CDHM discute contaminação da água por agrotóxicos

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM) debate, nesta quarta-feira (12/06), o acesso a informações sobre a contaminação, através de agrotóxicos, da água para beber. O encontro acontece a partir das 14hs no plenário 9

CDHM

O Grupo de Trabalho de Agrotóxicos da Associação Brasileira de Agroecologia vai apresentar dados do estudo “Por Trás do Alimento”, feito pelas organizações Agência Pública, Repórter Brasil e Public Eye. O trabalho, divulgado no dia 15 de abril deste ano, revelou que foram encontrados resíduos de agrotóxicos nas águas consumidas por moradores de 1.300 cidades brasileiras, entre elas metrópoles como São Paulo e Rio de Janeiro. Os dados foram obtidos junto ao Ministério da Saúde, que faz testes periódicos sobre a qualidade da água que chega às torneiras das residências. Porém, tais resultados não são divulgados de forma didática e compreensível para a população. 

A iniciativa é de Padre João (PT/MG). “A audiência pública para discutir sobre os dados alarmantes revelados pelo estudo “Por Trás do Alimento” é muito importante, principalmente para que debrucemos sobre a questão da segurança alimentar e da proteção das nossas famílias, que estão levando cada vez mais venenos para suas mesas e para dentro do corpo humano por meio da água contaminada”, destaca Padre João.

Mais informações

A pesquisa analisou dados coletados entre os anos de 2014 e 2017 e mostrou que, todos os dias, os moradores de 25% das cidades brasileiras são submetidos a um verdadeiro “coquetel que mistura diferentes venenos”, muitos dos quais classificados pela Anvisa como extremamente ou altamente tóxicos, alguns até associados ao desenvolvimento de doenças crônicas como câncer, malformação fetal, disfunções hormonais e reprodutivas.

Devem participar representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Agência Nacional de Vigilância Sanitária; Associação Brasileira de Agroecologia; Conselho Federal de Engenharia e Agronomia; Ministério Público do Trabalho e Departamento de Saúde Ambiental do Trabalhador e Vigilância de Emergências em Saúde Pública.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

três × 3 =