As crianças de Gaza “perceberam que os seus pais já não podem protegê-las das bombas e da fome”

James Elder, porta-voz da Unicef, alerta, desde a Faixa de Gaza, para a vertiginosa deterioração da situação humanitária, que caminha para a fome iminente, e descreve as dolorosas condições de vida das crianças.

por Beatriz Lecumberi, em El País / IHU

Um menino sujo e desgrenhado, que não tem nem 10 anos, apanha punhados de macarrão e feijão misturados com sujeira, poeira e restos de plástico, num campo perto da cidade de Gaza, após a passagem de um dos aviões que lança comida. Há embalagens que chegam inteiras ao solo e outras que explodem ao entrar em contato com o solo e seu conteúdo acaba espalhado. Concentrado e alheio à comoção ao seu redor, o menino rapidamente coloca na mochila esfarrapada o saque da escola, onde não consegue ir há cinco meses, e corre para o local onde sua família está refugiada.

Vários vídeos gravados por jornalistas locais mostram há dias este tipo de imagens, um claro reflexo da miséria e da fome, das tarefas improváveis que as crianças estão a assumir e dos riscos que correm todos os dias para poderem comer. “Eles estão emaciados, magros, assustados e muito cansados. E estão morrendo de fome, de desidratação e doenças como a diarreia”, resume James Elder, porta-voz da Unicef, que está atualmente em Gaza, numa entrevista telefônica ao El País. Não é a primeira vez que ele entra na Faixa de Gaza desde Outubro, quando começaram os bombardeamentos isralenses, mas a destruição física e a deterioração das condições de vida das pessoas, especialmente das crianças, que ele vive nestes dias deixaram-no “oprimido por uma terrível sentimento de perda.”

“Trabalho na ONU há 20 anos e nunca vi tamanho nível de destruição em lugar nenhum”. “A profundidade do horror vivido em Gaza ultrapassa a nossa capacidade de descrevê-lo”, afirmou o porta-voz. “Hoje em dia tenho visto as lágrimas de mães exaustas e desesperadas, que agarram na sua mão e dizem que não têm como dar comida aos filhos. Você acaba chorando com eles”, acrescenta.

E acima de tudo, sublinha o porta-voz, está o desamparo dos mais pequenos. “Quando um menino ou uma menina percebe que seus pais não podem mais protegê-los das bombas e da fome, algo muito profundo se quebra dentro deles. É isso que está a acontecer nas famílias de Gaza e pode ser lido nos olhos das crianças”, descreve Elder, de Rafah, no sul deste território palestino, onde jornalistas estrangeiros não estão autorizados a entrar.

A Unicef acredita que todas as famílias de Gaza saltam refeições diariamente e que os adultos estão a reduzir as suas rações para que as crianças possam comer. No norte da Faixa, a desnutrição aguda duplicou num mês e afeta agora uma em cada três crianças com menos de dois anos de idade. Em Rafah, onde entra a pouca ajuda humanitária que Gaza recebe, esta percentagem desce para 10%, segundo dados desta agência da ONU, que estima que pelo menos 23 meninos e meninas morreram em Gaza devido à desnutrição e desidratação nas últimas semanas. Dados do Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo movimento islâmico palestino Hamas, elevam este número trágico a mais de 30 crianças.

“No norte da Faixa, as cenas são de partir o coração. No hospital que pudemos visitar na quinta-feira, Kamal Adwan, há casos muito graves de crianças desnutridas que não sabemos realmente se ainda lá estarão amanhã. Mães e avós não saem do seu lado e não param de chorar. As incubadoras estão cheias de bebês e as mães dão à luz prematuramente devido ao stress da guerra. “É exasperante”, ele cita. De acordo com os últimos dados da ONU, apenas 12 dos 36 hospitais de Gaza estão funcionando parcialmente.

Centenas de caminhões
Na segunda-feira passada, foi lançada a última Classificação de Fase Integrada (ICF, em espanhol, IPC, em inglês), uma ferramenta independente e reconhecida mundialmente que mede a segurança alimentar e nutricional e da qual participam várias organizações da ONU, incluindo a Unicef alertou que 50% da população de Gaza 2,2 milhões de habitantes enfrentam uma extrema falta de acesso aos alimentos . A análise concluiu que a fome no norte do território é “iminente” e chegará entre agora e maio se nada mudar, embora haja dados que indiquem que já poderá estar a ocorrer.

“Falar sobre a fome, agora ou dentro de algumas semanas, pode fazer sentido do ponto de vista político, mas para as crianças de Gaza não faz diferença. Aqui as pessoas estão morrendo de fome, as crianças estão morrendo de fome, e isso se deve a decisões de quem está no poder”, denuncia Elder.

O inconfundível ruído de fundo dos drones israelenses não desaparece em nenhum momento da entrevista. “É assim dia e noite. É também uma tortura para as crianças, que sabem que estes drones podem matá-las a qualquer momento”, afirma.

O experiente porta-voz, que recentemente esteve no Sudão, devastado pelo conflito, e onde cerca de 40% da população, ou seja, 19 milhões de pessoas, já enfrenta uma fome aguda, recusa-se a comparar tragédias. Mas ele insiste que Gaza é um caso sem precedentes. “Em termos da percentagem da população que passa fome e do curto período de tempo em que isso aconteceu, é algo nunca visto desde que os estudos da CIF começaram, há 20 anos. Além disso, neste caso, centenas de caminhões cheios de alimentos, medicamentos e bens de primeira necessidade estão a 10 quilómetros de onde estou agora”, do outro lado da fronteira, no lado egípcio da passagem de Rafah, sublinha. “Centenas de caminhões. Eu os vi há alguns dias com meus próprios olhos. Isso dá outro aspecto a esta crise”, insiste. “Em Gaza, estão a ser batidos os mais tristes recordes de escuridão da humanidade: percentagem da população que sofre de fome, número de bombardeamentos, magnitude da devastação das infra-estruturas, número de pessoas que perderam um ente querido…”, acrescenta.

De acordo com a análise do CIF, todos em Gaza estão com fome neste momento. Esta semana, o Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, acusou Israel de ser responsável pela “fome” em Gaza e de a utilizar como “arma de guerra”. Israel lançou uma ofensiva militar contra a Faixa após o ataque dos milicianos do Hamas, que governa de fato Gaza, que em 7 de outubro mataram cerca de 1.200 pessoas e fizeram 250 reféns, após se infiltrarem no território isralense, segundo dados oficiais. A resposta militar contra Gaza causou mais de 31 mil mortes, a maioria delas mulheres e crianças, segundo dados do Ministério da Saúde palestino.

Rescaldo para a vida
Metade da população da Faixa é menor de idade. Estas crianças não têm acesso a suplementos nutricionais ou, em muitos casos, a cuidados médicos básicos. Ana Islas Ramos, especialista em nutrição da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), que também participa na classificação de insegurança alimentar publicada esta semana, explica que quando um adulto está em situação de fome, quando não tem nada para comer, podem sobreviver cerca de 70 dias, mas as crianças são mais vulneráveis porque ainda estão em crescimento e “atingem fases de desnutrição grave muito mais cedo”. “Depende das reservas anteriores, mas em duas ou três semanas já atingem uma desnutrição grave”, calcula, em entrevista a este jornal.

Antes de Outubro, dois terços da população de Gaza recebiam ajuda humanitária para alimentação, sob a forma de alimentos ou subsídios. A desnutrição infantil aguda neste território sujeito ao bloqueio israelense desde 2007 não atingiu 1%.

“Quando começa a faltar comida, começam a ser utilizadas as reservas de gordura, que podem durar mais ou menos um mês, depois são utilizadas as reservas de proteínas, e aí começamos a comer o nosso próprio corpo. Isso é desnutrição aguda grave. As crianças ficam letárgicas, o cérebro não se desenvolve porque não há energia suficiente e essas consequências podem durar para sempre”, detalha.

De acordo com os últimos dados da ONU, apenas 12 dos 36 hospitais de Gaza estão funcionando parcialmente. Desde o início da guerra, foram registados 300.000 casos de infecções respiratórias e 200.000 casos de diarreia aguda potencialmente fatal.

Desde o início da guerra, registaram-se 300 mil casos de infecções respiratórias e 200 mil casos de diarreia aguda, potencialmente fatais se atingirem um corpo debilitado pela fome, segundo dados do Ministério da Saúde de Gaza. “É um ciclo vicioso. As crianças comem desesperadamente tudo o que encontram, quer seja saudável ou não, quer tenham as mãos limpas ou não. Por estarem fracos, seu sistema imunológico está baixo e eles ficam doentes. Essas diarreias causam desidratação e desnutrição ainda mais graves”, explica Islas.

Se houver um cessar-fogo esta noite em Gaza, a recuperação física destas crianças poderá ser rápida, graças aos suplementos que lhes poderão ser administrados se a ajuda humanitária entrar sem limites e os serviços de saúde forem restaurados na Faixa. “Se as crianças não atingirem aquela fase de desnutrição aguda em que os seus órgãos se deterioram, em duas ou três semanas muito do que lhes acontece agora pode ser apagado”, diz Islas. “Os bebês ficam mais preocupados porque aos dois ou três meses de idade, semanas sem alimentação adequada é muito tempo para eles.”

Mulher palestina carrega criança na Faixa de Gaza após represálias de Israel aos ataques surpresa de Hamas — Foto: Mahmud Hams/AFP

Deixe um comentário

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

três × quatro =