Palestina: em busca da difícil unidade

Em meio ao genocídio em Gaza e ao ataque de milícias judaicas na Cisjordânia, palestinos tentam reconstruir sua ação e liderança. Quais os caminhos e impasses? Quem pode assumir o papel da Al Fatah, vista como inoperante e corrompida?

Por Fatima Abdul Karim para Contretemps | Tradução: Maurício Ayer, em Outras Palavras

Desde os ataques do Hamas no sul de Israel no dia 7 de outubro, a Cisjordânia ocupada testemunhou um aumento da violência e da instabilidade. Nos últimos três meses, enquanto a atenção mundial se concentrava na Faixa de Gaza e os bombardeios de Israel prosseguiam, os soldados israelitas e as milícias de colonos mataram mais de 300 palestinos na Cisjordânia, incluindo mais de 80 crianças, enquanto mais de 4 mil palestinos foram detidos.

Os colonos também intensificaram seu assédio e violência contra os palestinos, em uma tentativa calculada de tomar as suas terras, movendo à força pelo menos 16 comunidades isoladas nas últimas semanas. O território continua sob um bloqueio estrito, com postos de controle militares que impedem os palestinos de se deslocarem entre cidades e vilas.

Para muitos palestinos, a sensação de completa ausência e inação por parte dos seus próprios líderes é tão paralisante como o agravamento da ocupação. A Autoridade Palestina (AP), liderada pelo presidente Mahmoud Abbas, tem se contentado em condenar timidamente a escalada de violência e as punições coletivas perpetradas por Israel, sem demonstrar qualquer capacidade real de confrontá-las.

Isso se tornou especialmente evidente depois de uma invasão de dois dias das forças israelitas na cidade de Jenin, no norte da Cisjordânia, no mês passado, transformando efetivamente a cidade numa “mini Gaza”, como denunciaram muitos moradores. Esta operação foi acompanhada por outras incursões militares em outras cidades da Cisjordânia nas últimas semanas, como Tubas e Tulcarém.

Poucos dias antes do ataque israelense a Jenin, Mustafa Sheta, diretor do Teatro da Liberdade da cidade, disse à revista +972 que os residentes de Jenin se sentem abandonados, especialmente quando todos os olhos – incluindo os deles – estão voltados para Gaza. “A AP está em silêncio. Não nos tranquiliza nem cura as nossas feridas”, declarou. Sheta foi detido pelas forças israelenses durante a operação Jenin e enviado para a prisão de Megiddo, onde passou seis meses em detenção administrativa, isto é, preso sem acusação ou julgamento.

O sentimento expresso por Mustafa Sheta é confirmado por uma pesquisa recente conduzida pelo Centro Palestino de Pesquisa Política e Enquetes (PCPSR) na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. De acordo com a sondagem, o apoio ao Hamas aumentou para 44% entre os palestinos na Cisjordânia, contra 12% em setembro. O apoio a Abbas, ao seu partido Fatah e à AP diminuiu consideravelmente: mais de 90% dos inquiridos apelam à demissão do presidente, enquanto o apoio à dissolução da AP – quase 60% na Cisjordânia e em Gaza – nunca foi tão elevado em uma pesquisa do PCPSR.

A crescente insatisfação pública com o silêncio ensurdecedor da AP face ao bombardeio descarado de Israel sobre Gaza, aos ataques intensificados às cidades da Cisjordânia e ao assassinato de importantes líderes palestinos soma-se a anos de frustração devido às persistentes acusações de corrupção, à incapacidade da AP de pagar seus funcionários e a sensação de que está cada vez mais afastada da vida dos seus eleitores. Mais do que nunca, há um forte sentimento de que a AP perdeu a razão de ser.

Assim, para muitos palestinos, os atuais líderes são incapazes de representar as aspirações e preocupações da população, impedindo-os de tomar medidas significativas para acabar com a atual guerra em Gaza e avançar em sua luta como um todo. Muitos insistem que é imperativo que uma nova liderança concentre as suas ações nas necessidades urgentes da população e afirme a iniciativa palestina autônoma no meio da cacofonia dos debates do “dia seguinte”. No entanto, a Autoridade Palestina e os seus líderes fazem tudo o que podem para permanecer no centro dos planos elaborados por outros.

Fim do status quo

Desde 21 de outubro, os ataques militares israelitas a Jenin tornaram-se rotina, com ataques quase todas as noites e confrontos com combatentes da resistência baseados no campo de refugiados. Dos cerca de 500 palestinos mortos na Cisjordânia durante 2023 – o número anual mais alto desde a segunda Intifada –, pelo menos 137 eram de Jenin. Mas, para além da sua retórica condenatória e dos apelos à proteção internacional, a destruição maciça da cidade não levou a Autoridade Palestina a tomar qualquer ação.

Falando sobre a situação em Jenin antes do ataque de dois dias, Mustafa Sheta disse que “os residentes do campo estão completamente sobrecarregados pelos ataques militares noturnos” que deixam os já exaustos refugiados ainda mais desolados e as suas infraestruturas em condições cada vez mais precárias.

“Não sabemos quando isso vai acabar”, lamenta. “O exército afirma que o objetivo da operação é acabar com a resistência no campo, mas este não é um objetivo realista. Eles não podem acabar com a resistência de um povo oprimido: o homicídio leva ao homicídio e a violência conduz à violência”.

No meio desta tempestade, os palestinos sentem o ônus do vácuo de liderança que vem afetando sua ação política durante anos. Ashraf Ajrami, analista político e escritor, criticou a abordagem atual da AP como “impotente e sem legitimidade popular”. Ele observou que, num evento dedicado aos presos políticos palestinos libertados em troca de reféns israelitas capturados pelo Hamas em 7 de outubro, o ministro dos Assuntos dos Prisioneiros da AP, Qadura Faris, foi vaiado pelos participantes.

Ashraf Ajrami acusou os líderes da AP, especialmente os mais próximos ao presidente Abbas, de agirem como se nada tivesse acontecido face à catástrofe de Gaza. Ele destacou a falta de mobilizações significativas na Cisjordânia para apoiar Gaza, especialmente considerando que a AP já se mobilizou em outras ocasiões, enviando 40 bombeiros e 8 camiões para ajudar a extinguir incêndios florestais perto de Haifa em 2016.

Apesar das suas críticas ao Fatah e ao Hamas, Ajrami acredita que o progresso é possível através da criação de uma comissão tecnocrática independente para intervir durante um período de transição, tanto para reconstruir Gaza como para preparar o caminho para eleições. Ele sublinhou que o momento atual é uma oportunidade potencialmente única, afirmando que o mundo por fim se mostra verdadeiramente interessado na criação de um Estado Palestino: “A solução de dois Estados, baseada nos parâmetros políticos estabelecidos pela comunidade internacional, está sendo abordada seriamente pela primeira vez desde [o presidente dos EUA, Bill] Clinton”. Mas, para aproveitar esta oportunidade, sublinhou, os líderes devem mudar radicalmente o seu enfoque.

“Precisamos de alguém que possa unir as pessoas.”

O sentimento geral é de que é necessária uma figura política amplamente respeitada para romper a paralisia. Num pequeno café cheio de fumaça de cigarro em Al-Bireh, uma cidade perto de Ramallah, Abu Othman, um cliente palestino, expressou a opinião de muitos: “Não podemos continuar nos perguntando o que acontecerá com os atuais líderes. como Abu Ammar”, disse ele, referindo-se a Yasser Arafat, o falecido líder palestino. “Alguém que consegue unir as pessoas apesar de suas diferenças.”

O líder mais proeminente é Marwan Barghouti, preso político e líder histórico do Fatah que, de acordo com a recente sondagem do PCPSR, derrotaria tanto Abbas como o líder do Hamas, Ismail Haniyeh, se as eleições fossem realizadas hoje. Barghouti ganhou destaque como ativista estudantil durante a primeira Intifada e acabou ingressando no braço armado do Fatah, as Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa. Foi detido por Israel durante a segunda Intifada [em abril de 2001] e um tribunal militar condenou-o a cinco penas de prisão perpétua pela sua participação em ataques contra israelitas.

Atrás das grades, Barghouti permaneceu ativo no movimento de prisioneiros e na política palestina em geral, publicando artigos e declarações em que sublinha a necessidade de reconciliação nacional. Muitas vezes conhecido como o “Mandela da Palestina” [também pela duração excepcional das suas penas de prisão, 27 anos para Mandela, quase 23 anos até este momento para o líder palestino], Barghouti manteve um amplo apoio popular como futuro líder do movimento nacional.

Devido à prisão de Barghouti, alguns palestinos também estão recorrendo a figuras estabelecidas na AP como possíveis líderes. Mahmoud Aloul, vice-presidente do Fatah desde 2018, é visto como um desses candidatos.

Preso e deportado da Cisjordânia para a Jordânia após a guerra de 1967, Aloul retornou à Palestina em 1995, no âmbito dos Acordos de Oslo, como assessor-chave de Arafat, que então o nomeou governador de Nablus, cargo que ocupou por 10 anos e que lhe rendeu a fama de homem do povo. Deixando para trás o seu passado militar, Aloul tornou-se um defensor da resistência popular, especialmente organizando manifestações e boicotando produtos israelitas. Ele agora supervisiona os diretórios locais do Fatah como chefe do Comitê de Mobilização e Organização do partido.

Num modesto escritório aberto ao público, ele se senta ao redor de uma longa mesa coberta de cadernos, canetas, óculos e celular. Consciente da gravidade das consequências da guerra entre Israel e Gaza, declarou à revista +972: “A prioridade agora não é defender a AP ou assumi-la. A prioridade é recuperar a confiança do povo palestino na sua luta pela liberdade. Esta guerra é dirigida contra toda a nação palestina: o genocídio em Gaza e o massacre e destruição diária na Cisjordânia”.

Embora reconhecendo o impacto da divisão entre o Fatah e o Hamas sobre o povo palestino, ele continuou:

“O que eu pessoalmente sinto é que estamos ‘tecendo a cesta errada’ quando falamos sobre a popularidade das facções. A prioridade deve ser uma visão que impeça Israel de assassinar os sonhos do nosso povo… superando todas as ameaças à tomada de poder independente. Decisões palestinas. Estamos fazendo grandes esforços para acabar com esta [divisão]”, acrescentou, sem dar mais detalhes.

“É por isso que estamos fazendo todo o possível para nos reconectarmos com a população e criarmos um ambiente propício às eleições, é disso que precisamos”, continuou. “Ninguém finge que a situação é cor-de-rosa; há muitas coisas que devemos corrigir, especialmente a relação com o nosso povo.”

Mahmoud Aloul dirigiu-se ao público palestino através de mensagens de voz publicadas na sua página oficial do Facebook em 13 de outubro e 8 de novembro, nas quais sublinhou que a prioridade da liderança palestina deveria ser acabar com a agressão israelita em Gaza e na Cisjordânia. Na sua segunda gravação, Aloul delineou o caminho a seguir para os líderes palestinos: uma posição unificada da OLP [Organização para a Libertação da Palestina] que inclua o Hamas e a Jihad Islâmica, ambos fora da organização. Aparentemente estão sendo elaborados planos para discutir seriamente esse acordo de unidade.

Mas muitos palestinos querem mais do que apenas mais um acordo elitista. Fadi Quran, ativista político de 35 anos, acredita que há necessidade de uma nova iniciativa palestina inclusiva que transcenda a divisão das facções. Para complementar essas mudanças políticas de cúpula, Fadi Quran prevê um movimento popular, semelhante à primeira Intifada, no qual as pessoas também possam participar do trabalho político a partir das bases:

“A energia está aí, o apoio público está aí e as ideias estão aí. Basta organizá-las. Há descentralização e as pessoas estão começando a criar suas próprias redes de ação. Esperamos que isso continue a se desenvolver e leve a algo.”

Cenários diplomáticos para o “dia seguinte” em Gaza

Nas últimas semanas, representantes governamentais de estados árabes, incluindo os Emirados Árabes Unidos, Catar e Egito, bem como os Estados Unidos, o Reino Unido, membros da União Europeia e Israel, reuniram-se a portas fechadas para estudar diversos cenários para o pós-guerra em Gaza, de acordo com fontes diplomáticas familiarizadas com as negociações. As conversações não incluíram nenhum compromisso direto com a Autoridade Palestiniana ou o Hamas.

Diplomatas que falaram à revista +972 sob condição de anonimato explicaram que os cenários planejados tendiam para a criação de uma nova entidade administrativa, excluindo expressamente o Hamas, designado como organização terrorista pelos Estados Unidos e pela União Europeia. A AP, liderada pelo Fatah, tem sido amplamente criticada como corrupta e antidemocrática.

Fontes diplomáticas delinearam várias propostas para “o dia seguinte” que foram discutidas nestas reuniões, todas destinadas a assegurar uma transição pacífica para uma liderança democraticamente eleita, permitindo ao mesmo tempo a reabilitação de Gaza. Existe um amplo consenso a favor de um período de transição durante o qual uma certa força seria formada para governar o território após o fim da guerra e até que as eleições possam ser realizadas. Esta força, segundo estas fontes, seria composta principalmente por membros do aparelho de segurança palestino e figuras conhecidas da comunidade palestina.

Fala-se também em reduzir o tamanho da Faixa de Gaza através da criação de uma zona tampão militar israelita ao longo do “Corredor Filadélfia” – uma área ao longo da fronteira entre Gaza e o Egito – que Israel insiste agora em controlar. Até o momento, o Egito não se opôs a esta ideia.

Uma proposta egípcia de três etapas para acabar com a guerra, conhecida localmente como “iniciativa egípcia”, vinha ganhando terreno nas últimas semanas antes de ser declarada morta após o assassinato do vice-chefe do escritório político do Hamas, Saleh al-Arouri, em Beirute, em 2 de janeiro.

A iniciativa, apoiada por mediadores do Catar, previa uma cessação gradual das hostilidades, começando com uma trégua temporária que permitiria a libertação de reféns israelitas em troca de palestinos detidos em prisões de Israel, e eventualmente conduzindo a um cessar-fogo permanente. Também previu uma mudança de liderança em Gaza, para que o Hamas deixasse de governar a Faixa, mas não mencionou a Autoridade Palestina.

O comitê executivo da OLP, presidido por Mahmoud Abbas, rejeitou publicamente a iniciativa na sua forma inicial na semana passada. Bassam al-Salhi, membro do Comitê, disse à revista +972 que o principal objetivo da liderança palestina é “um cessar-fogo imediato e um marco para um caminho político global que ponha fim à ocupação, após o qual poderemos abordar questões internas, tais como unidade, reformas e eleições. Não temos nenhuma garantia de que a comunidade internacional vá reconhecer os resultados das eleições que estamos organizando, com base no que vimos em 2006”, acrescentou.

Nos bastidores, porém, a AP recebeu uma injeção de oxigênio: um alto funcionário do Fatah disse à revista +972 que o Egito lhe tinha assegurado que o papel da AP no processo de transição era aceito por todas as partes sem necessidade de detalhá-lo.

A AP apelou por uma alteração na proposta, que o Egito aceitou, para que um governo de unidade nacional fosse estabelecido por um acordo de reconciliação entre as facções palestinas, e não por meio de um órgão tecnocrata. Os responsáveis ​​da AP temiam que o último cenário permitisse o regresso dos adversários pessoais de Abbas, como Mohammed Dahlan, hoje em Abu Dhabi, e o antigo representante da OLP, Nasser al-Kidwa, sobrinho de Yasser Arafat.

Vendo esta iniciativa como uma forma de permanecer no jogo, e procurando assim manter os Estados Unidos ao seu lado, a AP também pediu aditamentos à proposta no que diz respeito às reformas dos seus mecanismos de governo, segurança, justiça e administração. As autoridades dos EUA deixaram claro à AP que estas eram as suas exigências, assim como a ideia de reciclar uma força de segurança da AP para fornecer segurança na Faixa de Gaza após a guerra. O Egito parecia ser favorável a essas mudanças, antes das negociações serem interrompidas em razão do assassinato de al-Arouri.

À luz destas conversações, a AP sublinhou publicamente o seu compromisso com os princípios democráticos, defendendo eleições nacionais livres e justas para determinar a representação. Nas suas poucas – e muito criticadas – aparições públicas desde 7 de outubro, Mahmoud Abbas reafirmou a vontade da AP de assumir o governo de Gaza e sublinhou que a retomada das negociações para uma solução de dois Estados continua a ser uma prioridade.

A posição oficial de Abbas baseia-se em três pilares: acabar com a expulsão dos palestinos de Gaza do enclave, a retomada do controle total da Cisjordânia e de Gaza sob a égide da OLP (à qual se juntaria o Hamas e a Jihad Islâmica) e o início de um processo de paz global. Os observadores dizem que, nas condições atuais, nenhum destes planos é realista.

Para o Alcorão, estas palavras vazias dos líderes palestinos, sem legitimidade política ou poder para os apoiar, demonstram a necessidade de uma abordagem mais abrangente para restaurar a agência palestina. Chegamos a um ponto em que os palestinos dizem: “Queremos ser representados. Queremos que a nossa política seja inclusiva e queremos pessoas competentes”. “À medida que avançamos em direção à nossa libertação, começaremos a criar unidade.”

Deixe um comentário

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

catorze − 10 =