Chico machista?, por Maria Rita Kehl

Da página de Maria Rita Kehl

Ouvi falar que algumas meninas da nova geração feminista (bravas lutadoras contra o abuso, contra o estupro, do lema “respeita as mina” e tantos outros) andam criticando Chico Buarque pelo verso “largo mulher e filhos e vou correndo pra te buscar” (ou te encontrar, não me lembro).

Gostaria de fazer uma defesa, não do Chico individualmente, mas da autonomia de qualquer obra de arte. E sobretudo, do livre direito ao uso da ironia. (mais…)

Ler Mais

São Paulo (com a ajuda do governo federal) encurrala os índios Guarani que ainda resistem na cidade

Maior cidade do Brasil tem uma população indígena que luta para que suas terras sejam demarcadas. Nesta semana, sofreram um revés com a anulação do Ministério da Justiça do processo

Por Felipe Betim, no El País

Concentrados em uma espaçosa casa de madeira com paredes de pau a pique, dezenas de índios guarani rezam e cantam — por vezes dançando com uma perna parada e a outra se movendo levemente para frente e para trás — em volta de um altar. A fraca luz, a fumaça que sai de enormes cachimbos (petyngua, em guarani mbya) e que faz os olhos arderem, além do forte cheiro do fumo (penty), conferem uma aura mística ao local (opy), considerado sagrado e ponto de encontro da aldeia. (mais…)

Ler Mais

Nota de Apoio ao Povo Pitaguary, ao indígena Maurício Alves Feitosa e às suas lideranças tradicionais

Nós, organizações indígenas e ambientalistas, defensores dos direitos humanos e indigenistas do Brasil, manifestamos nossa solidariedade ao Povo Indígena Pitaguary, ao indígena Maurício Alves Feitosa e às Lideranças Tradicionais do Povo Pitaguary.

A Terra Indígena Pitaguary é constituída por quatro aldeias. Três delas estão localizadas no município de Maracanaú (Santo Antônio, Horto, Olho D’Água) e uma no município de Pacatuba (Monguba), no estado do Ceará. A área oficial da terra indígena é de 1.735 ha. A população é formada por 3.765 indígenas (IBGE, 2010).  (mais…)

Ler Mais