Desmatamento em Terras Indígenas da Amazônia foi o menor em seis anos

A destruição florestal caiu 42% em TI amazônicas entre agosto de 2023 e março de 2024, atingindo a menor taxa para o período desde 2018. 

ClimaInfo

Um levantamento divulgado nesta 4ª feira (17/4) pelo IMAZON reforçou a importância das Terras Indígenas para a conservação da floresta amazônica. De acordo com dados do sistema SAD, o desmatamento em territórios indígenas demarcados teve uma redução de 42% entre os meses de agosto de 2023 e março de 2024 e atingiu o menor índice em seis anos. (mais…)

Ler Mais

Governo Federal reinstala CNPI e fortalece o diálogo com os povos indígenas

Na Funai

Em cerimônia histórica, o Ministério dos Povos Indígenas (MPI) reinstalou e empossou os membros do Conselho Nacional de Política Indigenista (CNPI). No evento, a presidenta da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), Joenia Wapichana, destacou a importância da reconstrução da política indigenista de forma compartilhada com os demais órgãos do Governo Federal, a partir das propostas deliberadas no CNPI. A presidenta Joenia tomou posse como membro titular representando a Funai; Lucia Alberta, como 1ª suplente; e Mislene Metchacuna, na 2ª suplência. Ambas são diretoras de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável e de Administração e Gestão da Funai, respectivamente. A cerimônia ocorreu nesta quarta-feira (17) na sede do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), em Brasília. (mais…)

Ler Mais

Como vivem os últimos indígenas de São Paulo

Maior metrópole do país abriga cinco terras indígenas cercadas por matas e rodovias movimentadas. Povo guarani mbya enfrenta na pobreza o desafio de conciliar tradição e modernidade.

Por Gustavo Basso, Deutsche Welle

Cabeça baixa mergulhada em um brinco quase terminado, a professora Priscila Poty reclama da percepção que os não indígenas têm do povo Guarani Mbya que vive com ela no extremo sul de São Paulo. (mais…)

Ler Mais

Indígenas Zoró denunciam aumento de ameaças com chegada de garimpeiros

Licença autorizou entrada de não indígenas em janeiro deste ano

Por Letycia Bond – Repórter da Agência Brasil

Lideranças indígenas zoró denunciam o aumento de ameaças e violências em seu território, localizado próximo ao município de Rondolândia (MT). As agressões teriam se intensificado desde que a Agência Nacional de Mineração (ANM) autorizou a entrada de garimpeiros no local, em janeiro deste ano. Os indígenas já sofriam com a exploração de madeira ilegal e, agora, veem o aumento do número de não indígenas à procura de ouro e diamante como um novo desafio a ser enfrentado. (mais…)

Ler Mais

Como Itaituba, no Pará, virou a capital brasileira de lavagem de ouro ilegal

Epicentro do garimpo ilegal no região do rio Tapajós, o município paraense já responde por 16% das áreas de extração de ouro no Brasil. 

ClimaInfo

O ouro está nas ruas de Itaituba. Ou melhor, nas placas de diversos estabelecimentos comerciais. A quantidade surpreende quem é de fora e visita o município paraense pela primeira vez. Mas para a população local, o comércio de ouro é tão banal quanto carrinhos de cachorro-quente nas grandes metrópoles brasileiras. O metal é soberano na cidade, mesmo aquele de origem suspeita. (mais…)

Ler Mais

Comerciante acusado de matar líder indígena Ari Uru-Eu-Wau-Wau é condenado a 18 anos de prisão

“Guardião da Floresta” foi morto em 17 de abril de 2020 em Rondônia e seu corpo tinha sinais de lesão contundente na região do pescoço.

ClimaInfo

Quatro anos após o crime, o Tribunal do Júri de Rondônia condenou o comerciante João Carlos da Silva, conhecido como Guiga, pelo assassinato do professor e líder indígena Ari Uru-Eu-Wau-Wau. Ele foi condenado a 18 anos de prisão por homicídio duplamente qualificado, em regime fechado. O julgamento ocorreu na 2ª feira (15/4) em Jaru (RO). O réu ainda pode recorrer. (mais…)

Ler Mais

MP recorre de decisão que negou prisão a pecuarista que fez desmate químico no Pantanal

Com 11 fazendas no Mato Grosso, pecuarista Claudecy Oliveira Lemes aplicou herbicidas por três anos e gastou R$ 25 milhões só na compra dos agrotóxicos.

ClimaInfo

O Ministério Público de Mato Grosso recorreu da decisão, proferida em 18 de março, que negou o pedido de prisão do pecuarista Claudecy Oliveira Lemes. Ele é investigado por gastar mais de R$ 25 milhões num desmatamento químico em áreas que somam 81 mil hectares – equivalente à cidade de Campinas (SP) – no Pantanal mato-grossense. De acordo com o MP, foi o maior dano ambiental já registrado no estado, destaca o g1. (mais…)

Ler Mais