Violência e direitos humanos serão debatidos no dia da mulher na ENSP

Na Ensp

Não deixem que te calem! Com essa palavra de ordem, a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca comemora mais um Dia Internacional da Mulher. A temática abordada neste ano é a legalidade e ilegalidade do aborto na perspectiva da vida das mulheres. A palestra acontecerá no dia 8/3, às 13h, no auditório térreo da ENSP. Além do debate – organizada pelo Departamento de Direitos Humanos, Saúde e Diversidade Cultural (Dihs/ENSP) -, a programação comemorativa abarca a exibição do filme Libertem Angela Davis, que trata das questões relacionadas à defesa dos direitos humanos. A sessão acontecerá no dia 6/3, às 14h, no salão internacional da ENSP. Confira.

A palestra Legalidade e ilegalidade do aborto: uma reflexão sobre a vida das mulheres traz como convidadas a professora associada de direito penal da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Luciana Boiteux, a pesquisadora da ENSP e diretora do Centro Brasileiro de Estudo de Saúde (Cebes), Lúcia Souto, a juíza de direito do Pará, Andrea Bispo, e a juíza de direito e membro do Conselho de Administração da Associação Juízes para a Democracia (AJD), Simone Nacif. O debate será conduzido por Maria Helena Barros de Oliveira, coordenadora do Departamento de Direitos Humanos, Saúde e Diversidade Cultural (Dihs/ENSP).

O documentário Libertem Angela Davis, cuja direção é de Shola Lynch, retrata a vida da professora de filosofia nascida no Alabama, e conhecida por seu profundo engajamento em defesa dos direitos humanos. Quando Angela defende três prisioneiros negros nos anos 1970, ela é acusada de organizar uma tentativa de fuga e sequestro, que levou à morte de um juiz e quatro detentos. Com isso, entrou para a lista das dez pessoas mais procuradas pelo FBI. Nesta época, ela se tornou a mulher mais procurada dos Estados Unidos. Ainda hoje, Angela é um símbolo da luta pelo direito das mulheres, dos negros e dos oprimidos.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.