A morte de seis crianças por fome deixa o norte argentino em emergência alimentar

A extrema pobreza devasta as populações indígenas da região do chaco de Salta, onde faltam agentes sanitários e abastecimento de água até em postos de saúde

por J.L.M. Kenzie e F.R. Molina, em El País

O único filho de Amalia se tornou no domingo a sexta criança morta por desnutrição neste mês em Salta, uma província no extremo norte da Argentina que faz fronteira com Bolívia, Chile e Paraguai. O menino tinha um ano e nove meses e morava com a mãe em uma comunidade de 150 famílias indígenas wichis no município de Embarcación. Morreu durante a transferência entre duas unidades de saúde. O Governo de Salta informou que a criança estava em estado geral grave, com febre, desidratação severa e dez dias de vômito e diarreia. “Tinha uma doença de base: desnutrição crônica”, admitiram as autoridades.

Casos como esse acontecem todos os anos em Salta, onde o verão é duro e as secas se revezam com as inundações e acabam deixando sem alimentos as comunidades indígenas mais isoladas. Como tantas outras vezes, a província, governada pelo peronismo durante 32 dos últimos 36 anos de democracia, declarou emergência sociossanitária.

A crise econômica que assola a Argentina agravou o problema das comunidades mais desamparadas, mas as origens são estruturais. Nesta região do norte argentino se espalha boa parte das áreas mais pobres do país, como Las Vertientes e El Traffic, comunidades wichis, onde vivam algumas das crianças mortas desde 1º de janeiro. E também a localidade de Morillo, onde morava uma criança não indígena que está na mesma lista. “Situação grave isto que está acontecendo, a primeira vez que vejo esta situação por falta de alimentos, de trabalho, de atendimento de primeiros socorros e de água”, diz por telefone Gilberto Vicente, cacique da El Traffic. Amancio Martínez, cacique da Kilómetro 2-Misión La Paz, localizada mais a nordeste, na fronteira com a Bolívia e o Paraguai, observa que o problema é antigo. A falta de comida “não é de ontem, vem de muito antes”, diz ele.

Nesses lugares desolados faltam agentes sanitários, termo que designa os funcionários que visitam regularmente as famílias, de casa em casa. Eles se deslocam de bicicleta, com uma mochila, e coletam informações sobre peso, altura, vacinação e doenças do grupo familiar, que depois registram em uma ficha. Atualmente há áreas muito povoadas que estão sem agentes. Quando os casos graves são encaminhados ao hospital Tartagal, localizado a mais de 300 quilômetros de distância, é tarde demais. “As crianças não têm mais defesas, sentem-se esgotadas, não têm como aguentar. É preciso haver mais agentes e mais controle dos supervisores da zona. É preciso mudar a metodologia”, diz Martínez.

Um problema crônico

No hospital de Tartagal há dez crianças internadas por desnutrição, disse a ministra provincial da Saúde Josefina Medrano. Ela admitiu que os problemas de saúde no Chaco saltenho “se repetem ano após ano”, como um carma. O governador Gustavo Sáenz declarou emergência sociossanitária na região, na tentativa de estancar a crise. O político peronista está no cargo desde 10 de dezembro, quando sucedeu a outro peronista, Juan Manuel Urtubey, que esteve 12 anos no cargo e, no final de seu mandato, dedicou grande parte do tempo à promoção de sua candidatura à presidência. Seus planos foram truncados pelo poder eleitoral de Alberto Fernández-Cristina Kirchner, vencedores das eleições contra o ex-presidente Mauricio Macri. Desde o final da ditadura militar, em 1983, a província é governada por diferentes correntes do peronismo, com nomes que se repetiram ao longo de vários períodos, como Romero e Urtubey. Apesar de rica em recursos e poderoso polo turístico, Salta convive constantemente com notícias de crianças morrendo de fome.

O cenário social é sempre delicado. Na terça-feira, na prefeitura de Santa Victoria Este, um dos municípios incluídos na emergência, a crise na saúde era acompanhada de perto. Santa Victoria Este está pela primeira vez nas mãos de um governo integrado por wichis, depois que Rogelio Nerón venceu as eleições de novembro com 45% dos votos. A comunidade segue de perto a iminente cheia do rio Pilcomayo, que transborda todo verão, arrastando a lama que se acumula durante a seca, e o velório de uma mulher que morreu ao dar à luz uma menina, em casa.

Água, alimentos e ambulâncias

Em meados do mês, antes das primeiras mortes, o ministro do Desenvolvimento Nacional, Daniel Arroyo, visitou Salta e deixou ali uma equipe de trabalho. Ao saber da sexta morte, Arroyo escreveu em um post no Twitter que “a situação sociossanitária no norte de Salta é muito crítica”. A distribuição de água engarrafada e alimentos embalados é a prioridade, disse ele.

Soluções de longo prazo, no entanto, terão de esperar. O acesso à água potável, um direito humano essencial para a ONU desde 2010, é uma dívida histórica no chaco saltenho. São frequentes as notícias de postos de saúde que passam meses sem água. E em muitas comunidades perdidas nas montanhas é preciso caminhar por horas até encontrar uma torneira. Para consertar uma bomba ou colocar uma cisterna, os trâmites burocráticos podem levar meses. Nesta semana, os moradores de Los Blancos, o povoado de Amalia, ocuparam o centro de saúde para reclamar da falta de abastecimento de água, de ambulâncias e de medicamentos.

A pobreza é estrutural nas famílias indígenas, que têm os piores indicadores educacionais, de saúde e sociais da Argentina, em cifras do UNICEF. Entre eles, Salta e Formosa estão entre as mais atrasadas. Na semana passada, um grupo de caciques enviou uma carta de Salta à entidade Médicos Sem Fronteiras (MSF) para a América do Sul, convidando a ONG a realizar uma “missão exploratória” na área, ante “uma crise humanitária crônica”.

Um grupo de médicos, antropólogos e advogados solicitou em uma carta semelhante “uma missão humanitária no território wichi a leste de Salta e oeste de Formosa”. Naquela ocasião, as crianças que tinham morrido de desnutrição na área eram quatro. Um dos signatários, Rodolfo Franco, lembrou que Salta é “uma província produtora de alimentos” e “não deveria ter nenhuma morte” por desnutrição. Franco nasceu em Buenos Aires e há sete anos se mudou para Salta. Hoje ele é o único médico em uma grande área localizada entre Misión Carboncito e Misión Chaqueña, perto do rio Bermejo.

Mulher cuida do filho na comunidade wichi de San Luis, situada em uma curva do rio Pilcomayo, no extremo nordeste de Salta, em dezembro de 2016.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

7 − 1 =