No país onde ser criança é coisa de branco

Por Fausto Salvadori, editor e repórter da Ponte Jornalismo

“Raquel chora seus filhos e não quer consolação, porque eles já não existem”, escreve o Evangelho de São Mateus, citando o profeta Oséas, ao descrever o Massacre dos Inocentes, a chacina de crianças cometida na vila de Belém pelo braço armado do governo Herodes.

Matar crianças. É uma prática que costuma ser vista como o maior dos crimes, algo além do justificável e do compreensível, tão horrível que é repudiada até pelos que fazem do crime o seu modo de vida.

Pois hoje o Rio de Janeiro vive a sua versão dos Massacre dos Inocentes pelas mãos de Wilson Witzel, o Herodes fluminense: Agatha Félix (acima), 8 anos, baleada nas costas quando estava numa perua ao lado da avó, durante uma operação policial no Complexo do Alemão, foi a quinta criança morta a tiros na região metropolitana do Rio desde o começo do ano, segundo o aplicativo Fogo Cruzado e a ONG Rio de Paz. 

E o que essas mortes provocaram na consciência dos brasileiros, nessa que é a maior nação católica e o segundo maior país cristão do planeta? Bem pouco, a julgar pelas reações que essas mortes provocaram fora das comunidades. Não há comoção que lembre o que ocorre nos EUA após a morte de jovens negros pela polícia, como Michael Brown e Eric Garner em 2014. A morte dessas crianças não levou milhões de manifestantes para as ruas, não provocou a queda de nenhum comandante, secretário ou governador. Ao contrário: o nosso Herodes carioca já se lançou em campanha antecipada para presidente em 2022, atestando que, no Brasil cristão de hoje, matar crianças não só não prejudica um governante como pode ser um trunfo político.

Nada surpreendente para quem acompanha a Ponte Jornalismo. Há três anos, noticiamos a ação de um grupo de moradores do Morumbi, na zona sul de São Paulo, que organizou uma manifestação em apoio à Polícia Militar por ter matado Ítalo Ferreira de Jesus Siqueira, 10 anos, com um tiro na cabeça, após o menino furtar um carro. O ato serviu para provar que a gente branca que mora nas mansões do Morumbi tem menos respeito pela vida do que a grande maioria dos detentos das nossas prisões, que não só não demonstram qualquer respeito por assassinos de crianças como costumam decretar a morte deles sempre que possível.

Mas como isso pode acontecer? Arrisco a dizer que a gente só consegue tolerar, aceitar e mesmo celebrar a morte de uma criança quando não enxerga ali uma criança. Ítalo não era uma criança: foi o que vários dos celebrantes da morte do Morumbi disseram naquela tarde de 2016. É como se “ser criança” fosse uma categoria que não dependesse da idade, mas de outras circunstâncias – sendo a principal delas, nunca nomeada explicitamente, a cor da pele.

As mortes de crianças negras não provocam comoção porque elas são vistas como menos crianças, menos gente, e portanto mais matáveis, pela elite branca que comanda as ações do braço armado do Estado.

Ser criança não é para todos. No Brasil, ser criança é meritocracia. Ser criança é coisa de branco. Ser criança, com tudo o que isso implica de reconhecimento por sua humanidade, de empatia por sua existência, é algo que a população negra não tem como dado, é algo que precisa conquistar.

“Minha neta fala inglês, tem aula de balé, tem aula de tudo. Ela é estudiosa”, foi o grito desesperado do avô de Agatha, Aílton Félix, na madrugada de sábado. Por que era tão importante, naquele momento, afirmar que a menina estudava, falava inglês, fazia balé? Aílton sabia que precisava exibir essas credenciais para provar que sua neta, apesar de negra, apesar de pobre, levava uma vida de criança branca. E que, portanto, merecia ser considerada uma criança. Considerada gente.

E gente não pode ser morta com um tiro nas costas por agentes do Estado. “Que não seja em vão”, como diz o Armandinho aqui embaixo.

A atitude que o País irá tomar nos próximos dias, após a morte de Agatha, indicando se vamos aceitar mais essa morte ou se dessa vez vamos gritar um basta!, vai dizer o quanto ainda restou de gente nos brasileiros de 2019.  

Comments (1)

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

17 + oito =