra reproduzir”.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

dezenove − quinze =