Funai é alvo de disputa dentro do governo federal

ClimaInfo

Alvo de críticas constantes nos últimos meses por causa de sua atuação problemática no combate e na prevenção ao coronavírus nas aldeias brasileiras, a Funai virou palco de disputas políticas dentro do governo Bolsonaro.

N’O Globo, Daniel Biasetto informa que o órgão está disputando espaço com a Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI), do Ministério da Saúde, para ver quem sai “melhor na foto” com a distribuição de cestas básicas e outras medidas de apoio aos Povos Indígenas. Esta situação tem causado problemas de articulação no trabalho dos dois órgãos, resultando em prejuízo para quem deveria ser o foco dessas ações – os Povos Indígenas. No fundo do embate, está o interesse da ministra Damares Alves em retomar o controle da Funai, que perdeu após o Congresso Nacional devolver o órgão do ministério da mulher, família e direitos humanos para o da Justiça.

Enquanto o governo bate cabeça, a situação dos indígenas em meio à pandemia segue preocupante. O Estadão destacou o drama de duas mães Yanomami que perderam seus filhos para a COVID-19 e que aguardam há mais de um mês pela liberação dos corpos para realizar os rituais de despedida. O Ministério da Saúde confirmou ontem que os corpos foram enterrados em um cemitério de Boa Vista (RR) ainda em maio e que isto teria sido comunicado às famílias, as quais rejeitam a afirmação. Já no Mato Grosso, o novo coronavírus já contaminou 102 indígenas da etnia Xavante, causando a morte de nove deles.

Em tempo: A Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT) deve votar hoje a aprovação de estudos técnicos e jurídicos referentes à concessão da chamada Ferrogrão, no trecho de ferrovia entre Sinop (MT) e Itaituba (PA). Lauro Jardim informa n’O Globo que a inclusão do item na pauta da ANTT foi feita à revelia de determinação judicial que impedia a tramitação do processo enquanto o traçado do projeto da ferrovia não fosse alterado. Isso porque a rota definida passa pela Floresta Nacional do Jamanxim, no Pará.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

5 × três =