Julgamento do mentor do Massacre de Felisburgo será nesta segunda

15 anos após o massacre, Calixto Luedy ainda não foi julgado e nenhuma das vítimas foi indenizada

Da Página do MST

No dia 20 de novembro de 2004, 17 pistoleiros armados, comandados pelo fazendeiro Adriano Chafik Luedy e seu primo Calixto Luedy, invadiram o acampamento Terra Prometida, localizado em Felisburgo, Vale do Jequitinhonha-MG.

Essa bárbara ação criminosa assassinou cinco trabalhadores rurais e feriu a bala outras 13 pessoas, inclusive uma criança de 12 anos. No mesmo ataque eles queimaram a escola local e vários barracos, deixando centenas de famílias somente com a roupa do corpo.

A Fazenda Nova Alegria, onde aconteceu o massacre, foi ocupada em maio de 2002, por cerca de 230 famílias do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). A ocupação foi realizada para pressionar o governo a desapropriar as terras, já que o Instituto de Terras de Minas Gerais (ITER) decretou 567 hectares como devolutos e ali não se cumpria nem a legislação trabalhista, nem a ambiental. Eram terras do Estado, griladas pelo fazendeiro.

Passaram-se quase quinze anos e o arquiteto do massacre, Calixto Luedy, não foi julgado, assim como nenhuma das vítimas foi indenizada e o decreto, referente à desapropriação da terra, não foi cumprido. Calixto foi policial e se tornou jagunço do seu primo Chafik.

O atual presidente diz que fazendeiros podem usar armas para defender a propriedade privada. Isso é ilegal e só estimula massacres. A paz no campo se faz com justiça, não com armas. O que é mais importante: a ganancia dos grandes fazendeiros ou a vida das famílias que lutam pelos seus direitos?

O julgamento do caso está marcado para esta segunda-feira, 13 de maio de 2019, às 14h, no Fórum Lafayete, em Belo Horizonte. Calixto precisa ser condenado!

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

17 + dois =