O general do general de Temer

O novo comandante do Exército é homem de confiança de Sérgio Etchegoyen.

Por Rafael Moro Martins. na newsletter do Intercept Brasil

“O dia da escolha de arma representa uma opção definitiva, para toda a carreira do militar. O ano passa a ser uma referência meramente cronológica. Um cadete é de Infantaria, Cavalaria ou outra arma antes de ser do 2º, 3º ou 4º ano”, escreve Celso Castro em “O espírito militar – um antropólogo na caserna”. 

O livro é o resultado da primeira pesquisa antropológica realizada na Academia Militar das Agulhas Negras, a Aman, responsável pela formação de todos os oficiais do Exército brasileiro, e ganhou uma bem-vinda nova edição, revista e ampliada, em fins do ano passado.

A citação abre esta newsletter porque ajuda a entender o que será do Exército com a nomeação na quinta, 31 (véspera da data real do golpe militar), do novo comandante-geral do Exército, o general Marco Antônio Freire Gomes. Aos 64 anos, ele substitui o provável novo ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, cearense como ele. Além deles, Edson Leal Pujol também comandou a força no governo Bolsonaro.

Em comum, os três têm o fato de terem optado, quando alunos da Aman, pela arma da Cavalaria. É a preferida dos cadetes vindos do Sul do país, de tradição equestre, em parte porque, embora atualmente as cavalarias usem tanques e carros blindados no lugar de cavalos, a montaria é levada a sério até os dias de hoje.

Também fizeram carreira como oficiais da Cavalaria o ministro do Gabinete de Segurança Institucional Augusto Heleno, da turma de 1969 da Aman, o antecessor dele no cargo, Sérgio Etchegoyen (o melhor amigo de Eduardo Villas Bôas), de 1974, o agora ex-ministro da Defesa Walter Braga Netto, de 1978, cotado para ser o candidato a vice de Bolsonaro, e Otávio Rêgo Barros, de 1981, ex-porta-voz de Bolsonaro. Leal Pujol é da turma de 1977; Oliveira e Freire Gomes, de 1980.

Além da Cavalaria, Freire Gomes fez cursos de paraquedista (tal qual Jair Bolsonaro) e ingressou nas Forças Especiais, onde foi colega de outros dois generais palacianos: Luiz Eduardo Ramos, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, e Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde durante o auge da mortandade de brasileiros por covid-19 e, mesmo assim, presenteado com um carguinho de aspone no Palácio do Planalto.

As Forças Especiais são a tropa de elite de qualquer exército, aptas a atuar em missões de inteligência, infiltradas em território inimigo. No Exército brasileiro, como já mostramos, são treinadas para guerrear em solo pátrio, combatendo políticos de esquerda em exercícios que guardam uma semelhança bastante incômoda com personagens reais. Sem muito o que fazer na geopolítica internacional (e pouca capacidade para tanto), o Exército prefere mesmo se ocupar de fazer política e caçar inimigos entre nós, brasileiros.

Os oficiais que listei acima têm algo a mais em comum: já se ocupavam de fazer política enquanto eram do serviço ativo do Exército. Heleno já era assim nos anos 1970, quando ajudante de ordens de Sylvio Frota, extirpado pela própria ditadura por ser radical demais, e décadas depois ao se meter na demarcação da terra indígena de Raposa Serra do Sol. Etchegoyen enfezou-se com a Comissão da Verdade e por isso resolveu conspirar para levar Michel Temer ao poder – e depois o ajudou a governar. Leal Pujol chancelou o tweet-ameaça de Eduardo Villas Bôas. Braga Netto, Ramos, Rêgo Barros e Pazuello viraram ministros de Bolsonaro ainda na ativa. Oliveira, alçado ao comando do Exército com a saída de Pujol, ainda estava no posto quando já dançava como um pavão emplumado em frente a Bolsonaro, seduzido pela cadeira de ministro da Defesa. 

Foram esses generais, quando estavam no Alto Comando (o colégio de generais de quatro estrelas de que todos os listados acima, à exceção de Pazuello e Rêgo Barros, fizeram parte), que escolheram os oficiais candidatos ao generalato e, depois, à terceira e quarta estrelas. Ou seja, o Exército seguirá sendo comandado por um integrante do mesmo grupo político e golpista que está no poder desde 2016.

Freire Gomes, que chegou a ser saudado como “legalista” por ter alegadamente cumprido seu dever no motim de policiais do Ceará em 2019, é só mais um da turma. Foi secretário-executivo do Gabinete de Segurança Institucional quando o ministro era Etchegoyen. Era o chefe do Comando Militar do Nordeste, em 2019, quando mandou punir o coronel da reserva Marcelo Pimentel Jorge de Souza por comentários políticos sobre Rêgo Barros e o bolsonarismo na força – algo permitido a quem já não está mais no serviço ativo.

É improvável que, fosse ele o ministro da Defesa, Freire Gomes deixasse de cometer uma ordem do dia safada como a de Braga Netto na quinta passada, que mentiu sem vergonha alguma sobre o que foram o golpe de 1964 e a ditadura de 21 anos marcada por censura, prisões, assassinatos e desaparecimentos de opositores que se seguiu.

É uma tolice, aliás, imaginar que o próprio Exército irá por conta própria deixar de celebrar seu passado golpista, torturador e assassino e de atuar sem pudor como um partido político. Isso só acontecerá quando a sociedade brasileira (que paga os salários, as picanhas e as cervejas puro malte da turma) retomar o comando sobre o Exército e exigir que ele reconheça os crimes que cometeu contra brasileiros, o que passa obrigatoriamente pela volta de civis ao comando do Ministério da Defesa, como nos governos de FHC, Lula e Dilma.

Que precisemos comemorar o fato de que os generais são “legalistas” é um sinal inequívoco de que estamos acuados, somos reféns dele. E a ascensão de Freire Gomes não altera nada nessa equação.

Ilustração: Outras Palavras

Deixe um comentário

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

seis − dois =