Pela manutenção da Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo no Ministério dos Direitos Humanos

Na tarde desta sexta-feira, 26 de maio, ocorreu uma audiência entre as entidades que desenvolvem a Campanha Nacional de Prevenção e Combate ao Trabalho Escravo e o ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, para debater o decreto que transfere a Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo do ministério para o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). As entidades divulgaram uma carta pública pela manutenção da Conatrae no Ministério dos Direitos Humanos (MDH). Confira a seguir!

Na CPT

Entidades da sociedade civil e brasileiros e brasileiras que defendem o combate à escravidão contemporânea pedem ao governo Lula para não transferir a Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae) do Ministério dos Direitos Humanos para o Ministério do Trabalho.

Trabalho escravo, mais do que uma violação a direitos trabalhistas, é uma agressão aos direitos humanos. Por isso, a Conatrae, desde sua criação em 2003, sempre esteve nessa área do governo, articulando os diferentes ministérios envolvidos tanto na prevenção e repressão ao crime e quanto no atendimento às vítimas, em conformidade com tratados ratificados pelo Brasil.

Em audiência realizada no dia 26 de maio com representantes da Conatrae, o ministro Silvio Almeida defendeu enfaticamente a permanência da comissão no MDH.

Queremos um combate ao trabalho escravo que continue sólido, que resgate a dignidade dos trabalhadores, que enfrente o racismo e o machismo, que fortaleça a imagem da produção brasileira. Queremos que a Conatrae continue no Ministério dos Direitos Humanos.

Considerando isso, as organizações e pessoas abaixo aderem à moção apresentada na reunião extraordinária da Conatrae do dia 19 de maio de 2023, com o seguinte teor:

Moção para permanência da Conatrae no Ministério dos Direitos Humanos

A motivação da reunião extraordinária da Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae), neste 19 de maio de 2023, é a existência de um projeto de transferência deste colegiado do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania para o Ministério do Trabalho e Emprego.

Diante de tal informação, que não passou pela consulta dos membros da própria comissão, os abaixo-assinados vêm a público repudiar tal ação, tendo em vista as seguintes considerações:

a) A Conatrae nasceu em 2003 dentro de um processo de construção da política nacional de erradicação do trabalho escravo, como colegiado encarregado de monitorar a sua execução pelas várias partes interessadas, formado pela sociedade civil e o poder público.

b) A Conatrae sempre esteve na área dos direitos humanos, desde a sua criação no primeiro governo do presidente Lula. Desde sua origem foi colocada sob o manto do Ministério dos Direitos Humanos – na época, ainda Secretária Especial de Direitos Humanos da Presidência da República. Isso foi feito em consonância aos tratados internacionais assinados pelo Brasil na área, pela natureza e abrangência do crime de trabalho escravo, pela transversalidade das ações suscetíveis de contribuir na sua erradicação.

c) Não se mostra adequado que o órgão de monitoramento de combate ao trabalho escravo (Conatrae) fique vinculado ao Ministério do Trabalho e Emprego, cuja atribuição consiste na execução da política de combate ao trabalho escravo. Tal vinculação mostrar-se-á contrária aos princípios de boa governança.

Ademais não é admissível decretar tamanha mudança sem diálogo com a sociedade civil e demais parceiros do combate ao trabalho escravo, como vem sendo feito.

Assim sendo, as entidades abaixo-assinadas são contrárias ao projeto de transferência da Conatrae do atual MDHC para o MTE, acreditando que ele pode causar danos ao monitoramento da política nacional de enfrentamento ao trabalho escravo e pedem ao governo o arquivamento dessa proposta.

(Parcial de adesões até o dia 25/05/2023, às 23h30)

ENTIDADES

1) Comissão Pastoral da Terra (CPT), representante da sociedade civil na Conatrae

2) Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), representante da sociedade civil na Conatrae

3) Confederação Nacional dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais (Contar), representante dos trabalhadores na Conatrae

4) Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT)

5) Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR)

6) Aty Guasu (Grande Assembleia Guarani e Kaiowá/Mato Grosso do Sul)

7) Comissão Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo (COETRAE – BA)

8) Comissão Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo (COETRAE – CE)

9) Comissão Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo (COETRAE – MA)

10) Comissão Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo (COETRAE – MG)

11) Comissão Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo (COETRAE – MS)

12) Comissão Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo (COETRAE – PA)

13) Comissão Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo (COETRAE – RJ)

14) Comissão Estadual para Erradicação do Trabalho Escravo (COETRAE – TO)

15) Comissão Municipal para a Erradicação do Trabalho Escravo (COMTRAE/SP)

16) Comitê Distrital para a Prevenção e Erradicação do Trabalho Escravo (CODETRAE/DF)

17) Comitê Estadual de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Rio de Janeiro

18) Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag)

19) Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) – Comissão Especial para o Enfrentamento ao Tráfico Humano

20)Conselho Indigenista Missionário (CIMI)

21) Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH)

22) Alternativas para a Pequena Agricultura no Tocantins (APA-TO)

23) Articulação Grito dos Excluídos e Excluídas de Mato Grosso

24) Articulação ‘Agro é Fogo’

25) Articulações dos Empregados Rurais da Região Sul de Minas Gerais (ADERE/MG)

26) Associação Brasileira de Defesa da Mulher, Infância e Juventude (ASBRAD)

27) Associação da Comunidade do Quilombo Dona Juscelina, Muricilândia, Tocantins

28) Associação Brasileira dos Juristas pela Democracia (ABJD)

29) Associação Luso Brasileira de Juristas do Trabalho (JUTRA)

30) Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos Federais (ANADEF)

31) Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (ANADEP)

32) Associação Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (ANAFITRA)

33) Business and Human Rights Resource Centre, BHRRC

34) Campanha Nacional em Defesa do Cerrado

35) Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro

36)Centro de Apoio Pastoral do Migrante (CAMI), São Paulo

37) Centro de Direitos Humanos de Cristalândia Dom Heriberto Hermes (CDHC), Tocantins

38) Centro de Direitos Humanos Dom Máximo no Mato Grosso

39) Centro de Direitos Humanos Dom Pedro Casaldáliga no Mato Grosso

40) Centro de Direitos Humanos e Cidadania do Imigrante (CDHIC)

41) Centro de Pastoral para Migrantes / Cuiabá no Mato Grosso

42) Centro de Referência em Direitos Humanos Profa. Lúcia Gonçalves / UNEMAT

43)Centro Santo Dias de Direitos Humanos da Arquidiocese de São Paulo

44) Coletivo Transforma MP (Membros do MPE e do MPU: MPF, MPT, MPDFT)

45) Comissão de Direitos Humanos da OAB de Xinguara, Pará

46) Comissão de Direitos Humanos da OAB do Pará

47) Comissão Justiça e Paz da Família Dominicana do Brasil

48) Coordenação Estadual das Comunidades Quilombolas do Tocantins – COEQTO

49) Conectas Direitos Humanos

50) Delegacia Sindical de Minas Gerais do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho/SINAIT

51) Delegacia Sindical na Bahia do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho/SINAIT

52) Espaço Cultural e Político Marielle Franco, Pará

53) Federação dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais de Alagoas

54) Federação dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais da Bahia

55) Federação dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais do Ceará

56) Federação dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais de Goiás

57) Federação dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais de Pernambuco

58) Federação dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais do Rio Grande do Norte

59) Federação dos Trabalhadores Assalariados Rurais do Rio Grande do Sul

60) Fórum de Direitos Humanos e da Terra no Mato Grosso

61) Fórum de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Estado do Pará

62) Fórum Estadual de Erradicação do Aliciamento e de Prevenção e Combate ao Trabalho Escravo do Piauí

63) Gaya Filmes

64) GeografAR – Geografia dos Assentamentos Rurais da UFBA

65) InPacto

66) Instituto de Saúde Coletiva – ISC, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

67) Instituto Dom José Luís Azcona do Pará

68) Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social

69) Instituto Pólis

70) Instituto Trabalho Decente (ITD)

71) Instituto Trabalho Digno (ITD)

72) Instituto Zé Claudio e Maria (Marabá/Pará)

73) Justiça Global

74) Labor Movens, Grupo de Estudos e Pesquisas da Universidade de Brasília

75) Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Tocantins

76) Movimento Estadual de Direitos Humanos do Tocantins

77) Movimento Humanos Direitos (MHuD)

78) Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH)

79) Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Nacional

80) Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Tocantins

81) Núcleo de Direitos Humanos de Aragominas, Muricilândia e Santa Fé do Araguaia, TO

Gostou dessa informação?

Quer contribuir para que o trabalho da CPT e a luta dos povos do campo, das águas e das florestas continue? 

Clique aqui e veja como contribuir 

82) Núcleo de Estudos Regionais e Agrários da UFBA

83) Núcleo de Estudos Ambientais e Saúde do Trabalhador (NEAST/UMT)

84) Núcleo de Pesquisa e Extensão em Saberes e Práticas Agroecológicas da UFNT (NEUZA)

85) Oxfam Brasil

86) Rede de Agroecologia do Maranhão (RAMA)

87) Rede de Promoção do Trabalho Decente

88) Rede Nacional de Advogados Populares (RENAP)

89) Rede Social de Justiça e Direitos Humanos

90) Repórter Brasil

91) Serviço Amazônico de Ação, Reflexão e Educação Socioambiental – SARES, Manaus

92) Sindicato dos Empregados Rurais da Região Sul de Minas Gerais (SERRS/MG)

93) Sindicato dos Metalúrgicos de Pouso Alegre e Região

94) Sindicato dos Trabalhadores Assalariados e Assalariadas Rurais de Juazeiro, Bahia

95) Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicação de Minas Gerais (SINTTEL/MG)

96)Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH)

97) Sodireitos Pará

PESSOAS

1) Wagner Moura, ator e diretor

2) Dira Paes, atriz

3) Camila Pitanga, atriz

4) Daniela Mercury, cantora

5) Drica Moraes, atriz

6) Bete Mendes, atriz

7) Lucélia Santos, atriz

8) Débora Bloch, atriz

9) Tereza Seiblitz, atriz

10) Matheus Nachtergaele, ator

11) Chico Diaz, ator

12) Cristina Pereira, atriz

13) Tônico Pereira, ator

14) Emilio de Mello, ator e diretor

15) Sérgio Marone, ator

16) Marcelo Brou, ator

17) Tuca Moraes, atriz e produtora cultural

18) Gilberto Miranda, ator

19) Eduardo Dascar, ator

20) Priscila Catoni, escritora

21) Luiz Fernando Lobo, ator e diretor

22)Fernando Alves Pinto, ator

23)Vera Fajardo, atriz

24) Julia Fajardo, atriz

25) Ângela Rebello, atriz

26) Carla Marins, atriz

27) Paulo Betti, ator

28) Ângelo Antônio, ator

29) Tetê Morais, cineasta

30) Paula Barreto, produtora de cinema

31) Lucy Barreto, produtora de cinema

32) Luiz Carlos Barreto, produtor de cinema

33) José Mayer, ator

34) Pedro Gracindo, ator

35) Leonardo Vieira, ator

36) Osmar Prado, ator

37) Renato Barbieri, cineasta

38) Dagmar Olmo Talga, cineasta

39) João Roberto Ripper, fotógrafo

40) Frei Betto, escritor

41) Chico Pinheiro, jornalista

42) Leonardo Sakamoto, jornalista

43) Ricardo Rezende Figueira, padre, professor da UFRJ, coordenador do GPTEC/UFRJ

44) Oscar Vilhena Vieira, professor da FGV Direito SP

45) Eloísa Machado, professora da FGV Direito SP

46) Ela Wiecko Volkmer de Castilho, professora de Direito da UnB

47) Conrado Hubner Mendes, professor da Faculdade de Direito da USP

48) Daniel Sarmento, professor da Faculdade de Direito da UERJ

49) João Paulo Dorini, Defensor Regional de Direitos Humanos em São Paulo

50) Roberto Dias, professor da FGV Direito SP

51) Thiago Amparo, professor da FGV Direito SP

52) Rafael Mafei Rabelo Queiroz, professor da Faculdade de Direito da USP

53) Frei Xavier Plassat, coordenação da Campanha Nacional de Olho Aberto para não Virar Escravo da CPT

54) Lys Sobral Cardoso, procuradora do Trabalho, coordenadora nacional da Conaete/MPT

55) Italvar Filipe de Paiva Medina, Procurador do Trabalho, vice coordenador nacional da Conaete/MPT

56) Guillermo Rojas de Cerqueira César, Defensor Público Federal, Defensor Regional de Direitos Humanos em São Paulo, Coordenador do GT de Combate à Escravidão Contemporânea da DPU

57) Raquel Elias Ferreira Dodge, ex-Procuradora Geral da República

58) Luís Camargo, ex-Procurador Geral do Trabalho, professor no IESB

59) Flávia de Almeida Moura, professora PPGCOM da UFMA

60) Graziella do Ó Rocha, do Comitê Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (CONATRAP)

61) Murilo Peixoto da Mota, sociólogo, GPTEC/NEPP-DH da UFRJ

62) Lucas Isaac Soares Mesquita, pesquisador da USAL

63) Vitale Joanoni Neto, professor PPGHIS da UFMT

64) Kelly Pellizari, professora na Faculdade de Administração da UFMT

65) Marcela Soares, professora da UFF

66) Adair Rocha, professor titular da UERJ

67) Márcia Leonora Orlandini, docente da UFU, coordenadora da Clínica de Enfrentamento ao Trabalho Escravo e do programa Mais Humanos

68) Luciana Bittencourt, professora da Escola de Governo de Maricá (EMAR/RJ)

69) Robson Heleno da Silva, professor da UNIFAMAZ

70) Valena Jacob, professora da UFPA, coordenadora da Clínica de Combate ao Trabalho Escravo da UFPA

71) Aurelane Alves Santana, pesquisadora e professora convidada na University of Malta

72) Carla Reita Faria Leal, professora da UFMT

73) Flora Oliveira da Costa, doutora em direito pelo PPGD/UNICAP, pesquisadora do GPTEC

74) Renan Bernardi Kalil, pesquisador da USP

75) Generosa de Oliveira Silva, socióloga

76) Angela Teberga de Paula, professora da UnB

77) Baruana Calado dos Santos, professora da UEMG

78) Luís Henrique da Costa Leão, professor da UFF

79) José Lucas Santos carvalho, pesquisador da UFS

80) Flávia de Ávila, professora da UFS

81) Emmanuel Oguri Freitas, professor da UEFS

82) Maria Celeste Simões Marques, professora da UFRJ

83) Adonia Antunes Prado, professora e pesquisadora, NEPP-DH e Faculdade de Educação / UFRJ

84) Jaqueline Gomes de Jesus, professora do IFRJ, UFRRJ e FIOCRUZ

85) Herena Maués Corrêa de Mello, promotora de justiça agrária do Estado do Pará

86) Sandra Suely Moreira Lurine Guimarães, professora da UFPA

87) Moisés Pereira da Silva, professor da UFNT

88) Verônica Maria Teresi, professora e pesquisadora

89) Júlia A.S. de Paula, professora, coordenadora da UFF

90) Heloisa Coutinho Calmon Nogueira Gama, associada fundadora do Instituto MiGRa

91) Ludmila Ribeiro Paiva, pesquisadora, associada fundadora do Instituto MiGRa

92) Aline Campos, University of Nottingham, Juíza do Trabalho

93) Edelamare Melo, subprocuradora-geral do Trabalho, membra do CSMPT, PFDC e FONEPI/CNJ

94) Lydiane Machado, vice-presidente da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT)

95) Luciana Loureiro, vice-presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR)

96)Daniel Souza, presidente do Conselho da Ação da Cidadania

97) Virginia Berriel, jornalista

98)Marília Kairuz Baracat, advogada

99)Marcelo Gonçalves Campos, auditor fiscal do trabalho

100) Juscelino José Durgo dos Santos, auditor fiscal do trabalho

101) Valderez Maria Monte Rodrigues, auditora fiscal do trabalho

102) Rogério Lopes Costa Reis, coordenador do Projeto de Combate ao TAE da SRTB/MG

103) Magno Riga, auditor fiscal do trabalho, coordenador de equipe do grupo móvel de fiscalização da Divisão de Erradicação do Trabalho Escravo do Ministério do Trabalho

104) Fernando Vasconcelos, auditor fiscal do trabalho

105) Humberto Monteiro Camasmie, auditor fiscal do trabalho

106) Anastácio Pinto Gonçalves Filho, auditor fiscal do trabalho

107) Paulo Roberto Warlet da Silva, auditor fiscal do trabalho, coordenador de combate ao trabalho escravo no Estado de São Paulo

108) Valéria Félix Mendes Campos, auditora fiscal do trabalho

109) Odete Cristina Pereira Reis, auditora fiscal do trabalho

110) Rodrigo de Carvalho, AFT, coordenador de fiscalização e combate ao trabalho escravo no Espírito Santo

111) Liane Durão de Carvalho, auditora fiscal do trabalho, coordenadora de combate ao trabalho escravo na Bahia

112) Luís Fernando Duque de Sousa, auditor fiscal do trabalho, membro do projeto de combate ao trabalho escravo de Minas Gerais

113) Athos Vasconcellos, auditor fiscal do trabalho, membro do projeto de combate ao trabalho escravo de Minas Gerais

114) Paulo Antônio Barros Oliveira, auditor fiscal do trabalho

115) Ana Mércia Vieira Fernandes, auditora fiscal do trabalho

116) Maria Neuzeli Arantes de Oliveira, auditora fiscal do trabalho

117) Luciana Xavier Sans de Carvalho, auditora fiscal do trabalho

118) Mônica Resende Macedo, auditora fiscal do trabalho, membro do projeto de combate à Discriminação e Promoção de Igualdade de Oportunidade no Trabalho em Minas Gerais

119) Zilda Cosme Ferreira, auditor fiscal do trabalho

120) Shakti Prates Borela, auditora fiscal do trabalho

121) Claudia Nella Câmara de Farias, auditora fiscal do trabalho

122) Maria Inez Caixeta, auditora fiscal do trabalho

123) Luiz Alfredo Scienza, auditor fiscal do trabalho

124) Nei Alexandre de Brito Costa, auditor fiscal do trabalho

125) Milene Mara Zimermann, auditora fiscal do trabalho

126) Lidiane de Araújo Barros, auditora fiscal do trabalho

127)Hélio Ferreira Magalhães, auditor fiscal do trabalho

128) Mário Diniz Xavier de Oliveira, auditor fiscal do trabalho

129) Rivaldo M N Moraes, auditor fiscal do trabalho

130) Edgar Moreira Brandão, auditor fiscal do trabalho

131) Filipe Colares Nascimento, auditor fiscal do trabalho, integrante de grupo especial de fiscalização móvel

132) Magna Fernandes Ramos, auditora fiscal do trabalho

133) Simone Holmes, auditora fiscal do trabalho

134) Maria da Conceição Costa Parente, auditora fiscal do trabalho

135) Cynthia Alves Saldanha, auditora fiscal do trabalho, coordenadora do Projeto Combate à Discriminação e Promoção de Igualdade de Oportunidade no Trabalho em Minas Gerais

136) Juliana Vilela Marcondes, auditora fiscal do trabalho, membro do projeto Combate à Discriminação e Promoção de Igualdade de Oportunidade no Trabalho em Minas Gerais

137) Maria Dolores Brito Jardim, auditora fiscal do trabalho

138) Gustavo Arantes Botelho, auditora fiscal do trabalho, integrante do Projeto de combate ao trabalho escravo em Minas Gerais

139) Cristina Serrano, auditora fiscal do trabalho

140) Matheus Cardoso Ricardo, auditor fiscal do trabalho

141) Luís Antônio Rabelo Rocha, auditor fiscal do trabalho, membro do Projeto de combate ao trabalho escravo em Minas Gerais

142) Margarida Munguba Cardoso, auditora fiscal do trabalho

143) Aneoli Santos Brandão Marchetti, auditora fiscal do trabalho, Bahia

144) Clovis Antônio Tavares Emidio, auditor fiscal do trabalho, Rio Grande do Norte

145) Cláudio Secchin, auditor fiscal do trabalho, coordenador do grupo especial de fiscalização móvel

146) Onilton Carvalho Barbosa, auditor fiscal do trabalho em Minas Gerais

147) Janine Milbratz Fiorot, MPT/ES,

148) Luercy Lino Lopes, MPT/PR

149) Guadalupe Louro Turos Couto, MPT/RJ, gerente do Projeto Ação Integrada – Resgatando Cidadania

150) Juliana de Oliveira Gois, MPT/RJ

151) Thiago Lopes de Castro, MPT/MG, vice coordenador nacional do GT “Trabalho Doméstico”

152) Andréa Tertuliano de Oliveira, MPT/SP, representante regional da CONAETE

153) Tiago Siqueira Barbosa Cabral, MPT/GO, coordenador regional do GAET/CONAETE

154) Tathiane Menezes do Nascimento, MPT de Nova Iguaçu/RJ

155) Regina Duarte da Silva, MPT Ribeirão Preto

156) Luiz Alessandro Machado, MPT/PRT4

157) Manoel Adroaldo Bispo, MPT/PRT20

158) Rafael Garcia Rodrigues, MPT/PRT9, coordenador do Geaf Fazenda Volkswagen

159) Francisco Silva de Sousa (CPT-CE)

160) Evandro Anjos Rodrigues (CPT-TO), coordenação da Campanha Nacional De Olho Aberto para não virar Escravo

161) Waldeci Campos de Souza (CPT/MG)

162) Marcus Vinícius Gonçalves, MPT/SP, representante Conaete da 15ª Região

163) Cristiane Maria Lopes, MPT/PR, representante Conaete 9ª Região

164) Christiane Vieira Nogueira, MPT/CE

165) Cecília Amália Cunha Santos, MPT/TO, representante Conaete

166) Silvia da Silva, MPT, representante Conaete do Pará e Amapá

167) Claude Henri Appy, procurador regional do Trabalho da 2ª Região

168) Silvio Marcio Montenegro Machado, IF Baiano

169) Thaiany Silva da Motta, Assistente Social do Projeto Ação Integrada – Resgatando

Cidadania (PARTE/Cáritas-RJ)

170) Guiomar Germani, UFBA

171) Gilca Garcia de Oliveira, UFBA

172) Ricardo da Silveira Carvalho, professor da UFMT

173) Denilson Moreira de Alcântara, GeografAR/BA

174) Carla Craice da Silva, professora da UNILAB

Assine a petição: https://chng.it/Z962J4p98D

Foto: Sérgio Carvalho /MTE

Deixe um comentário

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

dois × três =