Carta a Lula pela “aposentadoria” de presidentes latino-americanos. Por José “Pepe” Mujica

No Página12

Lula, caro camarada presidente, 

Desejo sucesso à sua iniciativa junto aos presidentes de nossa região. Acho importante criar um espaço de encontro , conhecimento mútuo, diálogo e reflexão, que você chamou de “retiro”. As reuniões presidenciais são geralmente chamadas de “cúpulas”, mas não há cúpulas sem montanhas para se apoiar. Essas montanhas são nossas cidades. 

O retiro cria uma oportunidade histórica onde o ápice será dado pela grandeza do que os participantes mostrarem. Dali se moverão as montanhas, e crescerá uma serra aldeã, alta como a Cordilheira dos Andes, símbolo da unidade que buscamos. As grandes decisões que movem o mundo são tomadas em outro lugar, longe da nossa mesa. É necessário construir proximidade em nossa região para nos fazermos ouvir internacionalmente . Os desafios que enfrentamos como humanidade precisam mais do que nunca de esforços coletivos e propostas inovadoras. 

Como vocês sabem, tivemos algumas reuniões com enviados de presidentes sul-americanos. Olhei para aquele punhado de lutadores sociais e políticos. Levamos para lá mais de um século de prisão e exílio, décadas de experiência em governos nacionais e em organizações sociais, vidas inteiras dedicadas à melhoria das condições de vida de nossos povos. 

Mas passamos dois séculos de fracasso tentando a integração regional, desde aquele sonho bolivariano de um grupo de repúblicas confederadas, que foi esquecido com o tempo. Temos experiência suficiente para não repetir os mesmos erros do passado. 

Não basta nos unirmos, devemos caminhar juntos, e se às vezes não for possível, as portas devem estar abertas para sair e voltar quando possível. Devemos ser capazes de construir um consenso progressista que não nos paralise e que permita avançar quem está em condições e depois somar quem assim o decidir. 

Não é inteligente repetir falhas. A inovação não vem apenas da tecnologia. Podemos também inovar em nossa forma de atuar como ativistas políticos e sociais, levando em consideração tudo o que não pudemos, não quisemos ou não soubemos fazer. Você tem que construir, não impor. 

Quero compartilhar brevemente alguns pensamentos. Considere isso uma contribuição modesta de um grupo de apoio. Não temos pretensões nem expectativas, sabemos que isso é peso e responsabilidade de quem está nos governos. Trabalhamos para nos apoiar e nos defender. Não são questões de esquerda, de direita ou de centro, mas de serem desenvolvidas ou não. 

A integração regional é uma meta. O caminho passa pela proliferação de projetos de cooperação entre dois ou mais países da região. Existe um extenso e legítimo inventário de propostas incorporadas em recentes reuniões regionais. 

Acreditamos que os projetos devem, de alguma forma, fortalecer a solidariedade continental e despertar o sentimento de pertencimento . Achamos que eles devem ser executados com as pessoas. Acreditamos ser fundamental que sejam desenvolvidos com uma visão integradora que represente as necessidades, valores e anseios de nossos povos. 

Por exemplo, uma plataforma permanente para resposta regional rápida a desastres naturais; melhorar a integração energética e as infraestruturas regionais; ficar de olho na industrialização e na complementação produtiva da região. Estimular o comércio criando formas concertadas de transacção com as nossas próprias moedas, pactuando melhores mecanismos aduaneiros bem como a necessária harmonização sanitária e fitossanitária. 

Eles são exemplos de metas alcançáveis. Partir do possível para chegar ao desejável, promovendo projetos que possamos realizar. Para isso contamos com uma ferramenta fabulosa como o CAF como banco de desenvolvimento. 

Precisamos facilitar a circulação dos cidadãos. Os intercâmbios estudantis e a validação de diplomas devem multiplicar-se, multiplicar os espaços de encontro entre as novas gerações, cujo futuro está agora em jogo. 

Devemos nos unir na proteção da água doce e na defesa da natureza. Todos nos identificamos, de todos os cantos do continente, com a vida que a Amazônia representa, com a grandeza e dignidade que os Andes evocam, com a abundância e liberdade das pradarias e com a riqueza das profundezas de nossas terras. 

A integração não será apenas produto da visão de intelectuais e políticos, mas também do sentimento e do imaginário coletivo que souber construir. Os intelectuais e os cientistas pensam, as pessoas sentem, para isso precisamos de datas, de uma bandeira e de um nome, até de um hino.

Sem a força do povo continuaremos na mesma. Devemos construir a mística , porque esta é a luta por outra cultura, algo que nunca conseguimos. 

Até agora, quando falamos de integração, fomos puramente fenícios , quanto eu te vendo e quanto você me vende; e os fenícios, formidáveis ​​mercadores, não criaram nenhuma civilização. 

Um passo rumo ao objetivo da integração seria ter um mesmo dia por ano em que, em todo o continente, todas as escolas pudessem se dedicar a esse tema. Em português, em espanhol ou em seus idiomas locais. Cada um no seu lugar e todos juntos. 

Avançar na integração significa colocar paixão, esperança e conhecimento em nosso pessoal. 

Dois temas organizacionais que achamos úteis: 

  1. Pensamos que a comunicação entre os presidentes deve ser fluida e frequente para que possam falar diretamente com os seus pares quando o considerarem oportuno. Cada presidente ou membro de seu círculo mais próximo deve ter meios para contatar seus pares de maneira fácil, informal e rápida. 
  2. No gabinete ou próximo ao presidente deve haver uma pessoa com a função de monitorar projetos que envolvam dois ou mais países da região para avaliar avanços, fornecer informações, solucionar obstáculos, ouvir as pessoas, incentivar. Esta pessoa cumpriria a função de “secretária de integração” e deveria ser ativa para motivar os respectivos funcionários do estado. 

Nossos representantes em fóruns internacionais devem levar posições e propostas previamente acordadas para passar a mensagem de que somos uma região que zela por seus interesses comuns. É desejável que nossos presidentes incorporem alusões à região em cada discurso em nível nacional e internacional. 

Prezado Lula,

O conjunto de crises globais que vivemos pode levar ao colapso das condições essenciais para a vida no planeta. Muitos esforços serão necessários para enfrentar as mudanças climáticas, a crise do modelo econômico hegemônico, a obsoleta ordem internacional e as grandes forças polarizadoras. Unir forças é o mínimo que podemos fazer para evitar ser vítimas passivas e nos dar a chance de um futuro melhor. 

Conhecemos sua liderança e esforço , que abrange muito mais que a região e que incorpora uma mensagem de paz. 

Aos 88 anos, a capacidade de sonhar com uma América diferente dá mais sentido à vida. 

Com os melhores votos para todos os participantes do Retiro, envio um fraterno abraço a você, seu amigo e companheiro, 

Pepe.

Enviada para Combate Racismo Ambiental por Zelik Trajber.

 

Deixe um comentário

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

quatro + um =