Professoras acusam Universidade Estácio de Sá, no RJ, de perseguição por Marielle

Elas tiveram calendários com a imagem da vereadora arrancados de suas salas

Por Eduardo Barretto, na Época

Duas professoras da Universidade Estácio de Sá, um dos maiores grupos de ensino privado do país, acusaram o diretor do campus em que atuam, no Centro do Rio de Janeiro, de perseguição ideológica. Uma delas judicializou o caso.

Amanda Mendonça e Laila Domith tiveram calendários com a imagem de Marielle Franco arrancados de suas salas e receberam pedidos para que se desculpassem e não participassem de protestos contra o governo Bolsonaro.

Mendonça, que coordenava o curso de pedagogia, é ex-assessora de Marielle Franco.

Domith, demitida na semana passada, é ex-coordenadora adjunta de Direito, e entrou com uma denúncia no Ministério Público do Trabalho contra a Estácio, um dos maiores grupos de ensino privado do país.

Em 17 de maio, quando ainda coordenava o curso de pedagogia, Mendonça foi chamada para uma reunião com Jorge William Yoshida, o diretor do campus.

Yoshida segurava as partes rasgadas do calendário que a professora afixara desde janeiro em sua mesa de trabalho na sala da coordenação — uma recordação da vereadora.

Segundo a professora, ela ouviu do chefe que o calendário e suas postagens nas redes sociais tinham sido objeto de uma denúncia por “propaganda ideológica”.

O diretor pediu que a professora se desculpasse e garantisse que não participaria novamente de greves e manifestações, como a de dois dias antes, em 15 de maio, contra os cortes na Educação. Mendonça se recusou a atender aos pedidos e entregou o cargo de coordenadora.

No dia seguinte, em 18 de maio, foi a vez de Laila Domith ser chamada por Yoshida.

Segundo ela, a conversa foi semelhante. Domith também usava um calendário com a foto de Marielle e participara do protesto contra o governo Bolsonaro.

Também se recusou a seguir as orientações. Na semana passada, foi demitida e entrou com uma denúncia no Ministério Público do Trabalho.

Respondendo pelo diretor, a Estácio afirmou que é “apartidária”, disse repudiar condutas preconceituosas e prometeu apurar os dois casos.

Calendário da vereadora Marielle Franco, morta em 2018. DIVULGAÇÃO

Comments (1)

  1. Sem dó!
    A Universidade Estácio de Sá foi a Instituição que escolhi para me graduar, porque além de ser uma entidade renomada e reconhecida pela qualidade de ensino, é apartidária.
    Tive o desprazer de conhecer alguns polos de Universidades Públicas, pois além da degradação presente, observei total despreparo e falta de educação dos alunos, bem como palestras inúteis e ofensivas às famílias, dentre outras anormalidades… Repudio a ideologia das Universidades Públicas, composta de alunos mais preocupados em realizar “chopadas”, orgias e consumo de drogas, ideias patéticas e sem sentido algum, ódio e desrespeito à moral e valores familiares…
    Em suma, concordo com o posicionamento do Diretor do Campus, Sr. Jorge William Yoshida.
    Deixo claro que não o conheço pessoalmente, mas sim sua conduta respeitável e acredito que as funcionárias realmente não se enquadravam no perfil da Instituição (apartidária).
    Agradeço a oportunidade de manifestar minha posição.
    Sem mais.

Deixe uma resposta

O comentário deve ter seu nome e sobrenome. O e-mail é necessário, mas não será publicado.

três × dois =