“Meu livro é sobre a ditadura. Jamais pensei que seria censurado”, diz autor de ‘Meninos Sem Pátria’

Colégio particular do Rio vetou obra após pais reclamarem de doutrinação comunista. “Papel do professor é mostrar caminhos aos alunos, sem fazer julgamentos. Não cabe aos pais determinar o que deve ser lido. Fatos e história são incontestáveis”, diz Luiz Puntel

Por Breiller Pires, no El País

Luiz Puntel (Guaxupé, 1949) escreveu seis livros para a Série Vagalume, célebre coleção da literatura brasileira voltada para o público infantojuvenil. Um deles é Meninos Sem Pátria, inspirado na história do jornalista José Maria Rabelo, que, perseguido pela ditadura militar, foi obrigado a se exilar do país com esposa e sete filhos por 16 anos. A obra está em sua 23ª edição e é uma das mais populares da série, com quase 1 milhão de exemplares vendidos – a maioria deles para uso didático em escolas. Nesta semana, um grupo de pais se revoltou com a indicação do livro para alunos do sexto ano do colégio carioca Santo Agostinho, no Leblon, por suposta “doutrinação comunista”. Depois da queixa, a direção decidiu suspender a leitura. Nesta sexta-feira, outro grupo de pais e estudantes protestou em frente ao colégio e fez um abaixo-assinado contra a censura.

Mais de três décadas após o lançamento, Puntel rechaça a hipótese conspiratória atribuída a sua obra, explicando que a trama não faz juízo de valor sobre posicionamentos ideológicos ao constatar que o Brasil experimentou a ditadura militar. “É um fato histórico”, afirma o autor, que hoje dá aulas de português, redação e oratória em Ribeirão Preto, interior de São Paulo.

Pergunta. Como recebe a notícia de que seu livro acabou vetado em um colégio do Rio de Janeiro?

Resposta. Eu fiquei surpreso. Meu livro é sobre a ditadura, um fato histórico. Jamais imaginei que, em 2018, seria censurado. Meninos Sem Pátria rendeu mais de 20 edições, sempre com boa aceitação do público e, principalmente, das escolas, que o recomendam para leitura didática. Não faz sentido acusá-lo de doutrinação ou proselitismo ideológico.

P. A que atribui essa acusação dos pais?

R. O livro é uma obra de ficção baseada na história do José Maria Rabelo, fundador do jornal O Binômio. Ele passou por Chile e Bolívia antes de se exilar na França. No livro, não falo apenas sobre a perseguição da ditadura militar. Conto também o lado romântico, mostrando um pouco como era a dinâmica cultural de Paris dos anos 60. Uma das minhas referências para escrevê-lo foi o livro Memórias das Mulheres do Exílio, que foi lançado no começo da década de 80 e descrevia a vida das famílias que tiveram de sair do país na clandestinidade. Infelizmente, vivemos um tempo de radicalização, notícias falsas e disseminação de mentiras na internet. Isso faz com que as pessoas enxerguem viés político em tudo.

P. Ficou decepcionado com a atitude do colégio, que voltou atrás depois de recomendar o livro?

R. Lamento que um colégio como o Santo Agostinho, reconhecido pelo senso crítico, tenha cedido à pressão de meia dúzia de pais. Eu entendo a posição da diretoria, que deve ter temido um boicote ou ameaça de tirar os alunos da escola, mas isso não é educativo nem democrático. Sem contar que o veto ao livro só piorou as coisas, aumentou a repercussão do caso. Faz lembrar o episódio do Queermuseu, quando três ou quatro imbecis fizeram uma gritaria e o Santander arrepiou, suspendendo a exposição.

Pessoal, quero esclarecer a polêmica sobre o livro “MENINOS SEM PÁTRIA”, de minha autoria. Escrevi este livro na década de 1980, ainda na ditadura militar. E o curioso é que, nestes 30 anos, mesmo na ditadura, nunca disseram que havia no livro “doutrinação comunista”, como não há. Aliás, Meninos sem pátria é o 4° livro da série Vaga-Lume, da Editora Ática, mais adotado pelas escolas brasileiras. Por causa da polarização do momento político, alguns pais do Colégio Santo Agostinho, no Rio, reclamaram que o colégio estava doutrinando marxismo a seus filhos e a direção houve por bem retirar o livro, que há anos faz parte da lista de leitura dos alunos de 6ª e 7ª séries. O que há no livro é um olhar sobre um momento histórico brasileiro, isso é verdade. Ou não houve a ditadura? Ou não houve exilados, tema do livro? Ou não houve fechamento do Congresso e intervenção nos 3 Poderes? Muito obrigado! Luiz Puntel

Publicado por Oficina Literária Puntel em Quarta-feira, 3 de outubro de 2018

P. Movimentos como o “Escola sem partido” têm incentivado os pais a monitorarem o conteúdo ministrado por professores aos filhos. Acredita que esse patrulhamento pode contribuir para novos casos de censura nas escolas?

R. Eu também sou contra a doutrinação. Acho que o papel do professor é dar informação e mostrar caminhos aos alunos, sem fazer julgamentos. Mas não cabe aos pais determinar o que deve ser lido, muito menos o que não deve. Fatos e história são incontestáveis. Que se leia e se discuta em sala de aula. Já perdi uma aluna, filha de juiz, por contestá-la depois que ela escreveu uma redação dizendo que tinha que armar todo mundo. Tem gente que não aceita que o professor fale sobre transexualidade, já vão logo chamando de comunista. Mas diversidade de gênero cai no vestibular. Como vamos ignorar isso? Essas reações são reflexos de posições radicais, como a que aponta o armamento como solução dos problemas de segurança. Se o Adélio tivesse conseguido comprar uma arma, o Bolsonaro poderia estar morto. O professor, sempre com bom senso, não pode fugir do debate desses temas.

P. A página do Facebook que repercutiu o protesto dos pais contra o seu livro declara apoio a Jair Bolsonaro, que prega que a ditadura deveria ter matado mais gente. Recentemente, Dias Toffoli chamou o golpe militar no Brasil de “movimento de 64”. Declarações como essas ajudam a relativizar o caráter antidemocrático do regime?

R. No Brasil, gostam de dizer que a ditadura não foi tão forte quanto na Argentina ou no Chile. De fato, a repressão nesses países foi pior. Mas isso não significa que não houve ditadura por aqui. Embora o Toffoli chame de “movimento”, houve golpe, perseguição a opositores, prisões arbitrárias, restrição dos direitos civis e fechamento do Congresso. Todas as características de uma ditadura. Nos comentários da página que divulgou a censura no colégio, tinha gente pedindo para queimar exemplares do livro. Isso já aconteceu no Brasil, quando queimaram Capitães de Areia, do Jorge Amado, durante o governo de Getúlio Vargas. É um retrocesso ao passado. Eu me orgulho de ter escrito Meninos Sem Pátria, que continua passando de geração em geração. O livro está aí para mostrar que a ditadura realmente existiu.

Luiz Puntel, autor do livro “Meninos Sem Pátria”. Foto: Divulgação

Comments (1)

  1. Brasil acima dos burros e Deus acima dos tolos.Começou a era dos fascistas sociopatas com bolsa de merda na cabeça.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

cinco × cinco =