Amazônia: queimadas têm alta de 28% em julho

ClimaInfo

Mesmo com as queimadas proibidas por decreto desde o último dia 15, o mês de julho registrou um novo aumento nos focos de incêndio florestal na Amazônia. Dados do Programa Queimadas, do INPE, registraram 6.803 focos de calor na região ao longo do mês passado, 1.007 somente no dia 30 de julho, o maior número diário para o mês desde 2005.

Abrindo agosto, mês que possivelmente baterá vários recordes, foram registrados 1.275 focos no sábado (1/8). No acumulado do ano, entre janeiro e julho, o total de queimadas na Amazônia ainda registra queda de 7,6% com relação ao mesmo período de 2019.

Ouvida por Bruno Ribeiro no Estadão, a pesquisadora Ane Alencar (IPAM) afirmou que isto está mais associado a um conjunto de queimadas atípicas registradas em Roraima no ano passado do que a uma redução no comportamento dos incêndios neste ano. Ane explica também que os focos de incêndio atuais ainda estão associados ao desmatamento ocorrido em 2019, para manutenção da área desmatada.

Os dados mostram que, se quiser efetivamente conter o desmatamento e as queimadas – e, consequentemente, as cobranças de investidores e empresários dentro e fora do Brasil, como destacado pelo The New York Times no último final de semana –  o governo terá bastante trabalho.

“A moratória, que proíbe no papel as queimadas, não funciona se não houver também uma resposta no campo, com mais fiscalizações”, cobrou Rômulo Batista, do Greenpeace Brasil, citado pelo UOL. “Assim como a GLO aplicada sem estratégia e sem conhecimento de como se combate as queimadas, também não traz os resultados que a Amazônia precisa”.

“Decreto para evitar queimadas tem o mesmo efeito da cloroquina para curar COVID-19. Zero. No caso da Amazônia, o ‘médico’ não está nem um pouco preocupado com o paciente, a floresta”, disse Carlos Rittl, do Instituto de Estudos Avançados em Sustentabilidade de Potsdam, à Coluna do Estadão.

O crescimento das queimadas na Amazônia em julho foi matéria também de FolhaBR PolíticoG1Correio BrazilienseVejaAFP e Reuters, entre outros.

Em tempo: Na Folha, Fabiano Maisonnave e Lalo de Almeida informaram que a Terra Indígena (TI) Trincheira Bacajá, no sudeste do Pará, voltou a sofrer com o aumento do desmatamento ilegal e com a presença massiva de forasteiros, três meses após uma grande operação do Ibama contra crimes ambientais. A ação causou irritação no Palácio do Planalto e resultou na exoneração do então coordenador de operações de fiscalização do órgão, Hugo Loss, e o coordenador-geral de fiscalização, Renê Luiz de Oliveira. Sem a presença de fiscais e sem militares da Operação Verde Brasil 2, as atividades criminosas se intensificaram desde então na região.

Queimada próximo a Porto Velho (RO), em agosto de 2019 (Foto: Victor Moriyama/Greenpeace)

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

16 − onze =