‘Meu filho foi confundido com um mendigo’, diz pai ao relatar racismo em shopping

Pais exigiram do shopping Pátio Higienópolis uma retratação por escrito

SÃO PAULO — O jornalista Enio Squeff tomava chá com o filho no shopping Pátio Higienópolis quando foi abordado por uma segurança, na última sexta-feira. Supreso, só entendeu do que se tratava quando foi questionado pela funcionária se o garoto “estava incomodando”; o filho de sete anos, que vestia o uniforme de tradicional escola particular da região, foi confundido com um pedinte.

— Estamos falando de uma criança de sete anos, confundida com um mendigo, vestindo agasalho de um dos colégios mais importantes de São Paulo. Ela não viu a roupa, só a pele — contou o jornalista ao GLOBO.

O pai apontou para o filho e perguntou à funcionária se a criança se parecia com uma pedinte. A segurança se desculpou diversas vezes, mencionando o fato dela própria ser negra, e afirmou estar cumprindo ordens dadas pela direção do shopping. Para Squeff, a medida acusa um racismo em cadeia, passado de cima para baixo.

— Quando ela diz que é negra, sei que ela não fez (a abordagem) por espontânea vontade, mas sim por seguir ordens.

Squeff relatou que a criança estranhou o incidente:

— Ele me perguntou: ‘Papai, por que você ficou bravo com a moça?” E eu disse: ‘Não fiquei bravo com ela, mas ela disse coisas que não gostei’. Ele perguntou se eu contaria o caso para a mãe dele e eu disse que sim. Mas não tocou mais no assunto, embora tenha se afastado um pouco no momento da abordagem. Eu estava transtornado naquele momento. Ele estava arrumadinho, com abrigo do colégio Sion, não estava mal vestido. É uma questão de preconceito, porque ele é negro.

A princípio, pensou em ignorar o ocorrido, mas a insistência de sua mulher fez com que levassem o caso adiante, exigindo um pedido de desculpas por escrito. Uma funcionária chegou a entrar em contato, por telefone, e afirmou que a abordagem não é uma prática corriqueira do shopping e que os seguranças não são instruídos a atuarem desta forma. No entanto, após o primeiro contato, o casal não foi procurado novamente.

— Parece que não é a primeira vez que agem assim. Uma amiga da minha mulher recebeu um casal de amigos negros estrangeiros que contaram terem sido seguidos o tempo todo por seguranças desse mesmo shopping quando estiveram lá a passeio.

Enio relatou ter buscado o garoto no colégio e levado para jantar no Pátio Higienópolis, onde o filho tinha combinado de encontrar alguns colegas da escola. Após a refeição, a criança pediu ao pai que o levasse até uma casa de chá dentro do próprio shopping.

— Ele adora chá. Lá (no estabelecimento) todos os garçons já o conhecem. Nesse dia até sugeriram um chá novo para ele — conta.

A maior preocupação diante da repercussão história, relatada pelo pai em rede social, é com a reação que o garoto possa ter no futuro. Squeff afirmou que o filho já teria acesso a uma terapeuta, que deve trabalhar a história “em seu devido tempo”.

— Minha expectativa é ver se ele vai querer voltar lá (no shopping). Minha única preocupação é com ele.

Procurada, a assessoria do Pátio Higienópolis ainda não se manifestou sobre o caso.

Foto: Reprodução Facebook / Globo

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.