Rosto de índia que viveu há 2 mil anos em Pernambuco é reconstituído pela primeira vez

Segundo pesquisadores que fizeram a reconstituição facial com ajuda da tecnologia, indígena é considerada a parente mais antiga dos pernambucanos.

Por Beatriz Castro, TV Globo, no G1

Através do uso da tecnologia, pesquisadores conseguiram reconstituir a face de uma índia que viveu há 2 mil anos no município de Brejo da Madre de Deus, no Agreste de Pernambuco, a partir do crânio dela. A indígena, que pertenceu a um grupo nômade e tinha idade entre 15 e 18 anos, é considerada a parente mais antiga dos pernambucanos (veja vídeo acima).

O rosto da jovem índia foi reconstituído por Cícero Moraes, um 3D designer do município de Sinop, no Mato Grosso.

“O processo de reconstrução facial forense inicia a partir do momento que o especialista faz um levantamento a partir do crânio, do sexo, da faixa etária e da ancestralidade do indivíduo a ser reconstruído. Posteriormente, neste caso, foi feita uma série de fotografias no crânio. Essas fotos foram enviadas para um algoritmo computacional que converteu a sequência em um objeto 3D compatível com o crânio”, explicou.

Com o crânio em 3D, programas de computador definiram a espessura da pele e a posição dos músculos. Projeções desenharam o nariz, os lábios, a posição das orelhas. Pelo processo de escultura digital, o rosto foi modelado e ganhou acabamento.

O rosto da índia é o segundo a ser conhecido. O primeiro, também revelado pela tecnologia, foi o de um flautista, em 2018. Ao lado do esqueleto, os pesquisadores encontraram uma flauta feita de um osso humano de 33 centímetros, a tíbia.

Ao todo, 83 esqueletos humanos foram descobertos entre 1982 e 1987, em um cemitério instalado na Furna do Estrago, uma área protegida que fica debaixo de uma rocha, em Brejo da Madre de Deus.

O especialista responsável pela reconstrução do rosto dos dois índios ensina o passo a passo da técnica para quem quiser aprender. “Nós disponibilizamos não apenas a técnica, mas os softwares utilizados para fazer esse processo. Todos são gratuitos e de código aberto”, disse Cícero.

Crânio da indígena foi encontrado no Agreste de Pernambuco. Foto: Reprodução TV Globo

O museu que abriga os dois ancestrais é o de Arqueologia e Ciências Naturais da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), que está fechado por causa da pandemia do novo coronavírus, sem data para reabrir. Segundo Roberta Pinto, coordenadora do museu, eles pertenciam a um grupo que tinha algumas características diferentes de outros povos indígenas do continente americano.

“Essa população se diferencia em relação às proporções do corpo. Em geral, as populações dos antigos das Américas chegam em torno de 1,60 m [de altura]. Essa população é um pouco mais alta do que isso. As proporções da cabeça também são diferentes, e essa população apresenta anomalias genéticas relacionadas ao endocruzamento, ou seja, parentes se relacionando”, disse.

Para os responsáveis pelo museu, localizado no Recife, dar uma identidade aos achados de tanto tempo tem uma importância fundamental. “A gente precisa conhecer, inclusive, para se reconhecer e, a partir daí, desenvolver afeto e desenvolver a preservação. Ela é uma pessoa como nós e não um resto de ossos”, declarou Sérgio Almeida, assessor cultural do museu.

Comments (1)

  1. Seria interessante se os pesquisadores verificassem a relação de ancestralidade entre essa população arqueológica e o povo indígena Tapuia do Brejo da Madre de Deus, cuja liderança máxima é Santxiê Tapuia, já falecido, e que fundou o Santuário dos Pajés no Distrito Federal, onde hoje habitam seus descendentes. Sua prima Edna Tapuia me relatou em Curitiba na década de 1990 a diáspora de seu povo a partir de Pernambuco, de onde sua família saiu, chegando a residir entre os Kaingang da Terra Indígena Barão de Antonina, no Paraná.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

4 × 5 =