Como Crivella e Witzel responderam à chuva no Rio e como Moradores a viveram e relataram

Por Luisa Fenizola, , no Rio On Watch

Um ano e um dia após o início das chuvas de verão de 2018, a cidade do Rio de Janeiro foi assolada por uma tempestade na última quarta-feira, dia 6 de fevereiro. As chuvas de verão foram “uma coisa inesperada” e consistiram de “surpreendentemente […] uma grande quantidade de água” para o prefeito, Marcelo Crivella.

Se ano passado o prefeito estava em viagem polêmica à Europa  e  acompanhando a situação à distância, fazendo até piada com um suposto “Balsa Família”, esse ano o prefeito prontamente deslocou-se para a Niemeyer, rodovia que liga a Zona Sul à Zona Oeste, onde deslizamentos atingiram um ônibus, matando duas pessoas, e onde trechos da ciclovia Tim Maia, inspecionada pessoalmente pelo prefeito há menos de duas semanas, vieram abaixo.

Diante disso, Crivella culpou a legislação ambiental: “Se tivéssemos vindo aqui na Niemeyer com os técnicos da Geo-Rio há três dias e eles dissessem que precisavam remover uma árvore, certamente teriam problemas com o meio ambiente”.

Já o novo governador do Rio, Wilson Witzel, culpou a prefeitura e a ocupação desordenada de encostas. A primeira certamente tem culpa: a verba empregada em ações de controle de enchentes foi de apenas R$14,5 milhões em 2017, início da gestão de Crivella, e R$66 milhões em 2018, valor ainda quase 80% inferior ao empregado em 2014 pela gestão anterior (conforme tabela abaixo). E foram gastos em 2018 apenas R$35 milhões dos R$265 milhões autorizados pelo orçamento para a proteção de encostas, orçamento esse que para 2019 foi reduzido para R$72 milhões.

Porém, a culpa colocada na “ocupação desordenada” é tradição antiga, claramente equivocada. Essa tradição consiste em tratar as favelas como problema e não uma solução para as questões, dentre outras coisas, do déficit habitacional e das falhas da mobilidade urbana. No lugar de tratar como problema a negligência histórica do Estado e ineficiência na provisão dos serviços públicos, e de finalmente retirar o risco que assola a moradia  das pessoas, o governador, em tendência já sinalizada por Crivella, insiste na necessidade de “retirar as pessoas de áreas de alto risco“. 

De forma conveniente, ele ignora o fato de que as chuvas causaram estragos em lugares em que não há encostas, como Barra de Guaratiba, em bairros nobres da cidade, como o Jardim Botânico, e que a ocupação das encostas não se dá apenas por moradores de favelas, mas também por pessoas abastadas em casas luxuosas como ocorre na região de São Conrado, onde os deslizamentos aconteceram, como mostra a foto abaixo.

Witzel prometeu um programa chamado Comunidade Cidade para atender as favelas mais atingidas pelas chuvas, nominalmente o Vidigal e a Rocinha. “A CEDAE vai alocar R$500 milhões em recursos para que possamos abrir ruas com saneamento básico naquela região, fazer a remoção das áreas mais criticas e contar com a colaboração da própria comunidade para construir essas edificações ao longo da Rocinha”, disse o governador à Agência Brasil. Além disso, ele anunciou uma reunião ainda esse mês da Câmara Metropolitana, que reúne prefeitos de 22 municípios do estado, para “achar áreas que possam ser feitas residências para famílias de baixa renda que moram em áreas de risco”, em vez de coordenar esforços e ações de planejamento urbano entre os municípios que reduzam o impacto das enchentes recorrentes e provejam moradia digna aos seus habitantes.

Longe de culpada, a favela é vítima das enchentes. Os maiores danos foram sentidos na Rocinha, onde uma mulher morreu vítima de um deslizamento de terra, e no Vidigal, onde a queda de um muro vitimou uma mulher, e seis pessoas feridas por desabamento de casas e deslizamento de terras foram resgatadas por um helicóptero do corpo de bombeiros. No Complexo de Manguinhos, o transbordamento do Canal do Cunha impossibilitava a circulação. Já em Acari, a água na altura dos pneus não impossibilitou o Caveirão de circular, conforme registrou o Coletivo Fala Akari.

Já no Complexo do Alemão, na localidade do Morro do Adeus, um cabo energizado do teleférico (que encontra-se fora de funcionamento desde 2016) caiu pela segunda vez —a primeira havia sido em 2013, quando ainda estava em funcionamento— devido aos ventos fortes, que chegaram a mais de 100 km/h, deixando um morador ferido. Diversas comunidades estão sem o fornecimento normal de luz —no Alemão, o problema é anterior às chuvas e já dura seis dias. Outras duas mortes aconteceram em Barra de Guaratiba, Zona Oeste da cidade, onde o desabamento de árvores sobre uma casa soterrou uma mãe e um filho.

Resgate no Vidigal

Uma das resgatadas de helicóptero pelos bombeiros no Vidigal foi Thalita, de 21 anos, que estava com seu filho Bernardo, de apenas três meses, quando a água começou a entrar pela janela da casa onde Thalita mora e a arrombou. Wellington, pai do Bernardo, conta que quando a casa começou a encher, ela enrolou Bernardo em um cobertor e levou ele para a casa de cima: “Alguns minutos depois dela levar ele para a casa de cima e a avó da Talita também subir, rolou uma pedra pelo morro e caiu no meio da sala, entre todo mundo, imprensando elas na parede. Tiveram vários estilhaços, de cabos, de tijolos. Feriu ela, a irmãzinha dela, a avó. Por esse rombo feito através da pedra o nosso vizinho colocou uma escada para ajudar a resgatar todo mundo e a Thalita e os mais feridos foram levados de helicóptero para um hospital”.

Wellington estava na Floricultura onde trabalha no momento do incidente e seu amigo falou que algumas casas haviam desabado em uma área do Vidigal conhecida como Jaqueira. Com os acessos ao Vidigal fechados e com os deslizamentos ele sabia que não tinha como ir à casa de Thalita. “Estava tudo um breu, ninguém enxergava muita coisa. Se eu estivesse presente, seria mais uma vítima fatal deste desastre pois não ia conseguir ficar de mãos atadas com um vizinho pedindo socorro”.

Ainda sem notícias dela e do filho, Wellington procurou ficar tranquilo e preparar-se para buscá-los no dia seguinte. Na manhã seguinte, decidiu ir até o Vidigal, mas foi impedido de prosseguir pela Defesa Civil. “Desbravei a descida pelas pedras até ter acesso a saída da prainha”, disse ele, mostrando como conseguiu subir o morro. “Agora me sinto na obrigação de ajudar toda a família a se reerguer”, disse o jovem de 23 anos, que recentemente foi vice-campeão da primeira edição do Desafio Seu Amanhã, voltado para o compartilhamento de conhecimentos e oportunidades para jovens de favelas. Wellington criou uma vakinha online para arrecadar apoios para a reconstrução.

Ele pretende fazer isso não só com seu trabalho na floricultura, mas com o seu sonho de ter uma empresa que ajude os jovens a fazer arte e cultura. “Na infância eu não pude ser ator. Meu pai já me avisava que era quase impossível na Baixada”, diz Wellington, que cresceu em Jardim Metrópoles, São João de Meriti. “Então não quero que outras crianças percam os seus sonhos por não terem o dinheiro da passagem, não quero que os novos MCs não participem das rodas culturais por não terem dinheiro para se locomover e comer”.

Cobertura alternativa na Rocinha

O jornalista e morador da Rocinha Michel Silva fez uma série de relatos em suas redes sociais sobre a situação no local. Às 2:36h da manhã, postou:

Estou caminhando agora na Rocinha. Muitos moradores perderam móveis, os comerciantes estão limpando lojas e são vários rastros de destruição nos becos. Uma moça morreu soterrada na parte alta do morro. O homem carregado pela água sobreviveu e ainda há outros pontos com ameaça de deslizamento.

Já na manhã seguinte, fez alguns balanços dos estragos:

No final da tarde no dia seguinte pela manhã, Michel continuou a denúncia:

Moradores relataram que não conseguiram sair para trabalhar ou para levar os filhos para a escola. Muitos passaram o dia retirando a lama, o lixo e os escombros das casas e os eletrodomésticos, motos e carros que haviam sido arrastados pelas chuvas. Uma moradora relatou ter que quebrar o muro da sua casa para que a água escoasse de dentro. Garis e agentes socioambientais do projeto De Olho no Lixo reforçavam as ações dos moradores.

Diante de imagens de muito lixo nas ruas após as chuvas, muitos moradores manifestaram-se acerca da educação dos vizinhos que não fazem o descarte correto do material. Na página do Rocinha em Foco, uma moradora se posicionou a respeito:

Gente, a culpa é do governo a partir do momento q não existe tratamento de lixo, saneamento básico e sistema de esgoto decente. A população não tem aonde por o lixo.
Temos q ter consciência e perceber q sem conscientização ninguém vai saber o q fazer. O prefeito abandonou essa cidade. Se realmente tivessem interessado em resolver, teriam colocado um sistema de recolhimento de lixo. Mas pro Crivella pobre só serve pra pagar imposto.

Outra reclamou:

Mas, gente!? Vcs jogam o lixo onde, então??? Na minha rua não tem NENHUM local decente para isso. Se não for na rua é ficar esperando a Comlurb passar e entrega em mãos para os garis, porém tenho que trabalha, né?!

Diante disso, uma repórter do Voz das Comunidades fez um apelo aos usuários das redes sociais:

***

FORMULÁRIO PARA DOAÇÃO DE MÓVEIS E UTENSÍLIOS

Preencha este formulário e seus organizadores farão o possível para conectar você com uma pessoa que vai amar receber sua doação.

PONTOS DE ARRECADAÇÃO NA ROCINHA

Igreja Batista
Estrada da Gávea, n° 436, telefone 2420-4743
Localizado em frente aos prédios do PAC. Recolhendo doações de água, alimentos não perecíveis, produtos de higiene pessoal e de limpeza para os moradores atingidos, além de aceitar voluntários para ajudar pessoalmente na limpeza das casas. Sem horários definidos.

Pizza Lit
Localizado na Curva do S.
A partir das 17h.

Depósito Viniciu’s
Localizado na Roupa Suja.
A partir da 12h.

PONTO DE ARRECADAÇÃO NO VIDIGAL

Doações na Associação de Moradores: Av. Presidente João Goulart, 737 – Os motoboys também estão ajudando

PONTOS DE ARRECADAÇÃO FORA DA ROCINHA

Até o primeiro momento, temos confirmado quatros locais que estão recebendo doações FORA da comunidade para os moradores da Rocinha, confira abaixo:

Oi Kabum Lab – localizado no Centro.
R. Benedito Hipólito, 125
3° Andar – em frente ao Terreirão do Samba.

Cultura Inglesa – localizado no Jardim Botânico.
Rua Saturnino de Brito, 74

Associação de Funcionários da PUC – localizado na Gávea.
Rua Marquês de São Vicente, 225

 Autoescola São Conrado
Estrada da Gávea, 847 – Loja C

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

2 − dois =