Cimi expressa, em nota, indignação e pesar pelo assassinato de liderança do MST

O Cimi Regional Goiás/Tocantins lamenta e exige justiça pela morte do camponês Raimundo Nonato de Oliveira, o ‘Cacheado”

POR CIMI REGIONAL GOIÁS /TOCANTINS

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) Regional Goiás/Tocantins manifesta sua solidariedade à família e ao Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra de Tocantins (MST-TO), e cobra justiça pelo assassinato do líder camponês, Raimundo Nonato de Oliveira, ocorrido nesta terça-feira, 13 de dezembro, na cidade de Araguatins- Tocantins. Segundo informações do MST-TO, homens armados arrombaram, nesta madrugada, a casa onde morava a liderança camponesa.

Conhecido carinhosamente como “Cacheado”, Raimundo foi covarde e cruelmente assassinado. Infelizmente o sangue dos lutadores e lutadoras da terra, continua sendo derramado na luta justa e digna pela terra. Os conflitos fundiários, as ameaças e conflitos vem crescendo, principalmente nestes últimos anos, e muitas das vezes, incentivados e apoiados pelo atual governo.

As famílias que lutam pela terra, só querem um lugar digno para morar e viver com suas famílias. É um direito, não é um crime! Exigimos que esta vida ceifada de nosso companheiro Raimundo Nonato, não fique impune, exigimos justiça.

Que a força e profecia do Pe. Josimo que defendeu e morreu pelos povos da terra, anime e fortaleça a luta pelos territórios e pela vida!

Raimundo Nonato, presente!

 

Conselho Indigenista Missionário (Cimi) – Regional Goiás/Tocantins

Palmas, 13 de dezembro de 2022

Raimundo Nonato de Oliveira, liderança do MST. Crédito: Cimi Regional Goiás/Tocantins

Deixe um comentário

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

dez + 12 =