As tenebrosas raízes ‘americanas’ da eugenia nazista

Eugenia é um termo criado em 1883 pelo cientista inglês Francis Galton (1822-1911), que era primo de Charles Darwin, significando “bem nascido”. Galton definiu eugenia como “o estudo dos agentes sob o controle social que podem melhorar ou empobrecer as qualidades raciais das futuras gerações seja física ou mentalmente”. No início do século XX uma espécie de “meritocracia” – baseada na eugenia – foi difundida na sociedade americana, e colocada em prática pelos governos de vários estados americanos, naturalmente com o apoio de instituições, políticos, empresários e até mesmo médicos: a melhoria da espécie humana. Os conceitos do que era uma raça superior seriam um tanto flexíveis, o que permitiria se perseguir um amplo espectro de indivíduos na sociedade, desde negros e pobres até mulheres indisciplinadas. Pouca gente se lembra que isso se estendeu por muitos anos nos Estados Unidos e que a experiência extrema desse movimento foi um dos alicerces do nazismo alemão e da morte de milhões de pessoas em campos de concentração. A meritrocracia levada ao extrema pode ser mortal. A seguir conheça um pouco melhor esse importante e pouco divulgado momento da história do século XX.

Edwin Black é o autor de ” IBM e o Holocausto ” e ” Guerra Contra os Fracos: Eugenia e Campanha dos Estados Unidos para Criar uma Raça Superior“, do qual o artigo a seguir é extraído

Hitler e seus seguidores vitimizaram um continente inteiro e exterminaram milhões em sua busca por uma chamada “Raça Superior”.

Mas o conceito de uma raça superior, nórdica, com cabelos loiros e olhos azuis não se originou em Hitler. A ideia foi criada nos Estados Unidos e cultivada na Califórnia, décadas antes de Hitler chegar ao poder. Os eugenistas da Califórnia desempenharam um papel importante, embora pouco conhecido, na campanha do movimento norte-americano de eugenia pela limpeza étnica.

A eugenia é a pseudociência racista determinada a eliminar todos os seres humanos considerados “inaptos”, preservando apenas aqueles que se se encaixavam a um estereótipo nórdico. Elementos da filosofia foram consagrados como política nacional por leis de esterilização forçada e segregação, bem como por restrições matrimoniais, promulgadas em vinte e sete estados. Em 1909, a Califórnia tornou-se o terceiro estado a adotar essas leis. Em última análise, os praticantes da eugenia coercitivamente esterilizaram cerca de 60.000 americanos, barraram o casamento de milhares de pessoas, segregaram milhares  de indivíduos pelo uso da força em “colônias” e perseguiram um número incontável de pessoas de tantas formas, algumas que ainda estamos compreendendo. Antes da Segunda Guerra Mundial, quase metade das esterilizações coercivas foram feitas na Califórnia e, mesmo depois da guerra, o estado foi responsável por um terço de todas essas cirurgias.

A Califórnia foi considerada um epicentro do movimento americano de eugenia. Durante as primeiras décadas do século XX, eugenistas da Califórnia incluíam cientistas racistas de peso, mas pouco conhecidos, como o especialista em doenças venéreas do exército Dr. Paul Popenoe, magnata dos cítricos e o benfeitor politécnico Paul Gosney, o banqueiro de Sacramento, Charles M. Goethe e membros do Conselho Estadual de Caridade e Correções da Califórnia e do Conselho de Regentes da Universidade da Califórnia.

A eugenia teria sido nada mais do que um papo furado bizarro, não fosse o financiamento extensivo das filantropias corporativas, especificamente a Instituição Carnegie, a Fundação Rockefeller e as Ferrovias Harriman (Harriman railroad fortune) . Eles eram todos aliados de alguns dos cientistas mais respeitados da América vindos de universidades de prestígio como Stanford, Yale, Harvard e Princeton. Esses acadêmicos adotaram a teoria racial e a ciência racial e, em seguida, falsificaram e distorceram dados para servir aos objetivos racistas da eugenia (i.é.: fake news).

O presidente de Stanford, David Starr Jordan, originou a noção de “raça e sangue” em sua epístola racial de 1902, “The Blood of the Nation (Sangue de uma Nação)“, na qual o estudioso da universidade declarou que as qualidades e condições humanas, como talento e pobreza, eram transmitidas pelo sangue.

Em 1904, a Instituição Carnegie estabeleceu um complexo de laboratórios em Cold Spring Harbor, em Long Island, que armazenou milhões de cartões de índice em americanos comuns, enquanto os pesquisadores planejavam cuidadosamente a remoção de famílias, linhagens e povos inteiros. De Cold Spring Harbor, os defensores da eugenia agitavam-se nas legislaturas da América, bem como nas agências e associações de serviço social da nação.

A Ferrovia de Harriman pagou instituições de caridade locais, como o Departamento de Indústrias e Imigração de Nova York, para procurar judeus, italianos e outros imigrantes em Nova York e outras cidades lotadas e submetê-los à deportação, confinamento forçado ou esterilização forçada.

A Fundação Rockefeller ajudou a fundar o programa alemão de eugenia e até financiou o programa em que Josef Mengele trabalhava antes de ir para Auschwitz.

Grande parte da orientação espiritual e da agitação política do movimento eugênico americano veio das sociedades eugênicas quase autônomas da Califórnia, como a Fundação para o Melhoramento Humano, com sede em Pasadena, e a filial californiana da Sociedade Americana de Eugenia, que coordenava grande parte de sua atividade com a Sociedade de Pesquisa Eugênica em Long Island. Essas organizações – que funcionavam como parte de uma rede muito unida – publicaram boletins eugênicos racistas e revistas pseudocientíficas, como Eugenical News e Eugenics, e fizeram propaganda para os nazistas.

A eugenia nasceu como uma curiosidade científica na era vitoriana. Em 1863, Sir Francis Galton, primo de Charles Darwin, teorizou que, se pessoas talentosas só se casassem com outras pessoas talentosas, o resultado mensurável seria uma criança superior. Na virada do século passado, as idéias de Galton foram importadas para os Estados Unidos assim como os princípios de hereditariedade de Gregor Mendel foram redescobertos. Os defensores da eugenia americana acreditavam com fervor religioso que os mesmos conceitos mendelianos que determinavam a cor e o tamanho das ervilhas, do milho e do gado também governavam o caráter social e intelectual do homem.

Em uma América demograficamente se recuperando da agitação da imigração e dilacerada pelo caos pós-reconstrução, o conflito racial estava em toda parte no início do século XX. Elitistas, utopistas e os chamados “progressistas” fundiram seus medos raciais e seus preconceitos de classe com seu desejo de fazer um mundo melhor. Eles reinventaram a eugenia de Galton em uma ideologia repressiva e racista. A intenção: povoar a terra com mais e mais de seu próprio tipo socioeconômico e biológico – e menos ou ninguém de todos os demais.

A espécie superior que o movimento eugênico buscava era povoada não apenas por pessoas altas, fortes e talentosas. Os eugenistas ansiavam por tipos nórdicos loiros, de olhos azuis. Só esse grupo, acreditavam eles, estava apto a herdar a terra. No processo, o movimento pretendia subtrair negros emancipados, trabalhadores asiáticos emigrados, indianos, hispânicos, europeus do leste, judeus, moradores de pele escura dos morros, pessoas pobres, enfermos e, na verdade, qualquer um classificado fora das características genéticas “gentrificadas” elaboradas pelos racistas americanos. .

Como? Identificando as chamadas árvores genealógicas “defeituosas” e submetendo-as a programas de segregação e esterilização para matar suas linhagens. O grande plano era literalmente limpar a capacidade reprodutiva daqueles considerados fracos e inferiores – os chamados “inaptos”. Os eugenistas esperavam neutralizar a viabilidade de 10 por cento da população em uma varredura, até que n””ao restasse ninguém exceto eles mesmos.

Dezoito soluções foram exploradas em um “Relatório Preliminar do Comitê da Seção Eugênica da Associação de Criadores Americanos de 1911, com o apoio da Carnegie, para Estudo e Relatório sobre os Meios Melhores e Práticos para Eliminar o Plasma Germinal da Deficiência na População Humana”. O ponto oito foi a eutanásia.

O método mais comumente sugerido de eugenicídio na América era uma “câmara letal” ou câmaras de gás operadas localmente. Em 1918, Popenoe, o especialista em doenças venéreas do Exército durante a Primeira Guerra Mundial, co-escreveu o livro amplamente utilizado Applied Eugenics , que argumenta: “Do ponto de vista histórico, o primeiro método que se apresenta é a execução … Seu valor em manutenção o padrão da raça não deve ser subestimado”. A eugenia aplicada também dedicou um capítulo à “Seleção Letal”, que funcionava “através da destruição do indivíduo por alguma característica adversa do ambiente, como frio excessivo, ou bactérias, ou por deficiência física”.

Os criadores eugênicos acreditavam que a sociedade americana não estava pronta para implementar uma solução letal organizada. Mas muitas instituições mentais e médicos praticaram a letalidade médica improvisada e a eutanásia passiva por conta própria. Uma instituição em Lincoln, Illinois, alimentou seus pacientes com leite de vacas tuberculosas, acreditando que um indivíduo eugenicamente forte estaria imune. Trinta a quarenta por cento das taxas anuais de mortalidade foi o que resultou em Lincoln. Alguns médicos praticavam o eugenicídio passivo em um recém-nascido de cada vez. Outros médicos em instituições mentais se envolveram em negligência letal.

No entanto, com o eugenicídio marginalizado, a principal solução para os eugenistas foi a rápida expansão da segregação forçada e da esterilização, bem como mais restrições ao casamento. A Califórnia liderou a nação, realizando quase todos os procedimentos de esterilização com pouco ou nenhum processo legal. Em seus primeiros vinte e cinco anos de legislação eugênica, a Califórnia esterilizou 9.782 indivíduos, a maioria mulheres. Muitos foram classificados como “garotas más”, diagnosticadas como “apaixonadas”, “sexualmente excessivas” ou “sexualmente rebeldes”. Em Sonoma, algumas mulheres foram esterilizadas por causa do que era considerado um clitóris ou lábios anormalmente grandes.

Só em 1933, pelo menos, 1.278 esterilizações coercivas foram realizadas, 700 das quais foram em mulheres. As duas principais usinas de esterilização do estado em 1933 eram a Sonoma State Home, com 388 operações, e o Patton State Hospital, com 363 operações. Outros centros de esterilização incluíram os hospitais estaduais em Agnews, Mendocino, Napa, Norwalk, Stockton e Pacific Colony.

Até mesmo a Suprema Corte dos Estados Unidos endossou aspectos da eugenia. Em sua infame decisão de 1927, Oliver Wendell Holmes, juiz da Suprema Corte, escreveu: “É melhor para todo o mundo, se em vez de esperar para executar filhos degenerados por crime, ou deixá-los morrer por sua imbecilidade, que a sociedade possa evitar aqueles que são manifestamente  incapazes de continuar sua espécie … Três gerações de imbecis são suficientes.” Essa decisão abriu as comportas para que milhares fossem coercivamente esterilizados ou, de outra forma, perseguidos como subumanos. Anos depois, os nazistas nos julgamentos de Nuremberg citavam as palavras de Holmes em defesa própria.

Somente depois que a eugenia se consolidou nos Estados Unidos, a campanha foi transplantada para a Alemanha, em grande medida graças aos esforços dos eugenistas da Califórnia, que publicaram folhetos idealizando a esterilização e os divulgaram para autoridades e cientistas alemães.

Hitler estudou as leis americanas de eugenia. Ele tentou legitimar seu antissemitismo medicalizando-o e envolvendo-o na fachada pseudocientífica mais palatável da eugenia. Hitler conseguiu recrutar mais seguidores entre os alemães razoáveis, alegando que a ciência estava do seu lado. Enquanto o ódio racial de Hitler surgiu de sua própria mente, os contornos intelectuais da eugenia adotada por Hitler em 1924 foram feitos na América.

Durante os anos 20, os cientistas eugênicos da Carnegie Institution cultivaram profundas relações pessoais e profissionais com os eugenistas fascistas da Alemanha. Em Mein Kampf , publicado em 1924, Hitler citou a ideologia eugênica americana e mostrou abertamente um profundo conhecimento da eugenia americana. “Existe hoje um estado”, escreveu Hitler, “no qual, pelo menos, fracos começos em direção a uma melhor concepção [da imigração] são perceptíveis. É claro que não é nosso modelo da República Alemã, mas dos Estados Unidos.”

Hitler disse orgulhosamente aos seus camaradas o quanto ele acompanhava de perto o progresso do movimento eugênico americano. “Estudei com grande interesse”, disse ele a um colega nazista, “as leis de vários estados americanos sobre a prevenção da reprodução por pessoas cuja descendência, com toda probabilidade, não teria valor ou seria prejudicial ao estoque racial”.

Hitler até escreveu uma carta como fã para o líder eugenista americano Madison Grant chamando seu livro de eugenia baseado em raça, The Passing of the Great Race  (A Passagem da Grande Raça),   de sua “bíblia”.

A luta de Hitler por uma raça superior seria uma louca cruzada para uma Raça Superior. Nesse momento, o termo americano “nórdico” foi livremente trocado por “germânico” ou “ariano”. A ciência racial, a pureza racial e o domínio racial tornaram-se a força motriz por trás do nazismo de Hitler. A eugenia nazista acabaria ditando quem seria perseguido em uma Europa dominada pelo Reich, como as pessoas viveriam e como elas morreriam. Os médicos nazistas se tornariam os generais invisíveis da guerra de Hitler contra os judeus e outros europeus considerados inferiores. Os médicos criariam a ciência, elaborariam as fórmulas eugênicas e até mesmo selecionariam as vítimas para esterilização, eutanásia e extermínio em massa.

Durante os primeiros anos do Reich, os eugenistas em toda a América receberam bem os planos de Hitler como o cumprimento lógico de suas próprias décadas de pesquisa e esforço. Eugenistas da Califórnia republicaram a propaganda nazista para consumo americano. Eles também organizaram exposições científicas nazistas, como uma exposição de agosto de 1934 no LA County Museum, para a reunião anual da American Public Health Association.

Em 1934, quando as esterilizações da Alemanha estavam acelerando além de 5.000 por mês, o líder de eugenia da Califórnia, C M Goethe, ao retornar da Alemanha se vangloriava para um colega importante: “Você ficará interessado em saber que seu trabalho desempenhou um papel importante na formação das opiniões do grupo de intelectuais que estão por trás de Hitler neste programa de fazer história. Em todo lugar eu senti que suas opiniões foram tremendamente estimuladas pelo pensamento americano … Eu quero que você, minha querida amiga, leve esse pensamento consigo para o resto de sua vida. vida, que você realmente colocou em ação um grande governo para 60 milhões de pessoas “.

Naquele mesmo ano, dez anos após a Virgínia aprovar seu ato de esterilização, Joseph DeJarnette, superintendente do Hospital Estadual do Oeste da Virgínia, observou no Richmond Times-Dispatch : “Os alemães estão nos derrotando em nosso próprio jogo”.

Mais do que apenas fornecer o roteiro científico, a América financiou as instituições eugênicas da Alemanha. Em 1926, Rockefeller havia doado cerca de US $ 410.000 – quase US $ 4 milhões em dinheiro do século 21 – para centenas de pesquisadores alemães. Em maio de 1926, Rockefeller concedeu US $ 250.000 para o Instituto Psiquiátrico Alemão do Instituto Kaiser Wilhelm, que mais tarde veio se tornar o Instituto Kaiser Wilhelm de Psiquiatria. Entre os principais psiquiatras do Instituto Psiquiátrico Alemão estava Ernst Rüdin, que se tornou diretor e, por fim, um dos arquitetos da repressão médica sistemática de Hitler.

Outro no complexo eugênico de instituições do Instituto Kaiser Wilhelm era o Institute for Brain Research. Desde 1915, funcionava em um único cômodo. Tudo mudou quando o dinheiro de Rockefeller chegou em 1929. Um subsídio de US $ 317.000 permitiu que o Instituto construísse um grande edifício e ocupasse o centro da biologia da raça alemã. O Instituto recebeu subvenções adicionais da Fundação Rockefeller durante os próximos anos. Liderando o Instituto, mais uma vez, estava o capanga médico de Hitler, Ernst Rüdin. A organização de Rüdin tornou-se a principal beneficiária da experimentação e pesquisa assassina conduzida contra judeus, ciganos e outros.

Começando em 1940, milhares de alemães tirados de lares de idosos, instituições mentais e outras instalações de custódia foram sistematicamente para câmara de gás. Algo entre 50.000 e 100.000 foram finalmente mortos.

Leon Whitney, secretário executivo da American Eugenics Society declarou ao nazismo: “Enquanto estávamos tendo excessiva cautela… os alemães levaram tudo a ponta de faca”.

Um beneficiário especial do financiamento Rockefeller foi o Kaiser Wilhelm Institute for Anthropology, Human Heredity and Eugenics, em Berlim. Durante décadas, os eugenistas americanos ansiaram por gêmeos para avançar em suas pesquisas sobre a hereditariedade. O Instituto estava agora preparado para realizar essa pesquisa em um nível sem precedentes. Em 13 de maio de 1932, a Fundação Rockefeller em Nova York despachou um comunicado por rádio para seu escritório em Paris: COMITÊ EXECUTIVO – REUNIÃO DE JUNHO – MIL DÓLARES POR TRÊS ANOS AO INSTITUTO DE ANTROPOLOGIA KWG PARA PESQUISAS EM GÊMEOS E EFEITOS SOBRE FUTURAS GERAÇÕES DE SUBSTÂNCIAS TÓXICAS – CONTRA O PLASMA GERMINAL.

Na época do investimento de Rockefeller, Otmar Freiherr von Verschuer, um herói nos círculos norte-americanos de eugenia, funcionava como chefe do Instituto de Antropologia, Herança Humana e Eugenia. O financiamento do Rockefeller daquele Instituto continuou tanto diretamente quanto através de outros canais de pesquisa durante o início do mandato de Verschuer. Em 1935, Verschuer deixou o Instituto para formar uma instalação rival de eugenia em Frankfurt, o que foi muito anunciado pela imprensa eugênica americana. Pesquisas sobre gêmeos no Terceiro Reich explodiram, apoiadas por decretos governamentais. Verschuer escreveu em Der Erbarzt , um periódico médico eugênico que editou, que a guerra da Alemanha produziria uma “solução total para o problema judaico”.

Verschuer tinha um assistente de longa data. Seu nome era Josef Mengele. Em 30 de maio de 1943, Mengele chegou a Auschwitz. Verschuer notificou a Sociedade Alemã de Pesquisa, “Meu assistente, Dr. Josef Mengele (MD, Ph.D.) se juntou a mim neste ramo de pesquisa. Ele está atualmente empregado como Hauptsturmführer [capitão] e médico de campo no campo de concentração de Auschwitz. Os testes dos mais diversos grupos raciais neste campo de concentração estão sendo realizados com a permissão do SS Reichsführer [Himmler]. “

Mengele começou a procurar as chegadas dos gêmeos. Quando os encontrou, realizou experimentos bestiais, escreveu escrupulosamente os relatórios e enviou a papelada de volta para o instituto de avaliação de Verschuer. Freqüentemente, cadáveres, olhos e outras partes do corpo eram despachados para os institutos eugênicos de Berlim.

Os executivos de Rockefeller nunca conheceram Mengele. Com poucas exceções, a fundação havia cessado todos os estudos eugênicos na Europa ocupada pelos nazistas antes do início da guerra, em 1939. Mas naquela época os dados já haviam sido lançados. Os homens talentosos que Rockefeller e Carnegie financiaram, as instituições que ajudaram a fundar e a ciência que ela ajudou a criar adquiriram um impulso científico próprio.

Depois da guerra, a eugenia foi declarada um crime contra a humanidade – um ato de genocídio. Os alemães foram julgados e citaram os estatutos da Califórnia em sua defesa. Sem nenhum proveito. Eles foram considerados culpados.

No entanto, o chefe de Mengele, Verschuer, escapou da acusação. Verschuer restabeleceu suas conexões com os eugenistas californianos que se tornaram clandestinos e renomearam sua cruzada “genética humana”. Emblemático foi um intercâmbio em 25 de julho de 1946, quando Popenoe escreveu a Verschuer: “Foi realmente um prazer ouvi-lo novamente. Estou muito preocupado com meus colegas na Alemanha … Suponho que a esterilização tenha sido interrompida na Alemanha?” Popenoe citou boatos sobre vários luminares eugênicos americanos e depois enviou várias publicações eugênicas. Em um pacote separado, Popenoe enviou um pouco de cacau, café e outras guloseimas.

Verschuer escreveu de volta: “Sua carta muito amistosa de 7/25 me deu muito prazer e você recebe meu sincero agradecimento por isso. A carta constrói outra ponte entre o seu e o meu trabalho científico; espero que essa ponte nunca mais colapse mas, antes, tornar possível um valioso enriquecimento mútuo e estímulo “.

Logo, Verschuer tornou-se novamente um cientista respeitado na Alemanha e em todo o mundo. Em 1949, tornou-se membro correspondente da recém-formada Sociedade Americana de Genética Humana, organizada por eugenistas e geneticistas americanos.

No outono de 1950, a Universidade de Münster ofereceu à Verschuer uma posição em seu novo Instituto de Genética Humana, onde mais tarde ele se tornou um reitor. No início e meados da década de 1950, Verschuer tornou-se membro honorário de numerosas sociedades de prestígio, incluindo a Sociedade Italiana de Genética, a Sociedade Antropológica de Viena e a Sociedade Japonesa para Genética Humana.

Raízes genocidas da genética humana na eugenia foram ignoradas por uma geração vitoriosa que se recusou a se ligar aos crimes do nazismo e por sucessivas gerações que nunca conheceram a verdade dos anos que levaram à guerra. Agora, governadores de cinco estados, incluindo a Califórnia, pediram desculpas públicas aos seus cidadãos, passados ​​e presentes, pela esterilização e outros abusos gerados pelo movimento eugênico.

A genética humana tornou-se um empreendimento esclarecido no final do século XX. Trabalhadores dedicados e cuidadosos finalmente decifraram o código humano através do Projeto Genoma Humano. Agora, todo indivíduo pode ser biologicamente identificado e classificado por característica e ancestralidade. Mesmo agora, algumas das principais vozes do mundo genético clamam pela limpeza dos indesejados entre nós e até mesmo de uma espécie humana superior.

Existe uma cautela compreensível sobre ‘formas mais comuns de abuso, por exemplo, em negar seguro ou emprego baseado em testes genéticos. Em 14 de outubro, a primeira legislação genética antidiscriminação dos EUA foi aprovada no Senado por votação unânime. No entanto, como a pesquisa genética é global, nenhuma lei nacional pode impedir novas ameaças.

(Artigo original nesse LINK)

Comments (1)

  1. Esse pensamento sobre a eugenia ou superioridades racial é uma das coisas mais retrógradas geradas pelo pensamento humano. Desenvolveu-se mais fortemente a partir do século a partir do século XVIII, fundado na criminosa prática de exploração do escravismo na África, falsamente teorizado no século XVIII, sobretudo na Alemanha e nos EUA. A ma´teria acima está excelente, o livro Edwin Black, A GUERRA CONTRA OS FRACOS é de fundamental importância para a compreensão desse tema. Por acaso, ontem assisti mais uma vez o belíssimo – e triste – filme MISSISSÍPI EM CHAMAS. O Brasil também teve alguns teóricos dessa falsa teoria eugênica, inclusive presente ao I Congresso Internacional realizado no Europa, na primeira metade do século XX. Convém estudar o tema.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

11 + 19 =