A luta pela moradia é em toda Santa Catarina

por Elaine Tavares, em Palavras Insurgentes

A cidade de Florianópolis é muito mais do que a ponte ou as lindas praias que fervem no verão. Ela é também campo de batalha da luta de classes. Viver aqui é estar o tempo todo confrontado com esse espaço real, o qual poucos conseguem usufruir. Muitas são as lutas, tais como manter um emprego digno, ter saúde, educação, segurança.  Outra peleia cotidiana é pelo direito de morar.

Hoje, na grande Florianópolis resistem várias ocupações, com famílias garantindo na luta o espaço para morar. Quem conhece a história sabe que as terras no Brasil foram roubadas dos indígenas e usurpadas por famílias portuguesas. Depois, com o passar do tempo, muitas dessas terras passaram para a mão do Estado, que as repartiu com os “amigos”. O estudo do historiador Gert Schinke, por exemplo, mostra como muita gente boa “ganhou” terra do governo de Santa Catarina durante a ditadura militar e hoje se arvora de dona, sendo que tudo foi fruto de uma ilegalidade.

Por isso que ao discutir o direito de moradia sempre é necessário entender como é que uns poucos se apropriaram das terras, tornando a grande maioria das pessoas sem-teto e sem-terra. Assim, quando famílias sem recursos ocupam terras da união ou terras devolutas, nada mais estão fazendo do que garantir a justa distribuição dos espaços. Morar é um direito para todos e não só para alguns.

Na semana que passou, o movimento pela moradia que se re/organiza desde há três anos em Santa Catarina, e principalmente na grande Florianópolis, recebeu a visita das famílias da ocupação Jardim das Oliveiras, da cidade de Araquari. Nessa ocupação estão 600 pessoas, 200 famílias e 245 crianças, exigindo o respeito à Constituição que diz que a moradia digna é um direito. Essas famílias vivem há dez anos em terras da União e agora estão ameaçadas com despejo. A cidade de Araquari tem um dos maiores PIB per capita do estado, com arrecadação maior do que a de São José, mas o município não se decide por resolver o problema destas pessoas. Para piorar ainda tem o poder judiciário que está cada dia mais longe da justiça, e que decide pelo despejo.

No intuito de estadualizar o debate sobre o direito à moradia, famílias do Jardim das Oliveiras vieram mostrar sua luta na capital e confraternizar com as ocupações de Florianópolis, unindo forças e trocando experiências. Assim, reuniram-se com representantes das ocupações Marielle Franco e com os indígenas que batalham pela Casa de Passagem.

Foi um momento importante de aprendizagem, de encontro, de troca que culminou numa caminhada pela ponte Hercílio Luz, símbolo da capital.  Na próxima terça-feira, dia 14, haverá um ato em Araquari, em frente à Prefeitura e na quinta-feira, dia 16, uma vigília noturna contra o despejo. No dia 17, sexta-feira, as famílias decidiram por montar resistência e contarão com o apoio de movimentos de todo o estado.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

um × dois =