“Ocupar a terra é defender a natureza porque o MST tem um projeto: a reforma agrária”

Em entrevista, Renata Menezes fala sobre a Jornada da Juventude e de Vivências com o MST, trazem reflexões sobre o Meio ambiente

Por Fernanda Alcântara, na Página do MST

Junho começou com o MST exaltando a importância reforma agrária popular e, junto da Juventude Sem Terra e a partir do Plano Nacional Plantar Árvores, Produzir Alimento Saudável, alertando para possibilidades no campo para a construção de um futuro possível e saudável.

Pensar a a Reforma Agrária Popular e a defesa dos seus territórios e da agricultura familiar é um elemento fundamental para o MST, em especial pensando agroecologia, baseada na sociobiodiversidade, na economia solidária e no respeito ao conhecimento tradicional e às culturas locais/regionais. Ao demandar o acesso à terra para os agricultores familiares e pequenos produtores, a reforma agrária popular também proporciona oportunidades para a juventude camponesa.

Diante das comemorações da Semana do Meio Ambiente, o MST conecta a Jornada de Vivências, a 14ª Jornada da Juventude e a campanha Tô Com o MST. Com o lema “Combater o agro, garimpo e a mineração. Rompendo cercas alimenta a nação!”, a Juventude Sem Terra levou energia, criatividade e vontade de fazer a diferença em ações de promoção à produção de alimentos saudáveis ​​e a proteção do meio ambiente e denunciam o projeto de morte do agronegócio.

E por isso a palavra de ordem desta semana é a agroecologia e a defesa de ecossistemas saudáveis, como solos férteis, biodiversidade e recursos hídricos limpos. A degradação ambiental promovida pelo agro só faz ameaçar a produtividade agrícola e compromete a segurança alimentar e, por isso, o MST tem sido alvo da CPI que acha crime a reforma agrária popular e suas práticas ambientalmente responsáveis.

Para entender esta correlação entre a reforma agrária popular, a juventude e meio ambiente, confira abaixo entrevista com Renata Menezes, coordenadora nacional da Juventude Sem Terra, que fala sobre como estes temas podem

Confira:

Este ano, a Jornada da Juventude Sem Terra trouxe o lema “Combater o agro, garimpo e a mineração. Rompendo cercas alimenta a nação!”. Quais foram os principais apontamentos levantados em relação ao agronegócio e mineração?

Nós estamos num momento onde o debate sobre as mudanças climáticas na sociedade vem ganhando força, porque impacta diretamente a classe trabalhadora nas suas condições de moradia e de vida nos grandes centros urbanos, das periferias e também no campo. Essas mudanças afetam a agricultura, as lavouras e nossa produção de alimentos saudáveis. E não é “o clima”, mas sim a mineração e o agronegócio, com sua relação que depreda a natureza, que desmata, e muda a realidade da flora, de fauna e da vegetação.

E, o que temos observado com a juventude Sem Terra, é que a mineração e o agronegócio têm cada vez mais dinamizado suas formas de exploração da natureza, utilizando uma ideia de “recurso sustentável”, o que na verdade não existe. Assim, eles avançam sobre as áreas de reserva, de comunidades tradicionais do campo, como os povos ribeirinhos, indígenas, quilombolas, avançam sobre os nossos assentamentos, e fazem essa chuva de veneno que danifica a biodiversidade.

Todas essas práticas, tanto do agronegócio, quanto da mineração, vêm transformando a forma como a gente percebe a natureza e a forma como a natureza reage diante dessas intervenções. E a reforma agrária popular, a partir da ocupação de terras, é produtora de novas relações com a natureza, novas relações humanas. E se propõem com a prioridade de alimentação saudável, de produzir esse alimento pro povo brasileiro e também de construir relações de vida no campo, que valorizem o campo na sua diversidade, na biodiversidade, e que tenham o cuidado com os bens comuns da natureza como centralidade.

Quais são os impactos do agronegócio e da mineração nas áreas do MST e como isso se reflete no marco do Dia do Meio Ambiente, que correu esta semana?

Quando a gente pensa no impacto da mineração, temos situações que vão desde a extração direta do minério, até seu avanço sobre terras, geralmente públicas, e que têm algum tipo de conflito sócio ambiental. Conflito esses que são com as comunidades tradicionais que vivem no campo. Quando pensamos a mineração, geralmente pensamos no minério de ferro de forma mais direta, mas olharmos para o avanço de fracking nas áreas para busca de petróleo – vez ou outra precisamos fazer campanhas para ligar isso à mineração – deixando um rastro de desigualdade, porque onde a gente tem mineração, a gente tem aprofundamento da pobreza.

E quando falamos do agronegócio, tem a ver com o que a gente vem denunciando historicamente dentro do MST, sobre o avanço dos agrotóxicos, do desmatamento entorno de terras. São terras destinadas à produção de commodities, não para produção de comida. E é bom reforçar isso, que essa produção de commodities não tem a ver com alimentar o Brasil, tem a ver com bolsa de valores, com especulação, com lucro em detrimento da função social da terra.

Tudo isso vai gerando uma série de elementos que vão dialogar diretamente com a questão ambiental. Porque, quando você retira a biodiversidade de uma área, vegetação nativa, a cobertura verde, a água, retira a possibilidade de um clima agradável. Porque o clima não tem a ver somente com aquilo que é a atmosfera, o clima tem a ver com a interação entre as vegetações, entre a fauna, entre os nossos cursos d’água, os rios, as lagoas. E tudo isso vai sendo afetado na medida que avança a mineração e o agronegócio.

Como a Jornada Nacional de Vivências nas áreas do MST está conectada com a Juventude Sem Terra?

Não só no dia 5 de junho, que é o Dia Mundial do Meio Ambiente, mas também ao longo dessa semana e da próxima, a Juventude Sem Terra está mobilizada em torno de ações que envolvem a questão ambiental, de diversas frentes. Desde fazer a denúncia contra o agronegócio, a mineração, o garimpo, mas também fazendo diálogos com as nossas áreas, tratando da pauta ambiental, de uma educação socioambiental que dialogue com a juventude que está nas escolas, que dialogue com as companheiras, com os companheiros de assentamentos e acampamentos.

A intenção de construir a reforma agrária popular é justamente ter um espaço de bem viver, um espaço agradável de harmonia com a natureza. E essas vivências são uma forma de propaganda concreta de mostrar, na prática, de como nós [do MST] construímos essas relações, inclusive a partir dessa mobilização da juventude.

Teremos ações mais voltadas às lutas, mais voltadas à organização e a mobilização dos nossos territórios, e o conjunto da sociedade está convidado a se somar, a participar. Seja nos plantios, nos roçados solidários, nas hortas, nesse processo de mutirão com a terra que também é bastante bonito e cultural.

A conexão [do MST com o meio ambiente] se dá por isso, porque somos sujeitos e sujeitas que estão conectadas e conectados com a luta ambiental. Desde a infância, onde a gente aprende que a natureza precisa ser respeitada e precisa ser parte de nós”

Quando a gente mostra isso para a sociedade, crescemos inclusive com mais políticas públicas, com mais assentamentos para as famílias que hoje estão acampadas. Tendo esse direito a terra conquistada, que a gente vai conseguir avançar concretamente para que tenham mais jovens, mais crianças, mais adolescentes, que se conectem e reconheçam na identidade do campo.

Como as vivências poderão contribui para a conscientização dos participantes, e quais são os principais objetivos e benefícios da Jornada Nacional de Vivências no MST?

A Jornada Nacional de Vivências no MST está conectada com a pauta ambiental, por mostrar o que é o todo da reforma agrária popular. Não só a produção, mas o que temos de avanço na conquista na área dos direitos, da saúde, da educação, da cultura. E com as vivências, queremos mostrar para a sociedade que a reforma agrária popular é viável, é um projeto de desenvolvimento para o país, para combater a fome e acabar com todo e qualquer tipo de desigualdade social.

E isso não é de hoje, e não é contraditório em relação a economia, ao desenvolvimento, e podemos pensar esses elementos para proteger a natureza, e ao mesmo tempo gerar renda. Mostrar que a produção agrícola pode e deve ser construída de forma sustentável, enquanto modelo de sociedade, para combater a fome e a miséria, especialmente nesse momento. Por isso, um dos nossos objetivos é mostrar que isso não é um projeto para o campo, é um projeto para a sociedade.

Quais são os principais desafios enfrentados pela Juventude Sem Terra e como o MST tem trabalhado para envolver a juventude nas lutas?

O que a Juventude Sem Terra tem compreendido dos desafios está principalmente pautado na permanência no campo, com políticas públicas que ampliem a geração a possibilidade de geração de renda e de acesso a subsídios, crédito, fomento, que estimule a produção agrícola e a geração de renda para a juventude.

Tudo isso combinado com com uma política que valorize o campo como espaço de vida, não somente como aquele lugar onde está a plantação, mas como o lugar onde reproduzimos nossas formas de vida, onde queremos encontrar as pessoas, socializar, fazer “rolê”, como ir no cinema, jogar futebol, xadrez. E isso só é possível se para além da nossa mobilização, o Estado fizer esse investimento. É fundamental que a gente pressione o Estado brasileiro para construção da reforma agrária popular.

Por que ocupar a terra é defender a natureza?

Ocupar a terra é defender a natureza porque o MST tem um projeto, que é a reforma agrária popular e a expressão de cuidados com o bem comum de produção de alimentos, para cumprir a função social da terra.”

E esse trabalho no campo, numa perspectiva de desenvolvimento, de geração de renda em harmonia com a natureza, o agronegócio não faz e não oferece, que são condições dignas de vida para os trabalhadores e trabalhadoras do campo, camponeses e camponesas, e todos e todas que querem viver do trabalho no campo.

E nós, a partir dessa dimensão de um trabalho emancipador, um trabalho que dignifica, que dá condições de renda, que mostra que é possível ter uma vida boa com trabalho digno, sem exploração da natureza e da terra.

Sem água não tem vida, sem vegetação, sem floresta, não tem vida sem os animais das faunas locais, de acordo com seus biomas; só há desequilíbrio, desequilíbrio ecológico, desequilíbrio social. E é por isso que quando fazemos um processo de ocupação, começa a se criar a organicidade, a vida.

*Editado por Lays Furtado

Foto: Brenda Baleiro

Deixe um comentário

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

dezesseis − oito =