Sociedade em Debate faz chamada para dossiê “Resistência e ação coletiva em tempos de exceção”

“Resistência e ação coletiva em tempos de exceção” será o tema da edição 2018/1 da revista Sociedade em Debate, da Universidade Católica de Pelotas, UCPEL. A organização é de Élida Lauris, para quem o dossiê “será uma oportunidade privilegiada de reunir a reflexão consolidada e os novos contornos das experiências de resistência em contextos político e jurídicos de aniquilação de direitos”. 

Abaixo, a chamada de artigos e as instruções para @s autor@s: 

DOSSIÊ TEMÁTICO: RESISTÊNCIA E AÇÃO COLETIVA EM TEMPOS DE EXCEÇÃO

EMENTA

O tema “Resistência e ação coletiva em tempos de exceção”, eixo do dossiê temático da edição número 2018/1 da Revista Sociedade em Debate, convoca a autoria de artigos que discutam os processos de violência e exclusão, à margem do Estado e da justiça oficial ou em cumplicidade com seus atores e instrumentos. Neste sentido, para além da discussão do(s) estado(s) de exceção, pretende-se ainda dar visibilidade a experiências de exceção, desvelando regimes de violência, incluindo a violência do próprio Estado, que se manifestam sem limites e repercutem-se como letalidade.

No mesmo sentido, o eixo temático proposto tem por objetivo avaliar como as contradições entre os princípios do Estado de direito e a prática dos estados de exceção são utilizadas como mecanismo de formulação de um campo de resistência e defesa a partir da ação coletiva, e de releitura do Estado, provocadas pela ação dos movimentos sociais. Interessa dialogar com experiências de resistência de acesso à justiça, participação e cidadania num contexto de transformação reacionária das estruturas de Estado na América Latina e, simultaneamente, de aposta na redefinição paradigmática dos pilares modernos do Estado e do direito a partir das insurgências e insubordinações.

Assim, a presente chamada de artigos estimula a apresentação de trabalhos que elaborem sobre os processos de coexistência entre os regimes oficiais e não-oficiais de direitos e liberdades, bem como sobre as relações estruturais e de instrumentalidade em que a informalidade e a ilegalidade são negociadas, reprimidas e instrumentalizadas pela soberania política. Os trabalhos a serem apresentados poderão abordar estudos críticos e estudos decoloniais, discutindo conceitos como cidadania, participação política e constitucionalismo com ênfase especial nas questões de gênero, raça, indigeneidade e alternativas econômicas de produzir e viver.

Instruções para autorxs

http://www.vivawebinternet.com.br/projetos/eduem.uem.br/downloads/AUTOR.pdf

PRAZO PARA ENTREGA DE ARTIGOS: 30 DE SETEMBRO DE 2017

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.