Em Cuba, o Socialismo democrático segue brilhando. Por frei Gilvander Moreira*

Em Havana, capital de Cuba, na Fortaleza de San Carlos de La Cabaña, de 15 a 25 de fevereiro de 2024, aconteceu a 32ª Feira Internacional do Livro de Havana, a maior Feira de Livro do mundo, que é realizada há 32 anos, anualmente. A Fortaleza de San Carlos de La Cabaña foi construída no século XVIII como uma das fortalezas que defendiam a cidade de Havana contra ataques inimigos e saques piratas. La Cabaña foi declarada Patrimônio Mundial pela UNESCO[1], juntamente com a cidade velha de Havana, em 1982, ano em que foi realizada a primeira Feira Internacional do Livro de Havana. (mais…)

Ler Mais

Cartografias e direitos

Por HENRI ACSELRAD*, em A Terra é Redonda

Os usos da cartografia para uma apropriação da linguagem cartográfica por grupos não dominantes

A noção de território esteve, em sua origem, intimamente ligada aos modos de existência do Estado. Punha-se em pauta representações do espaço onde o Estado exerceria seu poder e sua soberania. Nas monarquias europeias, o conhecimento sobre o território servia ao Príncipe para dominar melhor o espaço. Este conhecimento era produzido de várias maneiras: por pesquisas para identificar o seu patrimônio; pela viagem do soberano, que afirmava sua presença nos lugares onde cobrava impostos; e também pelo mapa, que dava a ver o espaço do Reino. O conhecimento do território era, assim, inseparável do próprio exercício da soberania estatal. (mais…)

Ler Mais

É possível combinar questão ecológica, extrativismo petroleiro e agronegócio? Por Cândido Grzybowski

em Sentidos e Rumos

De um ponto de vista político, combinar tais questões no exercício do governo é, talvez, uma “geringonça”[i] ao estilo brasileiro. Boaventura Souza Santos definiu como geringonça um governo passado de alianças esdrúxulas no caso de Portugal, mas que bem ou mal foi uma saída política engenhosa para a democracia. É esta a armação política do Governo Lula para a governabilidade e nos tirar da ameaça autoritária e  fascistizante que emergiu no Brasil? (mais…)

Ler Mais

Bíblia: Revisões Judaicas da Tradução da LXX. Por frei Gilvander Moreira*

Os manuscritos originais da Bíblia judaica e cristã se perderam. Temos vários manuscritos posteriores. Muitas traduções da Bíblia foram feitas até chegar à Bíblia que lemos hoje, no Brasil, em mais de vinte traduções atuais. Muitas revisões foram feitas nas traduções, entre as quais as Revisões judaicas motivadas pelo desejo que os judeus helenistas tinham de ter o seu texto grego e que se aproximasse o mais possível do texto hebraico em uso pelos judeus de língua judaica. Por outro lado, tinham consciência de que seria muito difícil suprimir a tradução da Setenta (LXX), em sua grande difusão. Também porque era a tradução de estimação por ser a única, além da polêmica que havia entre judeus e cristãos, pois os cristãos começavam a reler textos do Primeiro Testamento na ótica da messianidade de Jesus, o que influenciou na revisão dos textos, sobretudo, messiânicos. (mais…)

Ler Mais

No mundo em frangalhos, a leitura. Por José Ribamar Bessa Freire

“Nunca leio os livros que critico, para não me deixar influenciar pelo seu autor”. (Oscar Wilde – 1854-1900).

Taquiprati

Como a leitura pode ajudar a curar a humanidade doente? Já cometi aqui alguns artigos sobre o ato de ler, um deles “Contra a leitura” escrito com muita fúria, em 2008, depois de ter ouvido um pesquisador alemão dizer que a oralidade era como uma casa de palha e barro, que dura pouco, enquanto a escrita era perene, como o castelo de pedra da cidade alemã de Bielefeld construído no ano 1240, no alto de uma colina, que havíamos visitado no dia anterior. (mais…)

Ler Mais

Cidadanias e territórios em situação de risco: o que fazer? Por Cândido Grzybowski

em Sentidos e Rumos

Tal composição do título resume o que é viver como cidadanias consideradas periféricas, condenadas a viver em territórios urbanos e rurais entregues à própria sorte pelo domínio dos interesses do grande capital excludente, territórios comunitários com carências múltiplas e sem a devida atenção de políticas públicas, sujeitas à mudança climática em curso, tempestades e enchentes devastadoras, grileiros, garimpeiros, milicianos e traficantes, além de agressivas e violentas ações policiais, produzindo mortes. É difícil contabilizar a perda de vidas e de condições de viver nestas circunstâncias esquecidas, fora do radar, onde predominam a fome, a miséria, a negação de direitos iguais na diversidade do que somos, e as ameaças de morte no dia a dia. Aí, a solidariedade e a autoajuda comunitária é o que pode aliviar a dor e, sobretudo, salvar vidas em momentos de catástrofes. (mais…)

Ler Mais

Nossa Bíblia é cópia da cópia da cópia… Por frei Gilvander Moreira*

Quando eu ainda criança comecei a ter contato com a Bíblia, pensava que a Bíblia era simplesmente Palavra sagrada, Palavra de Deus e que devíamos ler e buscar colocar em prática, mas ao estudar Teologia e principalmente no mestrado sobre hermenêutica bíblica é que fui descobrir que a Bíblia é literatura construída ao longo de 1.300 anos em um processo complexo que contou com uma multidão de pessoas que tinham fé no Deus de Abraão, de Isaac, de Jacó, Javé, Deus solidário e libertador, que fez opção pelos escravizados/as e se aliou à caminhada e luta por “terra, pão e paz”. A Bíblia não foi ditada por Deus aos escritores/as dela, mas foi escrita por homens e mulheres, em seus contextos históricos. Logo, para as pessoas cristãs – que acreditam no Deus Javé -, a Bíblia é Palavra de Deus, mas segundo pessoas humanas situadas historicamente com suas belezas e contradições. Ao estudarmos a Bíblia cristã descobrimos que a Bíblia é cópia da cópia da cópia … Por isso, quem lê a Bíblia de forma fundamentalista e se projeta nela tirando conclusões moralistas está completamente errado e se torna cego guiando cego e, muitas vezes, deixa de ser pastor/a e passa a ser “lobo travestido de cordeiro”, que não cuida do rebanho, mas o tosquia. É árido, mas veja abaixo um pouco da construção da Bíblia. (mais…)

Ler Mais