França: depois da grande vitória

Nada há de inevitável no avanço da ultradireita, mostram os resultados. Com programa claro e unidade surpreendente, Nova Frente Popular salvou o país. Mas Marine Le Pen conserva força e Macron busca sacar uma nova carta da manga

por Harrison Stetler, na Jacobin | Tradução: Antonio Martins, em Outras Palavras

Não há nada inevitável na ascensão da extrema direita. Os eleitores franceses o demonstraram no domingo (7/7). ao rejeitarem novamente essa possibilidade no domingo. A aliança de esquerda Nova Frente Popular (NFP) liderou uma reviravolta histórica nas eleições parlamentares francesas, emergindo no segundo turno como o maior bloco na próxima Assembleia Nacional.

Uma aliança de partidos formada às pressas há menos de um mês, a NFP frustrou as expectativas de uma vitória iminente da Reunião Nacional, de Marine Le Pen. Após a dissolução da Assembleia Nacional em 9 de junho, o presidente Emmanuel Macron poderá ser forçado a governar em “coabitação” com um gabinete da oposição. Os líderes do NFP – que reúne a França Insubmissa, o o Partido Socialista, os Ecologistas e o Partido Comunista Francês – exigem o direito de formar o próximo governo e implementar o seu programa comum de “ruptura” com a era Macron. Revelada em meados de junho, a plataforma do NFP inclui a revogação da impopular reforma das aposentadorias de 2023 de Macron, a redistribuição da riqueza, o investimento em serviços públicos e o reconhecimento do Estado palestino.

“O nosso povo evitou claramente o pior cenário. Esta noite, a Reunião Nacional está longe de ter a maioria absoluta que os especialistas previram há apenas uma semana”, declarou exultante Jean-Luc Mélenchon, minutos após a publicação das primeiras sondagens, às oito da noite. “As lições destas eleições são inequívocas: a derrota do presidente da República e da sua coligação está claramente confirmada”, continuou o fundador e líder da França Insubmissa,o maior partido da NFP. “O presidente deve curvar-se e admitir a sua derrota sem tentar evitá-la de forma alguma.”

O maior partido ou coligação na Assembleia Nacional tem normalmente a primeira oportunidade de formar um governo. No entanto, a votação de domingo resultou num parlamento indefinido, com o campo político dividido entre o NFP, o bloco centrista-neoliberal de Macron e um pólo de direita dominado por Le Pen. Estes resultados apontam para um período de intensa instabilidade parlamentar que será extremamente difícil de navegar politicamente, especialmente para a coligação no poder.

De acordo com os resultados finais, a Nova Frente Popular terá 182 cadeiras na nova Assembleia. Em segundo lugar, os macronistas conquistaram 168 assentos, seguidos pela Reunião Nacional de Le Pen, aliada a uma minoria dissidente dos republicanos de centro-direita, com 143 deputados. O sucesso do NFP dá continuidade às eleições legislativas de 2002, onde foram eleitos 142 deputados no âmbito da Nova União Popular Ecológica e Social (Nupes). Por seu lado, a Reunião Nacional registou um aumento significativo dos seus assentos no Parlamento, em comparação com os 88 na legislatura cessante.

A coligação centrista de Macron, Juntos, perdeu quase 80 cadeiras, embora tenha evitado uma derrota eleitoral total. O facção de centro-direita do partido Republicanos, que se opôs à aliança do líder do partido Éric Ciotti com Le Pen – foi capaz de manter 45 assentos , abaixo dos 61 deputados eleitos em 2022.

Frente Republicana

A aliança da esquerda foi essencial para evitar o que durante semanas foi anunciado como uma vitória iminente de Le Pen. Em todo o país, os eleitores de esquerda e progressistas saudaram o resultado com um enorme suspiro de alívio, ou com júbilo total. Até tarde da noite, as buzinas dos carros celebrando a vitória da esquerda podiam ser ouvidas por toda Paris, com uma grande multidão a reunir-se na Praça da República para saudar a Nova Frente Popular e entoar canções e slogans antifascistas.

“A França não é e nunca será uma cor de pele: todas as cores de pele são francesas”, disse outra líder da França Insubmissa, Mathilde Panot, perante os milhares de apoiadores que se reunirão próximos ao canal de la Villette, no 19º arrondissement. Um forte contraste com o estado de espírito entre os apoiadores e quadros da Reunião Nacional, que realizaram a sua vigília a poucos quilômetros de distância, num pavilhão no arborizado parque Bois de Vincennes, a leste do centro da cidade. Em declarações à imprensa, Marine Le Pen afirmou que os resultados eleitorais conduzirão a um ano de caos parlamentar que apenas fortaleceria a extrema direita.

“Tenho muita experiência para ficar chateada”, disse Le Pen, com seus apoiadores gritando “ Presidente Marine” ao fundo. «Perderemos mais um ano: mais um ano de imigração descontrolada; mais um ano de perda de poder de compra; “mais um ano de explosão de insegurança.” A Assembleia Nacional não pode ser dissolvida até junho de 2025.

Durante grande parte do mês passado, a narrativa dominante destas eleições colocou a extrema direita no ápice do poder nacional. Quase todas as sondagens de opinião e projeções de assentos apontavam para que a Reunião Nacional e os seus aliados obteriam um lugar de destaque no Parlamento, se não uma maioria absoluta. Em 9 de junho, a dissolução do Legislativo por Macron ocorreu pouco depois de a extrema-direita ter conquistado o primeiro lugar nas eleições para o Parlamento Europeu. A sua força foi confirmada no primeiro turno das eleições legislativas antecipadas de 30 de junho, quando o partido de Le Pen obteve mais de 33% dos votos, cinco pontos à frente da NFP e treze a mais que os macronistas.

Na noite de domingo, o presidente oficial da Reunião Nacional e suposto candidato a primeiro-ministro, Jordan Bardella, culpou as particularidades do sistema francês de votação em dois turnos. Bardella atacou um segundo turno eleitoral influenciado por “alianças políticas não naturais, concebidas por qualquer meio para impedir os franceses de escolherem livremente uma alternativa política”.

Um ingrediente crítico para bloquear uma vitória da extrema-direita foi o ressurgimento da chamada “frente republicana”. A NFP e o centro macronista retiraram mais de duzentos candidatos concorrentes antes do segundo turno, em 7 de Julho. Embora esteja novamente em terceiro lugar na contagem de cadeiras entre os três blocos, a Reunião Nacional reuniu o maior número de votos populares no segundo turno, com mais de dez milhões de eleitores em toda a França optando por ela – algo que era de se esperar, dado que o partido de Le Pen apresentou o maior número de candidatos no segundo turno. O NFP obteve mais de 7 milhões de votos no segundo turno, seguido de perto pelo bloco macronista, com cerca de 6,3 milhões. Houve um aumento significativo na participação eleitoral, que atingiu seu nível mais alto numa eleição legislativa desde 1997.

Equilíbrio de poder

O equilíbrio de poder no novo Parlamento é complicado para a Nova Frente Popular. Uma maioria absoluta na Assembleia Nacional exige 289 assentos, o que significa que a Câmara continua fortemente inclinada a favor da direita. Embora os líderes da NFP sustentem que alguns pontos do seu programa, como o aumento do salário mínimo e o congelamento dos preços dos produtos essenciais, poderiam ser aprovados por decreto governamental, outros elementos precisariam de uma maioria no Parlamento. O Senado, por sua vez, é dominado por republicanos de centro-direita.

Salvo outra medida surpresa de Macron, a Nova Frente Popular terá de propor para primeiro-ministro alguém capaz de defender o programa da aliança e, ao mesmo tempo, evitar o risco quase constante de um voto de desconfiança por parte das forças combinadas da oposição à sua direita. O líder do Partido Socialista, Olivier Faure, afirmou no seu discurso de vitória no domingo que “a nossa única bússola será o programa da Nova Frente Popular”, antes de exigir que o centro macronista “reconheça a derrota e não combine votos com a extrema-direita para impedir a NFPde governar.

Se a França Insubmissa continuar a ser a força líder na aliança e puder sinalizar o sucesso eleitoral de um programa de “ruptura”, o centro de gravidade do NFP poderá inclinar-se para concessões tácticas. Em relação à Assembleia Nacional dissolvida, as eleições fizeram a balança entre a França Insubmissa e o Partido Socialista, de centro-esquerda, mover-se ligeiramente em favor deste último – embora a formação liderada por Jean-Luc Mélenchon permaneça majoritária. Os dois partidos, principais forças da aliança, obtiveram 77 e 59 assentos, respectivamente.

Vários deputados da França Insubmissa depostos em Junho – num expurgo de figuras que trabalham para uma nova aliança de esquerda fora da influência de Mélenchon – foram reeleitos como dissidentes, contra os candidatos oficiais do partido. Reeleito no domingo numa disputa acirrada no distrito do Somme, François Ruffin deixou a França Insubmissa no final da semana passada, consumando a sua ruptura com Mélenchon. Na semana passada, Ruffin expôs as suas três condições para um governo de unidade nacional que incluísse a esquerda: a revogação da reforma das pensões de Macron, a restauração do imposto sobre a fortuna e uma reforma constitucional para facilitar referendos.

Por sua vez, Macron parece disposto a esperar a hora certa e procura qualquer oportunidade para dividir a aliança de esquerda. Na manhã de segunda-feira, ele rejeitou a oferta do primeiro-ministro Gabriel Attal de renunciar “por enquanto”. Figuras da coligação presidencial previram que as negociações e manobras para criar um governo poderiam durar várias semanas. Depois de ter chocado o país com a dissolução da Assembleia Nacional, o presidente está sem dúvida em busca de mais truques na manga.

Fotos: Thomas Padilla/AP

Deixe um comentário

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

13 − 7 =