Paris queima. O modelo de neoliberalismo com rosto humano entrou em colapso. Por Vladimir Safatle

Na Folha

As cenas da França em chamas há semanas são fortes o suficiente para causar um impacto mundial. Mesmo diante das concessões do governo Macron às exigências dos manifestantes, as mobilizações parecem não esmorecer. Estudantes secundaristas bloqueiam escolas, universidades estão paradas, há ameaças de greves e discussão sobre uma paralisação geral.

É claro que o modelo de um “neoliberalismo com rosto humano” entrou em colapso em um período muito curto de tempo. A saída por tentar recuperar o que seria uma espécie de centro político liberal só se sustenta com doses cada vez maiores de violência policial e estado de segurança máxima.

Só nas manifestações do dia 8 de dezembro houve mais de 1.500 prisões. Isso diz muito a respeito dos modelos de resposta do governo francês.

Não deixa de ter sua ironia o fato de os manifestantes se identificarem pelo uso de um colete amarelo, normalmente usado em situações de emergência ou em situação nas quais trabalhadores devem se fazer visíveis.

Há dois problemas de base, para além da dispersão natural de pautas e grupos: a invisibilidade e a pauperização. Ou seja, uma invisibilidade que é, ao mesmo tempo, política e econômica.

Ela é a expressão de uma inexistência política, de uma massa que deve a todo momento se submeter aos ditames da tecnocracia do Estado e das pressões da “racionalidade” dos agentes econômicos hegemônicos, sem nunca ser ouvida em suas inquietudes e inteligência prática. Massa que se resume à operadora de constituição de eleitores conscientes em períodos esparsos.

Por isso, mobilizações da natureza que a França conhece (e elas serão cada vez mais constantes, em todos os lugares) são inicialmente a tomada de consciência da impossibilidade de se governar —ou, ao menos, da impossibilidade de se governar como até o momento se governou.

Nossas sociedades se batem contra as suas próprias paredes para tentarem se livrar de uma forma de governo que não lhes serve mais. E isso pode nos levar tanto ao pior quanto ao melhor.

Pois talvez estejamos a assistir ao embrião de um longo processo histórico de invenção de uma democracia que está por vir, mas que no seu caminho encontrará derivas e regressões sociais autoritárias.

Mas esse talvez seja o caminho inevitável para a constituição de um verdadeiro poder popular, no qual as decisões e deliberações estarão em vínculo contínuo com aqueles que até então foram invisíveis.

Mas é claro que tal invenção política é motivada pela consciência cada vez mais clara daquilo que não engana, daquilo que nenhum discurso saberia como esconder ou negar, a saber, a pobreza.

A experiência material do empobrecimento não poderá ser escondida por mais tempo sob a capa da responsabilização individual dos fracassos, do “você não foi capaz de ser o empreendedor de si mesmo, de inovar”.

Chega uma hora em que o empobrecimento mostra aquilo que ele realmente é: o mecanismo fundamental de sujeição social e de consolidação de interesses de classe.

Quando a pauperização fala em todos os poros da vida social, “vencedores” de sempre à parte, a solidariedade em relação à crença de que somos governados da melhor forma cai por terra.

No entanto, como vemos que a crise econômica não é mais um momento de “destruição criativa”, mas uma forma estável de governo, e que a crise é uma forma de gestão social que não passará, o caráter explosivo da espoliação econômica tende a passar à frente dos fatos.

Que Paris seja uma das primeiras cidades a queimar, eis algo que parece querer repetir outros momentos históricos. Sem esquecer que, quando as ruas queimam, o fogo rapidamente se alastra.

Vladimir Safatle – Professor de filosofia da USP, autor de “O Circuito dos Afetos: Corpos Políticos, Desamparo e o Fim do Indivíduo”.

Protesto contra o governo em Paris, 01/12/2018. Foto: Thibault Camus /AP

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

três + cinco =